PUBLICIDADE

Educação e Mídia

Enviado por Instituto GRPCOM, 01/08/13 4:51:17 PM

Cuidando de crianças e adolescentes em vulnerabilidade social

Hugo Harada Gazeta do Povo

A educação predominante tem sua atenção direcionada à transmissão dos conteúdos curriculares e ocupa-se pouco em conhecer o contexto e intervir na vida que seus alunos levam. Diante dessa abordagem, como ficam as crianças e os adolescentes em situação de vulnerabilidade social? Será possível para eles aprender na escola enquanto seu mundo desmorona?

Problemas pessoais significativos dificultam o aprendizado. Você já tentou estudar com algum tipo de dor? Imagine como é para um aluno que está com fome, com frio ou com piolhos… Você já tentou estudar quando estava abalado emocionalmente? Imagine como é difícil aprender para os milhões de crianças que vivem em lares desestruturados em que suas necessidades básicas, emocionais e físicas, são negligenciadas. Pense na dificuldade em aprender conteúdos curriculares de uma criança que sofre agressões físicas, sexuais, ou que é psicologicamente violentada. É compreensível se eles, talvez os que mais precisam da escola, forem os que menos aprendem.

Nossas escolas não têm estrutura para lidarem com os problemas sociais que nelas ecoam e é muito difícil para um professor intervir de maneira eficaz dispondo dos recursos que tem. Assim como é quase impossível para ele conhecer verdadeiramente seus alunos, considerando que atua com diversas turmas que totalizam centenas de jovens e crianças. Quanto à direção escolar e à equipe pedagógica, a situação é semelhante. Além disso, esses profissionais são desvalorizados pela sociedade e não tem em suas formações o preparo necessário para atuações com esse nível de profundidade. Aqueles que se importam realmente com esses alunos apenas sofrem junto.

Diante desse contexto, presente na maioria das escolas públicas do país, é necessário um novo olhar e a adoção de estratégias que realmente amparem e protejam a criança e o adolescente em situação de risco. Precisamos de equipes multidisciplinares dentro das escolas, com bons terapeutas, assistentes sociais especializados, instituições parceiras e de trabalhos que envolvam as famílias e as auxiliem na árdua tarefa de educar.

Um desabafo, uma possibilidade, um sonho…

>> Este artigo foi escrito por Luciano Diniz, coordenador da pós-graduação em Educação Integral Transformadora da Associação Gente de Bem.

>> Quer saber mais sobre educação, mídia, cidadania e leitura? Acesse nosso site! Siga o Instituto GRPCOM também no twitter: @institutogrpcom.

Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Buscar no blog
      Assine a Gazeta do Povo
      • A Cobertura Mais Completa
        Gazeta do Povo

        A Cobertura Mais Completa

        Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

        Tudo isso por apenas

        12x de
        R$49,90

        Assine agora!
      • Experimente o Digital de Graça
        Gazeta do Povo

        Experimente o Digital de Graça!

        Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

        Após o período teste,
        você paga apenas

        R$29,90
        por mês!

        Quero Experimentar