Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Celso Nascimento

“Novo geito de governar” põe o PR no Seproc federal

Publicado em 29/07/2012 |
  • Comentários

O relatório prévio do Tribunal de Contas da prestação de contas de Beto Richa, relativa a 2011 – o primeiro ano de seu mandato – está recheado de más notícias para o estado. Escrito pelo conselheiro Hermas Brandão, que em passado recente era um dos cardeais do PSDB e operador político do atual governador, o relatório foi aprovado por unanimidade no pleno do TC – isso é, pelo conjunto dos sete conselheiros.

As quatro principais más notícias do relatório dizem respeito a setores vitais do governo – aqueles que mais afetam a vida da população e o desenvolvimento do estado, exatamente os que seriam objeto prioritário de um choque de gestão – ou “xoque de jestão”, grafia errada, mas mais condizente com a realidade.

Olho vivo

Londrina

O prefeito de Londrina, Barbosa Neto, não se livrou da comissão processante da Câmara, que tenta cassar seu mandato. A sessão será nesta segunda-feira. Seu advogado, Rodrigo Sanchez, reclama: todas provas que inocentam Barbosa estão presentes nos autos. As irregularidades, diz ele, teriam sido cometidas pela Centronic, empresa cujo contrato foi rompido pelo prefeito por inidoneidade.

Correção

A Resolução 2092 do Ministério Público Estadual, do último dia 18, que instituiu o auxílio-alimentação de R$ 630,00 mensais para os seus 619 membros, contém uma curiosidade. No artigo 5º está escrito que o benefício será pago retroativamente a partir de 19 de maio de 2004, com “juros e correção monetária”. Tradução: se, em 2004, o prato de comida custou R$ 10,00, pague-se agora o valor a quem o comeu com juro e correção.

Ei-los: o governo investiu apenas 8,3% da receita em saúde pública, contrariando a Constituição que determina aplicar 12%; os gastos em ciência e tecnologia ficaram em 1,48%, aquém dos 2% previstos na Constituição estadual; na segurança pública, ao invés de aplicar o R$ 1,69 bilhão programado, foram gastos apenas R$ 322 milhões; o ritmo de obras também despencou: apenas 1,2% do orçamento foram destinados a investimentos em infraestrutura, o que é menos de um terço do programado para 2011.

É claro que o governo nem gostou nem concorda com todos os termos do relatório do TC, mesmo porque, se verdadeiras as deficiências apontadas, cai por terra o capítulo 3 do Plano de Governo que prometeu aos paranaenses “um novo jeito de governar”. Ou “geito”?

Já estão programadas para esta semana reuniões entre o staff de Richa com conselheiros e técnicos do TC, nas quais o governo espera convencê-los de que nem tudo é o que parece. Na segurança, por exemplo, o governo garante que os gastos foram de R$ 1,6 bilhão – cinco vezes mais do que valor detectado pelo Tribunal.

“Seproc”

Mas a pior má notícia diz respeito ao setor da saúde pública. Se de fato as aplicações ficaram abaixo dos 12% constitucionais, os reflexos serão graves. É que, segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), estados e municípios precisam comprovar gastos no limite mínimo para ter direito a receber recursos voluntários da União, firmar convênios, obter aval ou contratar financiamentos.

Caso não comprovem, são automaticamente inscritos no Cadin – o cadastro dos inadimplentes mantido pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), organismo que tem algumas funções semelhantes aos temidos Seproc e Serasa. Como se sabe, quem tem nome sujo num dos dois sequer consegue comprar com carnê ou fazer papagaio no banco – aliás, como ocorreu com o Paraná no governo Requião em razão da dívida com títulos podres do Banestado.

Quem faz o controle disso para a STN é o Siops (Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde). Quando se abre o site da STN, o Paraná aparece em situação regular em vários quesitos – mas no referente à saúde há lá no quadradinho correspondente apenas um misterioso asterisco. Ao se procurar saber o significado desse asterisco, a própria STN esclarece: trata-se de sinal de que o estado ainda não comprovou regularidade.

Pode ter havido apenas um desculpável atraso na atualização das informações, mas também pode ser que o asterisco reflita a mesma constatação do Tribunal de Contas. Para o governo, segundo release da Agência Estadual de Notícias, a suposta irregularidade seria decorrência da recente regulamentação que mudou os critérios de definição sobre o que, realmente, é gasto em saúde pública – e, portanto, tudo não passaria de simples mal entendido.

Seja lá qual for o motivo, o fato é que o Paraná já tem um apontamento no “seproc” federal. As sanções ainda não foram impostas, mas o “geito” agora é dar explicações à STN o quanto antes para evitar o pior.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade