Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

indústria farmacêutica

Índia quer Brasil como parceiro na produção de medicamentos

Quebra de patentes permite produção recorde de genéricos na indústria indiana. Burocracia e órgãos regulatórios emperram parcerias

  • Mumbai, índia
  • Liana Suss
Fernando César da Silva, da Nunesfarma: cliente de fornecedores indianos há sete anos. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Fernando César da Silva, da Nunesfarma: cliente de fornecedores indianos há sete anos. Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O alto custo e baixa competitividade da indústria farmacêutica brasileira têm levado distribuidores, fabricantes e até o poder público a buscar alternativas na Índia, chamada de farmácia do mundo. Responsável por 10% do volume de medicamentos produzidos em todo o planeta, a indústria indiana equilibra preços competitivos e qualidade e, depois de abrir portas em mercados com regulamentação, mira o Brasil como parceiro potencial.

Organizados pela Câmara de Comércio Índia Brasil e a convite do governo indiano, 15 empresários, consultores e especialistas da área farmacêutica estiveram na Iphex, feira mundial de negócios e exposição da indústria de medicamentos, realizada em Mumbai, em busca de oportunidades de negócio. “A inovação é o que move esta indústria, nosso sucesso está em garantir qualidade a baixo custo. Sabemos que o Brasil tem um controle rígido e estamos dispostos a atendê-lo”, disse Shri Ashutosh Gupta, presidente do conselho promotor das exportações do setor farmacêutico da Índia, Pharmexcil, e CEO da Medicamen, fornecedora da curitibana Nunesfarma.

Com uma lei de patentes restrita aos processos de fabricação e não aos produtos, o país quebrou registros internacionais em território indiano e se tornou líder na fabricação de genéricos. “Nosso desafio é desacreditar as companhias que disseminam a desinformação de que os genéricos são ineficazes e evitar que outros países sejam levados por isso”, diz o Secretário Geral do Ministério do Comércio indiano, Rajeev Kher.

Depois investir em mão de obra especializada e inovação, a Índia produz medicamentos acessíveis e de qualidade e atua em desde mercados pouco regulamentados aos mais rígidos, como o europeu e o norte-americano. Os indianos procuram agora entender o vasto e pouco competitivo mercado brasileiro. “Temos dois interesses: ajudar o Brasil a sustentar seu sistema de saúde pública e oferecer novas tecnologias para conseguir produtos de qualidade a preços competitivos”, diz Kher.

Empresários brasileiros perceberam a competitividade da indústria indiana e as possibilidades de utilizá-la como fornecedora ou mesmo deslocar sua produção para o país. Mas questões regulatórias, a burocracia, os altos custos trabalhistas e outros impostos impedem a consolidação da parceria. “A Anvisa dificulta a entrada de novos produtos e tecnologias em uma medida que pode ser considerada um protecionismo disfarçado”, afirma Michael Lund, consultor jurídico de investimentos estrangeiros e transações internacionais da Coimbra & Chaves Advogados.

Experiência de sucesso

CEO da distribuidora de medicamentos Nunesfarma, Fernando Cesar da Silva descobriu há sete anos os fornecedores indianos.“Vi que companhias das quais nunca havia ouvido falar são fornecedoras das maiores marcas internacionais”, diz. Hoje, a empresa possui um escritório na Índia e viu a oportunidade de lançar sua marca própria com produtos fabricados no parceiro asiático. Com lançamento de quatro produtos em 2015, a Nunesfarma tem mais 50 em processo de aprovação. “Fazemos visitas constantes às fábricas, acompanhando desde os testes de qualidade até a produção comercial. Com uma adequação do setor regulatório aos níveis internacionais, a indústria indiana poderá ser mais presente no mercado brasileiro”, diz Mauro Federici, executivo de desenvolvimento de negócios da empresa.

A repórter viajou a convite da Câmara de Comércio Índia Brasil.

Paraná Saúde quer abastecer farmácia básica na Índia

Em paralelo ao setor privado, o interesse do poder público em fornecedores estrangeiros também demonstra a falta de competitividade da indústria nacional e sua incapacidade de abastecer simultaneamente os sistemas público e as redes de farmácias particulares.

Interessado em preços mais competitivos e garantia de abastecimento não encontrados no território nacional, o Consórcio Paraná Saúde participou da missão da Câmara de Comércio à Índia em busca de indústrias que possam atender à demanda de 394 municípios paranaenses por medicamentos básicos.

“O desabastecimento de medicamento básico onera toda a cadeia do sistema de saúde, então buscamos parceiros potenciais na Índia para garantir maior comprometimento no abastecimento a um custo melhor”, diz Carlos Setti, diretor executivo do consórcio.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE