Economia

Fechar
PUBLICIDADE

conjuntura

Investimento acumula sete quedas seguidas e não dá sinais de melhora

Pessimismo com o futuro e pouca intenção de investir dos empresários devem agravar ciclo de baixas neste ano

A intenção de investimento da indústria cai há vários meses, o que deve se refletir em um crescimento econômico mais baixo no futuro. | Brunno Covello/Gazeta do Povo
A intenção de investimento da indústria cai há vários meses, o que deve se refletir em um crescimento econômico mais baixo no futuro. Brunno Covello/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Os investimentos feitos pelas empresas para produzir mais, medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), estão em queda desde o segundo trimestre de 2012. E, depois de sete recuos trimestrais, as perspectivas para o investimento produtivo – considerado o “fermento” do crescimento econômico – continuam ruins, já que os índices que refletem a confiança no futuro e a intenção na retomada dos gastos dos empresários também estão caindo.

INFOGRÁFICO: Iniciativa privada investe cada vez menos desde 2013

De janeiro a março a FBCF caiu 1,3% em relação ao trimestre anterior e 7,8% na comparação com o mesmo período de 2014. A FBCF avalia quanto governo e iniciativa privada destinaram à aquisição de bens de capital, ou seja, aqueles que servem para produzir ou transportar outros bens.

No ano passado, a taxa de investimento ficou em 19,7% do PIB, abaixo dos 20,5% de 2013. O ideal para uma economia com crescimento sustentável é um índice perto de 25%.

As baixas do investimento produtivo são explicadas pela perda de credibilidade do governo federal, causada pelas decisões tomadas no primeiro mandato de Dilma Rousseff, que levaram ao afastamento do tripé macroeconômico (regime de metas de inflação, fiscais e câmbio flutuante) .

Com a inflação se distanciando da meta de 4,5%, o Banco Central passou aos empresários a impressão de que havia deixado de perseguir a meta e sinalizou que teria adotado o teto de 6,5% como a taxa a ser buscada .

Outro ponto que agravou a situação está relacionado à política fiscal de Dilma. “O governo usou instrumentos fiscais para estimular a demanda, dobrando a aposta que havia sido feita no auge da crise. Esses estímulos comprometeram a saúde das contas públicas e, no ano passado, houve uma deterioração muito grande do quadro fiscal. O governo inflou receitas e subestimou despesas”, diz Alexandre Andrade, economista da GO Associados.

A sustentação artificial da moeda brasileira, para tentar segurar uma inflação que já se mostrava fora de controle no ano passado, acabou por favorecer a importação e encarecer a produção nacional, desestimulando ainda mais os investimentos privados.

“Isso teve como consequência direta a perda de competitividade. Os produtos brasileiros ficaram ainda mais caros e feitos em condições mais desfavoráveis”, explica Carlos Tortelli, sócio da Consult.

As expectativas dos empresários industriais, medidas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), também estão em baixa e mostram que os próximos seis meses ainda serão de retração nos gastos. A sondagem industrial de maio apontou que o índice de intenção de investimento caiu para 44,2 pontos. Apenas este ano, a taxa já recuou 8,2 pontos.

A intenção de investimento dos empresários é medida dentro de uma variação de 0 a 100 pontos. Quanto maior o índice, maior é a propensão da indústria em investir. Quando a taxa se mantém abaixo da linha dos 50 pontos é sinal de pessimismo com o futuro.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2015/06/18/Economia/Graficos/Vivo/investimentos empresas.pdf

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais