Colar de âmbar: usar ou não usar? - Palpite de Alice
Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
Blog Palpite de Alice

Colar de âmbar: usar ou não usar?

Foto por Milena Stahsefski da Areté Fotografias
Foto por Milena Stahsefski da Areté Fotografias

É cada vez mais comum encontrarmos bebês e crianças com um colar de pedrinhas meio transparentes no pescoço. É o famoso colar de âmbar.

colar de âmbar

Foto por Milena Stahsefski da Areté Fotografias

Eu já havia visto algumas crianças usarem, mas confesso que nunca tinha estudado o que realmente é o âmbar, do que ele é feito e para que ele serve.

Na semana passada atendi no consultório um menino que estava com um machucado no pescoço. Conversando com a mãe, chegamos a conclusão de que a irritação começou após ele usar um colar de âmbar. 

Fui pesquisar.

Você sabe o que é âmbar e para que ele serve?

Âmbar é uma resina vegetal muito muito antiga (cerca de 50 milhões de anos) que se tornou um fóssil e é encontrada na região banhada pelo Mar Báltico (Lituânia, Letônia, Estonia).

O contato da pele com o âmbar verdadeiro (sim, o verdadeiro é este que vem desta região específica da Europa), libera o ácido succínico. Acredita-se que este ácido tenha efeito natural contra a dor e inflamação, além de melhorar o sistema imunológico e as funções cerebrais da criança.

Por esta razão o colar de âmbar tem ganhado espaço no coração de mães e pais, usado especialmente quando começam a aparecer os primeiros dentes, por ser uma fase incômoda para o bebê.

Existe comprovação científica de que o âmbar funcione?

Não existe comprovação cientifica de que o uso do colar de âmbar seja benéfico como analgésico ou antiinflamatório.

Sei que vem polêmica por ai. Então vamos deixar claro, esta não é uma opinião pessoal minha.

Fiz uma busca em um importante portal cientifico e os artigos e estudos disponíveis (não são muitos, é verdade) não conseguem comprovar a eficácia do ácido succínico (liberado pelo âmbar em contato com a pele) no combate a dor relacionada ao início da dentição.

Isto quer dizer que ele não funciona?

Não, isto quer dizer que não há evidências científicas. Mas muitas mães e pais aprovam o seu uso e relatam uma experiência positiva, percebendo menor irritabilidade da criança.

Como saber se o colar de âmbar é verdadeiro?

O âmbar verdadeiro é que possui alta quantidade de ácido succínico e que, portanto, possuiria o efeito medicamentoso esperado. O problema é que ele é encontrado somente na Europa. Com a popularização do uso do colar, o que vemos é falsificação, colares feitos de plástico ou vidro.

Faça alguns testes:

1. Coloque uma ou duas gotas de acetona ou álcool em uma das contas do colar. Se ficar viscosa, pegajosa ou alterar a cor, não é âmbar.

2. Misture uma parte de sal com duas de água e dissolva. Coloque uma peça de âmbar: se boiar, é autêntica.

3. O âmbar é morno ao toque, diferente das imitações de vidro, que são mais frias que a sua pele.

Colares de “âmbar” falsos podem possuir componentes irritantes para a pele e causarem alergia no local de contato. Algumas pessoas podem apresentar irritação mesmo ao âmbar verdadeiro, exatamente pela liberação do ácido succínico na pele.

Qual a posição das Sociedade Brasileira de Pediatria e de Odontologia?

As duas entidades são contra o uso do colar, devido ao risco de asfixia (enforcamento). Ainda, se uma das pedrinhas do colar se soltar, a criança pode engolir e ficar asfixiada (sem ar). 

Usar ou não usar, eis a questão!

Dito todos os prós e contras vai de cada família optar ou não por usar o colar de âmbar.

Se a decisão for por usar o colar, seguem algumas medidas de segurança:

  • Entre cada conta do colar de âmbar deve ter um nó, para caso ele se rompa, apenas uma das pedras se solte
  • O colar deve ter entre 33 e 36 cm de comprimento para não ficar apertado e nem frouxo demais
  • A criança não deve dormir nunca com o colar, mesmo naquelas sonecas da tarde
  • Tire o colar  na hora do banho, o contato frequente com a água pode enfraquecer o fio
  • Criança com colar deve ser supervisionada em todo o momento

Por: Dra Juliana Loyola Presa

Facebook: dra juliana loyola presa

Instagram: @drajuloyolapresa