Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

empreender

Elevator Pitch define as cinco startups finalistas; conheça as selecionadas

Empresas terão que defender a sua ideia de negócio para um comitê avaliador durante 90 segundos em um elevador

  • Jéssica Sant’Ana
Membros da banca avaliadora deram dicas aos empreendedores antes do início das apresentações. Na foto, Rogerio Nascimento, da área de marketing da Quantum | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Membros da banca avaliadora deram dicas aos empreendedores antes do início das apresentações. Na foto, Rogerio Nascimento, da área de marketing da Quantum Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Elevator Pitch, evento promovido pela Gazeta do Povo para estimular a criação e o desenvolvimento de negócios inovadores no Paraná, selecionou as cinco startups finalistas do projeto. Elas terão que defender a sua ideia de negócio para um comitê avaliador durante 90 segundos em um elevador. A última fase acontece neste domingo (13), no Edifício 2820, no bairro Água Verde.

A startup vencedora ganhará período de incubação na Aldeia Coworking, em Curitiba, participará de mentorias com empreendedores paranaenses e apresentará seu case no evento Empreender Gazeta do Povo. O evento acontece no dia 8 de dezembro, no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

Banca

A banca que definiu as cinco finalistas do projeto aconteceu nesta quarta-feira (9), em Curitiba. Equipes de dez diferentes startups, selecionadas para a segunda fase, apresentaram a sua ideia de negócio para uma banca formada por executivos do Grupo Boticário, Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), Itaipu Binacional, Quantum, Fleety, Aldeia Coworking e GRPCOM.

Os empreendedores tiveram dez minutos para explicar o seu modelo de negócio e contar como pretendem tornar a ideia rentável e escalável. Os avaliadores tiveram cinco minutos para fazer perguntas para cada equipe. Entre os critérios de seleção utilizados para definir as finalistas estão o potencial da solução apresentada, o mercado em que está inserida, a possibilidade de escalabilidade e as competências dos fundadores do startup.

O Elevator Pitch é um evento promovido pela Gazeta do Povo que tem patrocínio da FAE Business School e da Itaipu Binacional e conta com o apoio técnico do IBQP.

Confira o perfil das cinco startups selecionadas para a fase final do Elevator Pitch:

Lilibox

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/11/09/Economia/Imagens/Cortadas/LiliBox2An-kEbG-ID000002-1024x576@GP-Web.jpg
Guilherme Palloro e Rafael Luciano, fundadores da LiliboxAniele Nascimento/Gazeta do Povo

Plataforma que reúne revendedores das cinco maiores marcas de cosméticos e beleza: Natura, O Boticário, Avon, Mary Kay e Eudora. O cliente faz o pedido por meio de um aplicativo e o revendedor cadastrado mais próximo, que tiver o produto à pronta entrega, faz a venda. O aplicativo funciona de maneira similar ao Uber: assim que o cliente faz o pedido, a plataforma avisa a todos os revendedores da região e aquele que tiver à pronta entrega e mais perto do endereço faz a venda. A startup fica com uma comissão de 6% sobre o valor total da compra e cobra uma taxa de conveniência (R$ 1,99) do consumidor final. O aplicativo já está em funcionamento em Curitiba.

Host4Pet

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/11/09/Economia/Imagens/Cortadas/Host4Pet2An-kEbG-U201135635002DNG-1024x576@GP-Web.jpg
Alexandre Roa e Carlos Eduardo Galarda, idealizadores da Host4PetAniele Nascimento/Gazeta do Povo

Plataforma que capacita pessoas para cuidar de animais de estimação e que faz a conexão entre os donos dos pets e os cuidadores, chamados de hosts. As pessoas que se cadastrarem na plataforma para serem hosts terão à disposição cursos on-line sobre como cuidar de animais e como atender o cliente. Já as pessoas que possuem animal poderão entrar na plataforma e solicitar o host mais próximo e disponível para prestar o serviço, sempre na casa do cuidador. A startup cobra pelo treinamento prestado aos cuidadores e também ganha uma comissão a cada negócio fechado através da plataforma.

ViZiN

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/11/09/Economia/Imagens/Cortadas/Vizin2An-kEbG-U201135635002EI-1024x576@GP-Web.jpg
Eduardo Viana, do aplicativo de segurança compartilhada ViZinAniele Nascimento/Gazeta do Povo

Aplicativo gratuito de segurança compartilhada. O usuário entra no aplicativo e visualiza quais são as redes de segurança da sua região. A pessoa pede para entrar na rede, se ela for privada, e começa a compartilhar e receber informações. As redes funcionam como comunidades virtuais em que é possível emitir alertas de segurança que são enviados para todos os membros via aplicativo. É possível criar redes privadas, como do condomínio e do centro comercial. Já são mais de 5 mil usuários em 150 cidades. A startup gera receita ao vender espaços dentro do aplicativo para que empresas de segurança façam a divulgação de seus produtos e serviços.

Voopyn

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/11/09/Economia/Imagens/Cortadas/Voopyn3An-kEbG-U201135635002ygH-1024x576@GP-Web.jpg
Franciele Gabardo, fundador da startup VoopynAniele Nascimento/Gazeta do Povo

Plataforma de atração e seleção de jovens profissionais através de desafios. Os profissionais, de preferência universitários e recém-formados, se cadastram na plataforma e resolvem desafios que envolvem técnicas de gameficação. As empresas conseguem mapear quais são os profissionais que mais se adequam à vaga aberta e podem lançar novos desafios para fazer a seleção. A participação dos estudantes é gratuita e as empresas precisam contratar o serviço.

Himarket

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/11/09/Economia/Imagens/Cortadas/HiMarket2An-kEbG-U201135635002XUC-1024x576@GP-Web.jpg
Gustavo Garcia e Humberto Campos fundaram o Himarket.ClubAniele Nascimento/Gazeta do Povo

Plataforma que cria uma base de dados com informações de compras dos clientes de redes varejistas e que disponibiliza essas informações para as empresas desenvolverem ações de marketing. A Himarket fechou um contrato com uma rede varejista que integra o seu sistema de nota fiscal ao da plataforma. Com isso, todas as informações de compra do cliente vão para a base de dados, com o objetivo de identificar padrões de consumo, hábitos de compra e os diferentes perfis de clientes. Os varejistas terão um portal à disposição com as informações mais relevantes para desenvolvimento de estratégias de marketing e fidelização dos consumidores. A startup também desenvolve aplicativos com a identidade visual do varejista para a utilização dos consumidores. No aplicativo, os consumidores podem consultar seu histórico de compra e ter informações sobre produtos, promoções e programas de fidelidade.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE