Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

astronomia

Pesquisadores paranaenses descobrem anel em planeta nos confins da galáxia

Cientistas da UTFPR ajudaram a identificar nova estrutura celeste ao desenvolver novo método de observação em parceria com equipe internacional de pesquisadores

  • Da Redação
 | Alexandre Crispim/UTFPR
Alexandre Crispim/UTFPR
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Uma recente descoberta feita nos confins da galáxia teve participação paranaense. Uma equipe internacional de astrônomos descobriu a existência de um anel em torno do planeta-anão Haumea, localizado no Sistema Solar Exterior. Entre os pesquisadores que participaram da descoberta estão o professor Felipe Braga Ribas e a aluna Flávia L. Rommel, do Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Leia também: Horário de Verão começa no fim de semana; saiba o que fazer com seu relógio

Os paranaenses ajudaram a desenvolver um novo método considerado mais eficiente e complexo, permitindo a observação de corpos celestes pequenos de baixa luminosidade localizados em pontos muito distantes da galáxia a partir de ocultações estrelares, ou seja, quando esses objetos passam na frente de uma estrela. O pesquisador da UTFPR foi um dos pioneiros na aplicação desse método.

A partir disso, os cientistas puderam não apenas evidenciar a presença desses anéis como ainda abriu mais questões sobre a evolução dos objetos no Sistema Solar. Em um artigo publicado na última edição da revista Nature, uma das mais conceituadas publicações científicas do mundo, os astrônomos apresentam as principais características físicas do Haumea, como tamanho, forma e densidade.

Apesar do peso da descoberta, Ribas destaca que esse é apenas o início de uma nova leva de questionamentos. “Os próximos passos são continuar observando esse objeto, fazer modelos e simulações sobre esse anel, ver como esse anel pode ou não evoluir, tentar entender do que ele é formado e qual a influência da rotação do Haumea, que é muito elevada, para a formação desse anel”, explica.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Curitiba

PUBLICIDADE