Economia

Fechar
PUBLICIDADE

ENERGIA

Grupo “antifracking” é contra leilão de campo de gás no Paraná

Bloco no estado será leiloado nesta quinta (10) pela ANP

 | Dirceu Portugal/Gazeta do Povo
Dirceu Portugal/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Coalizão Não Fracking Brasil (Coesus) é contra o leilão que vai licitar, entre outras nove áreas em todo o país, o campo de gás natural de Barra Bonita, em Pitanga, no Centro-Sul do Paraná. O certame será realizado nesta quinta-feira (10), no Rio de Janeiro, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

INFOGRÁFICO: Veja onde fica o campo de Barra Bonita

Embora esse bloco seja considerado como de gás “convencional”, que pode ser extraído com o uso das técnicas tradicionais de extração, a Coesus teme que a empresa ou consórcio vencedor venha a buscar na região o chamado “gás de xisto”, ou “não convencional”, que fica aprisionado em uma rocha chamada folhelho.

A técnica para extraí-lo, chamada de fraturamento hidráulico (“fracking”), é considerada danosa ao meio ambiente por grupos ambientalistas e parte dos especialistas no setor de petróleo e gás – outra parte considera que, se bem executado, o fracking tem baixo risco.

O método consiste na injeção de milhões de litros de água misturada a produtos químicos, em alta pressão, no subsolo terrestre, a fim de quebrar a rocha e então liberar o gás.

“O Código Minerário deixa claro que, se tenho um campo convencional, estou automaticamente autorizado a explorar também o gás não convencional”, diz o coordenador da Coesus, Juliano Bueno de Araujo. “O uso do fracking representa um risco real e efetivo ao aquífero Serra Geral, que perpassa aquela região, ao abastecimento de água da população e à atividade agropecuária”.

A Copel é uma das inscritas para o leilão desta quinta. Junto com três sócias, a empresa arrematou quatro blocos com potencial para gás de xisto em um leilão da ANP realizado no fim de 2013 – um desses blocos é vizinho da área de Barra Bonita.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais