*

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
Blog Caixa Zero
Blog Caixa Zero

Governo Cida começa com secretários encrencados na Justiça e nomeações polêmicas

O governo Cida Borghetti começou com poucas nomeações. A divisão do butim ainda é negociada pouco a pouco com os partidos. Quase todas as que já saíram, porém, têm alguma polêmica envolvida. Entre os secretários já nomeados, há parentes, sócios de parentes, pessoas com problemas na Justiça, gente que está na lista da Odebrecht… Veja abaixo o caso de cada um.

Silvio Barros

Silvio Barros. Foto de Fabio Dias/Gazeta do Povo.

Silvio Barros. Foto de Fabio Dias/Gazeta do Povo.

O “supersecretário” Silvio Barros, que no começo do governo foi escolhido para acumular o Desenvolvimento Urbano e a Casa Civil, é cunhado de Cida Borghetti, irmão do deputado Ricardo Barros. Em tese, não há nepotismo ilegal, já que o STF permite a nomeação de parentes para primeiro escalão. Além disso, Silvio está com bens bloqueados pela Justiça em função de duas ações.

Ezequias Moreira

Salvo de julgamento criminal em primeira instância por Beto Richa, Ezequias, o homem da sogra-fantasma, que teve de devolver meio milhão de reais recebidos ilicitamente da Assembleia, manteve o cargo de secretário de Cerimonial. Também, foi nomeado para o Conselho Estadual de Trânsito.

Fernando Ghignone

Citado por delatores da Odebrecht, o ex-tesoureiro de campanhas de Beto Richa é acusado de receber dinheiro ilegalmente para caixa dois. Nega as acusações. Foi escolhido para a Secretaria de Administração.

Juraci Barbosa Sobrinho

Juraci Barbosa Sobrinho. Foto: Henry Milleo/Arquivo Gazeta do Povo.

Juraci Barbosa Sobrinho. Foto: Henry Milleo/Arquivo Gazeta do Povo.

Igualmente tesoureiro de campanhas de Beto Richa, o tucano também aparece nas delações da Odebrecht como supostamente tendo recebido dinheiro para caixa dois. Assim como Ghignone, nega as denúncias. Foi escolhido para o Planejamento.

Sandro Kosikoski

O procurador-geral do Estado de Cida Borghetti foi escolhido fora dos quadros de carreira, o que é incomum. Logo se descobriu que foi sócio de Diego da Silva Campos, genro da governadora. E que trabalhou na defesa do irmão dela, Juliano Borghetti, envolvido da Operação Quadro Negro.

Dilceu Sperafico

O deputado do PP, escolhido para a Casa Civil, já se livrou do problemaço que tinha: foi envolvido na Lava Jato e chegou a entrar na “Lista de Janot”. Porém, seu caso foi arquivado.