PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Carne barata? Cuidado para não entrar em uma roubada (literalmente)
Roubo de cargas

Carne barata? Cuidado para não entrar em uma roubada (literalmente)

Roubo de cargas em 2016 causou prejuízo de R$ 38,5 milhões ao setor de aves e suínos, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA)

Valterci Santos Associação informa que a maioria das cargas é desviada para estabelecimentos de pequeno porte e vendida  em condições de manuseio e conservação duvidosas. | Valterci Santos

Associação informa que a maioria das cargas é desviada para estabelecimentos de pequeno porte e vendida em condições de manuseio e conservação duvidosas.

  • Antonio C. Senkovski

O roubo de cargas em 2016 no setor de aves (carne e ovos) e de suínos causou prejuízos de R$ 38,5 milhões. A conta é da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que divulgou o balanço nesta semana. As perdas foram levantadas junto às agroindústrias e reflete mais um problema da violência que virou rotina para os brasileiros.

De acordo com a ABPA foram 1,2 mil ocorrências registradas ao longo dos 12 meses de 2016. No total, segundo a entidade, foram desviadas 3,9 mil toneladas no período. Os campeões da violência são os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. A maioria das ocorrências aconteceu em rodovias e em áreas de desembaraço de cargas.

A associação informa que a maioria das cargas é desviada para estabelecimentos de pequeno porte. Nesses pontos de venda os produtos são comercializados sem qualquer garantia de qualidade, com notas frias e com armazenamento e manipulação duvidosa.

“Este também é um atentado contra a economia e contra a saúde do consumidor”, disse Francisco Turra, presidente executivo da ABPA, ao site da instituição.

Identificação de produto roubado é difícil

Diretora do Procon-PR, Cláudia Silvano avalia que para o consumidor a única forma de saber se um produto é roubado é pedir a nota fiscal de entrada do produto. “É uma situação que dificilmente vai acontecer por parte dos consumidores”, diz. “O preço”, continua ela, “é algo que o consumidor deve ficar atento, mas é pouco provável que um comerciante vá vender a carne por um preço muito mais baixo”, explica.

Cláudia detalha que a melhor forma de garantir que os produtos tenham garantia de procedência é que a fiscalização por parte dos órgãos competentes seja mais rigorosa. Mas caso o consumidor desconfie de que se trata de um produto irregular ele deve comunicar as autoridades para que o caso seja investigado.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA