PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Agricultura
  3. Colheita no PR ganha fôlego com pausa nas chuvas
avanço no campo

Colheita no PR ganha fôlego com pausa nas chuvas

Fotos: Dirceu Portugal/Gazeta do Povo Produtor ajusta a colheitadeira para reduzir o desperdício. | Fotos: Dirceu Portugal/Gazeta do Povo

Produtor ajusta a colheitadeira para reduzir o desperdício.

Campo Mourão (PR) |

  • especial para Gazeta do Povo

Texto publicado na edição impressa de 26 de janeiro de 2016

Depois de quase 15 dias de chuvas intensas que tiraram o sono de muitos produtores, por conta da possibilidade de perdas de produtividade, a colheita de verão no Paraná ganhou ritmo na última semana. O tempo seco permitiu que as máquinas entrassem nas lavouras para retirada da safra de soja e, em seguida, a semeadura do milho safrinha.

O ritmo acelerado dos trabalhos nos últimos dias aponta que quase 10% da área de 5,2 milhões de hectares de oleaginosa foram colhidos. Apesar do atraso e da chuva, tanto no plantio como na colheita, a avaliação ainda é de uma super safra estadual.

Na região de Campo Mourão, no Oeste do estado, os produtores retomaram a colheita animados com as primeiras cargas de soja. Nos dias sem chuvas, os irmãos Cesar e Marcos Zanin acordam às 4 horas da madrugada para preparar os equipamentos e, logo nas primeiras horas de sol, seguir para a lavoura de 20 hectares no distrito de Jumirim, em Engenheiro Beltrão, para a colheita da oleaginosa e plantio do milho safrinha.

“Estávamos ansiosos pela colheita e os resultados das primeiras cargas estão acima da média”, relata Cesar, após colher, em média, 4 mil quilos por hectare. “Essa safra está sendo abençoada. Choveu bem e fez calor suficiente para o bom desenvolvimento da lavoura. Não podemos reclamar”, complementa Marcos.

Como o excesso de chuva eleva o índice de doenças, incluindo a ferrugem asiática, a dupla reforçou o cuidado com a lavoura. “Para evitar perdas, foram três aplicações de fungicidas e investimentos em adubo foliar. Não economizamos”, reforça Cesar.

Para pagar os custos de produção na casa dos 1,5 mil quilos por hectare, os irmãos Zanin já venderam parte da produção. Eles negociaram cerca de duas mil sacas de 60 quilos a R$ 64 cada. “Estamos tento perdas por conta do contrato, mas os prejuízos serão revertidos em uma maior produtividade. Vamos aguardar preços ainda melhores para vender o restante da produção”, conta Marcos.

Retorno da chuva

O tempo estável, que permite a colheita, deve terminar na próxima quarta-feira (27), no Paraná. De acordo com o meteorologista Luiz Renato Lazinski, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as chuvas acima da média irão retornar ao estado.

“Volta a situação anterior. Bastante chuva e as pancadas de verão no final da tarde. De qualquer forma, irá atrapalhar a atividade no campo”, destaca.

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA