Blogs

Fechar
PUBLICIDADE

Caixa Zero

Enviado por Rogerio Waldrigues Galindo, 09/03/16 11:48:58 AM

Professor de História é ameaçado por dizer que Lula não deve ser assassinado

Renato Mocellin. Foto: Antonio More/Gazeta do Povo.

Renato Mocellin. Foto: Antonio More/Gazeta do Povo.

O professor de História Renato Mocellin estava no banco, na segunda-feira. Lia um livro sobre a Revolução Francesa enquanto esperava a vez. De repente, começa a passar na tevê uma reportagem sobre Dilma Rousseff. Claro, alguém faz um comentário sobre corrupção.

Mocellin diz que, apesar do baixo calão, as coisas iam dentro da normalidade. Vendo um certo excesso da parte da senhora que xingou a presidente, disse que corrupção sempre existiu. “Até que um rapaz ouviu a conversa e começou a gritar”, diz o professor.

“Tem que matar o Lula! Tem que matar o Lula!”, dizia. Mocellin diz que tentou argumentar que num país civilizado as coisas não se resolvem assim. Não há pena de morte no Brasil. Se for culpado, que Lula pague, mas que as coisas sejam feitas dentro do Judiciário, com direito à defesa etc.

Segundo o professor, foi o que bastou. O sujeito passou a acusar Mocellin, dentro do banco, aos berros. “Você é um petista. Seu fdp.” Ameaçou agredir o professor, que a essa altura admite ter ameaçado reagir também. Mas a agressão ficou só no verbo.

“Eu nem sou petista. Até sou de esquerda, mas não sou filiado a partido nenhum. Acho que o governo cometeu erros sim e que quem for culpado tem que pagar. Mas não é matando as pessoas. Existe lei pra isso”, diz.

Mocellin diz que teria deixado tudo desse jeito se a ameaça de agressão tivesse parado por ali. “Achei que o sujeito podia estar com algum problema no banco, que tinha sido um rompante.” Mas, na terça, ao sair da aula, recebeu um bilhete da secretária contando que o homem, transtornado, tinha ido ao cursinho para “resolver umas pendências”.

O professor foi então à polícia e registrou um boletim de ocorrência. O caso chegou também à Assembleia Legislativa. O deputado Tadeu Veneri (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos, relatou a história. Deputados de todas as ideologias se solidarizaram. “O presidente Ademar Traiano (PSDB) foi muito elegante”, diz Mocellin.

A história, segundo o professor, é uma mostra dos riscos que a exacerbação política do país está causando. “Agora tem gente dizendo pra matar o Lula, para matar o Moro. Ameaçam as pessoas na rua. Parece que querem um cadáver para usar de mártir”, diz. “E se matam o Lula? E se matam o Moro? Vamos para uma guerra civil.”

Mocellin, que tem 58 anos, diz que começou a dar aulas no fim do governo Geisel. “Nem naquela época vi tamanha intolerância com opiniões divergentes”, afirma. “Agora prometi à minha esposa que não vou dar opinião sobre nada que tenha acontecido há menos de 40 anos”, brinca.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Buscar no blog
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais