Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Finanças Pessoais

Fechar
PUBLICIDADE

contas inativas

Sábado tem filas nas agências da Caixa para retirada do FGTS

No Centro, atendimento nas agências está sendo realizado em menos de meia hora; já em alguns bairros, espera chega a duas horas

  • Atualizado em às
Agência central da Caixa: apesar das filas, atendimento tem sido rápido | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Agência central da Caixa: apesar das filas, atendimento tem sido rápido Henry Milleo/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O sábado começou quase como um dia útil, com cidadãos entrando e saindo da Caixa Econômica Federal. Estão abertas 49 agências em Curitiba e Região Metropolitana neste sábado (11), das 9h às 15h - 23 apenas na capital. Enquanto nas agências do Centro o atendimento é rápido, em alguns bairros a espera chega a duas horas.

O objetivo é liberar o FGTS de contas inativas a trabalhadores nascidos entre janeiro e fevereiro. Pessoas nascidas nos demais meses devem consultar o calendário de liberação do banco.

O atendimento no Centro de Curitiba foi rápido na manhã deste sábado, com tempo de espera inferior a 30 minutos, conforme levantamento da Gazeta do Povo nas unidades centrais. “Mesmo que haja filas, nossa recomendação é de que o trabalhador tenha calma, pois o trabalho continua ao longo dos dias em horários especiais”, afirma Gustavo Portela, diretor executivo da Caixa.

Conferente de supermercados, João Luis Ferreira chegou à agência da Praça Carlos Gomes às 7h50, e afirma ter encontrado 12 pessoas à sua frente. Após o início dos atendimentos, em 10 minutos saiu com o valor em mãos. “Meu objetivo é pagar contas”, afirma.

Com agências em horários diferenciados também nos dias da semana, o recomendado pela equipe da Caixa em Curitiba é que, se possível, as pessoas busquem atendimento entre 8h e 10h, para evitar horários de maior movimento.

Centro

No momento da abertura da agência Carlos Gomes, uma fila de aproximadamente 80 pessoas aguardava.

Mesmo quem chegou após 8h30 teve atendimento relativamente rápido. Foi o caso do pedreiro Silverio Pinheiro de Souza e sua esposa, Elizete das Graças Feliz. Às 9h, com senha em mãos, já esperavam sentados serem chamados. Caso similar à doméstica aposentada Maria Borges Veloso, que estava lá para descobrir quanto poderia sacar do FTGS. Tanto o casal quanto a aposentada tinham um único objetivo: pagar dívidas.

A situação era ainda mais calma na agência Barão do Cerro Azul, ao lado da Catedral na Praça Tiradentes. O vigilante Fernando Oliveira Costa viu a fila de quase 80 pessoas na Carlos Gomes e resolveu “tentar a sorte” em outra unidade. Deu certo. Ele afirma ter chegado perto do horário de abertura e, em 20 minutos, sacou o valor. Além de pagar algumas dívidas, ele busca guardar o valor restante na poupança. “Preciso economizar, pois minha esposa está grávida”, afirma.

Bairros

Segundo levantamento da reportagem, em alguns bairros da cidade, o cidadão pode encontrar movimento mais intenso.

Na Região Sul, na agência do Pinheirinho (Winston Churchill), por exemplo, a espera pode ser superior a duas horas, conforme informações obtidas com o local. Tempo similar ao estimado na agência do Sitio Cercado (Rua dos Pioneiros). No Hauer (Marechal Floriano), a fila chegava a sair da agência após o início do expediente.

As três agências da Região Norte têm filas de cerca de uma hora para triagem e atendimento final, conforme relatos. São elas: Ahú (Mateus Leme), Bacacheri (Prof Erasto Gaertner) e Tingui (Monteiro Tourinho).

Na agência Ecoville (João Falarz) também há movimento intenso e a espera pode levar mais de uma hora. A recomendação é que, se possível, o trabalhador busque atendimento na agência Bigorrilho (Padre Anchieta) ou Nova Orleans/São Braz (Toaldo Túlio), onde a informação é de que em cerca de 30 minutos os clientes estão conseguindo realizar os saques.

No Portão (República Argentina), apesar de alto fluxo de pessoas, também estima-se atendimento médio em meia hora.

Em Santa Felicidade (Manoel Ribas), sequer é possível precisar tempo de espera devido à fila.

Região Metropolitana

Em Campo Largo, o tempo de espera mínimo está em cerca de 40 minutos neste sábado. Há duas agências em funcionamento no Centro, nas ruas Clotário Portugal e Xavier da Silva.

São José dos Pinhais conta com três agências em horário especial: Afonso Pena (Av Rui Barbosa), XV de Novembro e Graciosa (Rua Joinville). Apesar de o movimento ter reduzido próximo ao meio dia, segundo informações, a estimativa de espera é superior a uma hora.

Cidade vizinha, Pinhais está com duas agências: Av Camilo de Lellis e Av Iraí. Nesta última, ao meio-dia, cerca de 70 pessoas aguardavam na fila dos caixas.

Em Araucária, também há duas agências em plantão de sábado: na Praça Dr. Vicente Machado e Rua Irmã Elizabeth Werka. A informação é de fluxo alto de clientes, sem previsão de tempo para atendimento.

Dados e orientações

Nesta primeira fase de liberação do FGTS, cerca de 380 mil trabalhadores do estado do Paraná têm direito ao saque. Ao todo, são cerca R$ 500 milhões disponíveis. Estima-se que mais de 700 mil trabalhadores já realizaram o saque no país, liberado pelo governo desde sexta-feira (10).

Gerente geral da agência Carlos Gomes, Sandra Biondo estima que, apenas nessa unidade, 1.200 pessoas solicitaram o FGTS na sexta. “Cada um surge com uma dúvida ou uma demanda, mas estamos orientando para que todos fiquem com identidade e carteira de trabalho em mãos para agilizar o atendimento”, afirma.

Alguns funcionários da Caixa contam ainda que há relatos de que muitos trabalhadores não conseguiram resgatar o FTGS por não conhecerem o calendário de liberação do banco. É importante, portanto, ficar atento às restrições para o saque. Além disso, para agilizar o atendimento, há relatos de funcionários convocados, inclusive, de agências que não serão abertas aos finais de semana.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais