PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Agricultura
  3. Interesse russo por carne brasileira move feira em Moscou
Notícias

Interesse russo por carne brasileira move feira em Moscou

Feira de alimentos realizada em Moscou termina nesta quinta-feira. |

Feira de alimentos realizada em Moscou termina nesta quinta-feira.

Em conflito com Estados Unidos e União Europeia, a Rússia faz uma varredura no potencial do Brasil em busca de um grande fornecedor de alimentos, mostrou conferência em conexão direta com Moscou realizada nesta quarta-feira, em Curitiba, pela Universidade Positivo. Uma comitiva brasileira, que está na capital russa para uma feira internacional sobre alimentos, relatou que as palestras sobre "o que é que o Brasil tem" a oferecer estão mais lotadas do que nunca.

A 23.ª World Food Moscow começou segunda-feira e termina amanhã. Com mais de 1,5 mil expositores, é uma porta de entrada para o mercado russo. O pavilhão do Brasil foi instalado na área de carnes. Os participantes são de todos os continentes.

Além do churrasco servido gratuitamente, as palestras do Brasil estão lotadas e "mais da metade dos lugares são tomados pelos russos", contou Pedro Viana, da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio, que faz parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O espaço no mercado internacional que se abre para os alimentos brasileiros, durante o conflito ligado à disputa pela Crimeia, vai de US$ 5 bilhões a US$ 10 bilhões, avaliou Gilberto Ramos, presidente da Câmara de Comércio Brasil-Rússia. Ele também falou de Moscou.

O embargo russo aos EUA e à UE tem duração de um ano. Mas essa janela é uma boa oportunidade para o Brasil se estabelecer enquanto alternativa de longo prazo, disse o empresário brasileiro João Prestes. Ele conversou com empresários em Moscou e mostrou que existe clima para investimento inclusive na Crimeia.

Os professores e alunos da Universidade Positivo questionaram a comitiva brasileira sobre a fidelidade do mercado russo. Os representantes do Brasil admitiram que Moscou pode voltar a importar carnes dos Estados Unidos e da Europa daqui um ano, mas que isso vai depender do grau de aproximação entre fornecedores brasileiros e importadores russos.

Hoje a principal barreira é a "falta de conhecimento mútuo", disse Prestes. "O Brasil conhece a Rússia basicamente pelas informações que vêm da imprensa europeia e americana." Essa falta de contato contínuo ocorre também entre organizações técnicas, acrescentou. O Brasil não vem sendo convidado a participar, por exemplo, dos grupos que definem regras sanitárias, apesar de posteriormente ter de cumpri-las como seus concorrentes.

Serviço: A 2.ª Semana de Comércio Exterior da Universidade Positivo segue até segunda-feira, em Curitiba.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA