*

Enkontra.com

Quem são os 10 maiores compositores de todos os tempos?

Reprodução/internet
Bach: um dos prováveis consensos da lista.

Um crítico do New York Times se enfiou numa enrascada. Resolveu fazer uma lista dos dez maiores compositores de todos os tempos. Está há uma semana, mais ou menos, escrevendo textos para justificar suas escolhas.

Na verdade, ele diz que ainda não terminou de formular a lista. e está pedindo a ajuda dos leitores para escolher o top 10.

Leia mais: Como começar a ouvir música clássica?

Claro, ele mesmo diz, não tem como dizer que é uma lista “objetiva”. Cada um tem seus gostos, preferências, idiossincrasias. Mas dá para dizer, mais ou menos, quem é o centro do cânone musical? Ele aposta que sim.

Para começar, ele faz o primeiro corte arbitrário, dizendo que só vai considerar do barroco para frente, para facilitar a missão. Nem os primeiros barrocos, como Monteverdi (um forte candidato, diga-se) entram. Em resumo: só de Bach em diante.

De lá para cá, Anthony Tommasini escreveu quatro textos. Vou resumir do que ele fala em cada um. O link está disponível para quem lê inglês.

1- O barroco alemão

Os dois primeiros gênios que Tommasini considera que podem entrar na lista são do barroco alemão: Bach e Haendel. Ele diz que nnão imagina ninguém se opondo a Bach (claro) e imagina que Haendel também será consenso.

O que pode gerar dúvidas nos fãs, imagino, é o que fica de fora. Dessa época, há quem vá defender Vivaldi, por exemplo. Mas ele não entrou. Eu achei que Purcell poderia entrar, também. Mas, não. A lista é dele afinal de contas.

Veja o texto inicial da série aqui.

2- Os vienenses

O segundo texto foi dedicado todo aos “quatro de Viena”: Haydn, Mozart, Beethoven e Schubert. De novo, só gigantes, claro. Imagino que alguém que não goste de classicismo possa reclamar de Haydn. Os outros são meio inquestionáveis.

Veja as duas partes sobre os vienenses aqui e aqui.

3- O século 20
Tommasini decidiu pular o século 19 (que tem mais candidatos) e enfrentar o século 20 depois. Promete voltar ao espinheiro do romantismo depois.

No século 20, cogita alguns que podem entrar na lista. Começa com Debussy. Diz que, com certeza, incluirá Stravinsky. E menciona Bartók. Mais estranho: fala em incluir… Britten. Mais estranho ainda: Tommasini nem é inglês, o que justificaria a sua preferência.

Aqui é onde os leitores darão mais palpites, acho. Como o cânone do século 20 ainda está se formando, os fãs de cada compositor provavelmente vão se rebelar. E os dodecafonistas? Nada de Schoenberg? E Ravel (aqui sou eu gritando)? E Prokofiev?

Os que gostam de música mais recente, então, ficarão irados por nenhum compositor do fim do século aparecer. Mas faz parte.

Clique aqui para ler o quarto artigo.

Agora, falta o texto do século 19. E, depois, a lista final. Prometo postar aqui quando estiver pronta. Mas, pelo que vi, acho que a lista de Tommasini ficará mais ou menos assim:

1- Bach
2- Haendel
3- Haydn
4- Mozart
5- Beethoven
6- Schubert
7- Wagner
8- Brahms
9- Debussy
10- Stravinsky

Será que eu acerto?

Quem quiser dê seus palpites.

Siga o blog no Twitter.