*

Enkontra.com

Vila Rica escondida no mato

Tigela em pedra. (Foto: Brunno Covello / Agência de Notícias Gazeta do Povo)
Tigela em pedra. (Foto: Brunno Covello / Agência de Notícias Gazeta do Povo)

 

Urna funerária encontrada em uma fazenda em Fênix.  (Foto: Brunno Covello / Agência de Notícias Gazeta do Povo)

Urna funerária encontrada em uma fazenda em Fênix. (Foto: Brunno Covello / Agência de Notícias Gazeta do Povo)

Entre uma entrevista e outra, visitamos o Parque Estadual Vila Rica do Espírito Santo, na cidade de Fênix, no Centro-Oeste. Lá dentro, há uma preciosidade da história do Paraná: as ruínas de uma redução jesuítica fundada em 1592 e que dá nome ao parque. Para se ter uma ideia, o povoado fundado pelos jesuítas para catequizar os índios guaranis, maior etnia da região na época, é 56 anos mais antiga que a fundação de Paranaguá, considerada a cidade mais antiga do estado.

Essa riqueza cultural, porém, está escondida no meio do mato. Alguns utensílios indígenas e espanhóis foram coletados pelo Museu Paranaense no local da antiga redução, entre os rios Corumbataí e Ivaí. Outros objetos, como uma urna funerária de um índio do sexo masculino, foram encontrados por agricultores da região ao remexer a terra para prepará-la para a agricultura. Esse material está exposto em um museu dentro do parque e no próprio Museu Paranaense, em Curitiba.

Mas, as ruínas do povoado permanecem dominadas pela floresta que a cerca. Há décadas existe a intenção de preparar a área para incentivar o turismo, com uma trilha até o que restou da redução após as investidas das bandeiras paulistas e a criação de uma réplica em tamanho real de casas e da igreja principal. Tudo isso, porém, ainda é só sonho.

O Rio Grande do Sul faz isso há tempo (veja aqui). Argentina e Paraguai também organizaram essa riqueza, exploram o turismo e valorizam a história e a cultura local. E nós, quando faremos isso?

Em tempo, o parque tem ainda um valor ambiental enorme. São 150 alqueires de mata nativa preservada, onde é possível encontrar grandes animais como a anta, onça, puma, jaguatirica, porco do mato, jacaré e macaco prego.

Ficou curioso?

Veja mais sobre essa riqueza histórica e cultural do Paraná.

Wikipedia

Museu Paranaense

Pesquisadores se unem para salvar patrimônio histórico (Gazeta do Povo)

Revivendo o Paraná colonizado pelos jesuítas (Gazeta do Povo)

O papel cultural dos jesuítas no Brasil colonial (Gazeta do Povo)

Breve relato de uma longa jornada (Gazeta do Povo)

…………………………………………………………………….

Participe

O que fará o Centro-Oeste do Paraná se desenvolver? Escreva aqui e ajude a mostrar o que pode ser feito pelo Poder Público para melhorar a qualidade de vida de quem mora aqui.

Onde estamos

Veja aqui em que cidade estamos agora e acompanhe nosso deslocamento pelo estado.

Isso é trabalho?

Entenda aqui o por quê Gazeta do Povo está bancando a viagem de dois caras por todo o Paraná. Apesar da diversão ao conhecer lugares e pessoas novas, “aqui é trabalho”, como diria o Muricy Ramalho.