Assinaturas Classificados
Seções
Anteriores
Publicidade

Rolmops&Catchup

Quem faz o blog
Seções
Posts
Enviado por admin, 20/05/12 7:30:00 AM

Frio – frio na barriga

A baixa temperatura mexe com o comportamento das pessoas. Nenhuma novidade. A possível novidade: no trânsito de Curitiba há quem pense que, acelerando ao máximo, é possível se livrar do frio, deixando-o para trás. Isso sem fugir da cidade.
Sabe-se que, no inverno, o cabôco se alimenta mais porque precisa de mais energia para conseguir mais calor.
- Somos seres homeotérmicos, precisamos manter a mesma temperatura, mas isso não significa que é preciso recorrer ao acelerador, pisar fundo – acrescentou o professor Afronsius, cada vez mais preocupado com o trânsito na capital.
Natureza Morta concordou e foi em frente: – É de dar mais frio, frio na barriga.

Vícios urbanos

Do anexo II da biblioteca da mansão da Vila Piroquinha, Natureza sacou o livro “Trânsito Louco”, de Marcos Prado, 1973. Os problemas, efetivamente, não decorrem da temperatura. Entre as razões do trânsito que já era maluco naquela época, temos do arquiteto, ex-IPPUC e ex-Detran, que, em 1971, o desafio curitibano era “implantar um plano de trânsito numa cidade com vícios urbanos impermeável a qualquer modificação em sua estrutura viária tradicional”.
Para o ex-prefeito Jaime Lerner, na orelha do livro, trânsito era “assunto que mais preocupa do que entusiasma, embora num país onde os automóveis crescem em progressão geométrica e isso acaba por atingir a todos, indistintamente”.

Hora do psicotécnico

Implantado na década de 1970, o exame psicotécnico para obtenção de carteira de habilitação apontou, nas primeiras levas, que só em Curitiba “quase 10% dos candidatos mostraram ser neuróticos”.
E, conforme Marcos Prado, Curitiba, como todas as cidades “em crescimento espontâneo”, não possui uma infraestrutura para suportar o impacto da era industrial, “cujo efeito mais direto é o aumento progressivo da sua frota de veículos”.
Proporcionalmente à sua população, “a cidade apresentava uma das menores áreas centrais – aproximadamente 0,5 Km quadrados -, onde há excepcional concentração de atividades comerciais, bancárias, culturais e recreativas”.
- Pois é, interrompe o professor Afronsius. Tanto é verdade que, até hoje, ainda ouvimos a clássica indagação: vai pro centro hoje?
Encerrando o dedo de prosa, Natureza aproveitou para reler mais um pedacinho do livro: “Os acidentes são hoje o nosso maior mal social. É um verdadeiro massacre que substitui as pragas da idade média, no Século XX”.
- Massacre que emplacou, sem trocadilho, e perdura o Século XXI.
Em tempo: Beronha, nosso anti-herói de plantão, não chegou a tempo para o bate-papo.
- Impossível. Parou tudo.
De fato. Houve ontem uma série de manifestações na área central.

ENQUANTO ISSO…


Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade