Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Economia

Fechar
PUBLICIDADE

CONJUNTURA

Alta do dólar faz indústria nacionalizar peças

Empresas buscam fornecedores no Brasil para driblar escalada da moeda norte-americana

Fabricio Serbake, diretor comercial, e Osmar Yamawaki, diretor geral da Daiken: fatia de importados caiu para 10%. | Albari Rosa/gazeta do povo
Fabricio Serbake, diretor comercial, e Osmar Yamawaki, diretor geral da Daiken: fatia de importados caiu para 10%. Albari Rosa/gazeta do povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A alta de 48% do dólar em 2015 encareceu as importações e afetou diretamente parte da indústria que depende de matéria-prima fabricada no exterior. A incerteza em torno do câmbio levou empresas a iniciar um movimento de nacionalização de componentes e insumos.

INFOGRÁFICO: Veja como o dólar variou nos últimos anos

A Daiken, que fabrica elevadores e plataformas de acessibilidade em Colombo,na Grande Curitiba, substituiu fornecedores estrangeiros por nacionais logo no início do ano passado. Antes, até 30% dos componentes usados na fábrica vinham da China.

“Quando o dólar começou a escalar, buscamos fornecedores nacionais e algumas coisas começamos a fabricar aqui mesmo. Hoje conseguimos atingir a taxa de 10% de componentes importados”, afirma Fabricio Serbake, diretor comercial da Daiken.

LEIA MAIS: Fornecedores reativam fábricas paradas

A nacionalização deixou a linha de produtos da empresa mais competitiva, já que ela conseguiu segurar os preços no patamar em que estavam. Estimativas do diretor comercial mostram que, se as taxas de importação tivessem sido mantidas, seria necessário um ajuste de 15% nos valores. “Neste ano vamos aumentar preços em torno de 6%, mas por conta de mão de obra e serviços”, diz Serbake.

Segundo o dado mais atualizado do coeficiente de penetração de importações da indústria geral, medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a tendência de crescimento dos importados, na série a preços constantes, começou a se reverter. No terceiro trimestre de 2015, o indicador caiu de 23,1% para 22,8%, dando sequência ao recuo iniciado no trimestre anterior.

Segundo a CNI, a baixa reflete dois fatores. O primeiro é a redução das quantidades importadas, reflexo da alta do dólar, com substituição por produção doméstica. O segundo fator é o recuo na importação de produtos intermediários – que são uma parcela significativa das importações totais – provocado pela baixa da produção industrial brasileira.

Michael Kuester, presidente da DAF Caminhões Brasil, subsidiária da norte-americana Paccar, conta que a alta do dólar no ano passado acelerou o processo de nacionalização das duas linhas de caminhões produzidas na fábrica de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, a XF105 e CF85.

“A desvalorização do real nos impactou de forma séria. Em média, 40% dos custos dos caminhões vinham de produtos importados e isso nos forçou a acelerar o processo de nacionalização”, conta Kuester.

A linha CF85 foi recentemente credenciada no programa Finame, do BNDES, após a montadora alcançar um índice de nacionalização de peças e componentes de 68%, atendendo às exigências do BNDES e do programa Inovar-Auto.

Fornecedores reativam fábricas paradas

Lauro Pastre Júnior, diretor da Pastre, que fabrica implementos rodoviários em Quatro Barras, na RMC, lembra que antes da abertura do mercado para os produtos importados, todos os fornecedores da empresa eram nacionais.

“Depois disso, com o câmbio favorável e a expansão chinesa, todo mundo começou a trazer produtos de fora. Nessa fase, muitas indústrias nacionais, que antes apenas produziam, começaram a importar produtos e revender. Agora está acontecendo o contrário”, diz.

Segundo Pastre, a movimentação do dólar faz com que alguns fornecedores reativem parte das fábricas paradas. “Está valendo a pena. O produto nacional já está mais competitivo que o importado. Além disso, tem também a facilidade, já que não depende de alfândega e outras burocracias”, afirma.

Importados representavam 30% do total de componentes para a fabricação dos semirreboques da empresa. “Hoje reduzimos em cerca de 70% nossa dependência de importados”, diz. (TBV)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/02/01/Economia/Graficos/Futuro/dolar 2015.pdf

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais