Assinaturas Classificados
Seções
Anteriores
Publicidade

Bola no Corpo

Quem faz o blog
Seções
Defesa arrojada
É disso que o pop gosta
Foi o Vaterlô
Já fui bom nisso
Minha planilha que não falha
Olha o chute do garoto
Por dentro dos fatos
Posts
Um abraço para o contexto
Vai com Deus, guri
Vai ganhar o Motorádio
Enviado por admin, 17/08/12 8:46:00 AM

Não se renda, Ricardinho

Coluna publicada na Esportiva impressa dessa sexta-feira


Os times em que Ricardinho melhor jogou tinham uma característica em comum. O Paraná do surgimento, o Corinthians do auge e o Santos da retomada gostavam de ter a bola no pé, buscar o jogo, tomar a iniciativa mesmo fora de casa. Onde Ricardinho mais venceu como jogador foi atacando o adversário sem trégua. Natural que na sua primeira experiência como treinador o único (ou ao menos o primeiro) caminho usado para vencer seja jogar no ataque sempre. E assim ele já é a grande revelação como treinador do futebol brasileiro em 2012.

Partindo desse princípío, Ricardinho sempre dá um jeito de escalar os melhores jogadores. E no elenco paranista, os melhores – salvo o excelente Alex Alves, os bons Anderson e Luís Carlos – estão do meio pra frente. O resultado é um time naturalmente ofensivo. Essa ofensividade natural fez o Tricolor passar o trator na Segundinha, ir mais longe do que o esperado na Copa do Brasil e se fixar na primeira metade da tabela da Segundona, quase sempre jogando bem – mesmo fora de casa, mesmo na derrota.

Houve exceções. Uma delas foi a derrota por 2 a 0 para o Ipatinga, que fez Ricardinho admitir a possibilidade de mudar o estilo de jogo, incluir mais um jogador de marcação. Leia-se: trocar Wellington ou Luisinho por Ricardo Conceição, em princípio para as partidas como visitante.

Conceição marca melhor, mas mesmo assim o time perde. Se sai Wellington, diminui a capacidade de manter a bola no pé. Se sai Luisinho, perde velocidade. Nos dois casos, aumenta a chance de a bola ficar no pé do adversário. E, consequentemente, aumenta o risco de tomar gol.

A irritação de Ricardinho é legítima. Implícito ou explícito, há um pacto claro quando um treinador escala tantos jogadores ofensivos. Para o time dar certo e ganhar crédito, todos precisam se doar um pouco na marcação. Na Vila, esse pacto é cumprido fielmente. Em Ipatinga, ele foi ignorado.

Torço apenas para que Ricardinho não tenha perdido a dimensão do que seu time fez até o momento. A reação imediata diante de derrotas como a de terça-feira, que não deixam o time colar no G-4, é achar que a escalação “faceira” demais impede o Paraná de ganhar certos jogos. O que não pode é esquecer que o Paraná só passou de candidato ao rebaixamento a postulante ao acesso exatamente por causa dessa ofensividade.

Mesmo que a cobrança seja grande, Ricardinho não pode se render. Sua resistência fará bem ao Paraná e ao futebol.

Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Carlos | 17/08/2012 | 09:45

      A melhor defesa é o ataque! Não há dúvida! Mas tem que ter "pegada", "espírito guerreiro" para seguir adiante na série B. Tem que marcar (gols) e marcar (o adversário). A série B não é para os fracos. Que o Paraná seja forte! Ricardinho já é!

      Marcos A. | 17/08/2012 | 09:17

      Ricardinho está fazendo um trabalho perfeito no Paraná Clube. Por todos os problemas que teve no ano passado eu tinha quase convicção de que só lutaria para não ser rebaixado a série C. Esse ano a única obrigação que o Parana tinha era sair da segunda paranaense, mas não não tem obrigação de subir à seria A do brasileiro, porém mostrar que pode se reerguer com um trabalho à longo prazo. Alguns falavam que Ricardinho estava entrando em uma furada, mas agora está mostrando que tem grande futuro.

      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade