i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
conjuntura

Investimento acumula sete quedas seguidas e não dá sinais de melhora

Pessimismo com o futuro e pouca intenção de investir dos empresários devem agravar ciclo de baixas neste ano

  • PorTalita Boros Voitch
  • 15/06/2015 21:57
A intenção de investimento da indústria cai há vários meses, o que deve se refletir em um crescimento econômico mais baixo no futuro. | Brunno Covello/Gazeta do Povo
A intenção de investimento da indústria cai há vários meses, o que deve se refletir em um crescimento econômico mais baixo no futuro.| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Os investimentos feitos pelas empresas para produzir mais, medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), estão em queda desde o segundo trimestre de 2012. E, depois de sete recuos trimestrais, as perspectivas para o investimento produtivo – considerado o “fermento” do crescimento econômico – continuam ruins, já que os índices que refletem a confiança no futuro e a intenção na retomada dos gastos dos empresários também estão caindo.

INFOGRÁFICO: Iniciativa privada investe cada vez menos desde 2013

RESULTADO PREJUDICADO

A continuidade da baixa no investimento da iniciativa privada deve contribuir para o já esperado mau desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, já que compõe a taxa geral de investimento, ao lado dos investimentos públicos. No ano passado a taxa geral ficou em 19,7% do PIB, menor do que o observado em 2013 (20,5%). O ideal para uma economia com crescimento sustentável é que a taxa seja em torno de 25%.

De janeiro a março a FBCF caiu 1,3% em relação ao trimestre anterior e 7,8% na comparação com o mesmo período de 2014. A FBCF avalia quanto governo e iniciativa privada destinaram à aquisição de bens de capital, ou seja, aqueles que servem para produzir ou transportar outros bens.

Confiança dos empresários tem leve melhora, mas continua baixa

Condição indispensável para a recuperação da economia, a confiança dos empresários da indústria registrou em abril o nível mais baixo desde 1999, com 37,5 pontos, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). No mês de maio, um leve aumento levou a taxa para 38,6, mas ainda é considerada baixa para influenciar uma virada nos níveis de investimento.

“A queda de confiança tem consequências de longo prazo. O empresário que não investe hoje não produzirá com qualidade daqui a dois ou três anos. Ele sempre estará atrasado ao mercado global”, afirma Carlos Tortelli, da Consult.

O índice do mês passado está 17,6 pontos abaixo da média histórica (56,2 pontos) e 9,4 pontos inferior ao nível de maio de 2014. “O empresariado possivelmente vai adiar seus planos de investimentos para quando tiver mais segurança com relação a sua empresa e à situação da economia”, destaca o economista Marcelo Azevedo, da CNI. (TBV)

No ano passado, a taxa de investimento ficou em 19,7% do PIB, abaixo dos 20,5% de 2013. O ideal para uma economia com crescimento sustentável é um índice perto de 25%.

As baixas do investimento produtivo são explicadas pela perda de credibilidade do governo federal, causada pelas decisões tomadas no primeiro mandato de Dilma Rousseff, que levaram ao afastamento do tripé macroeconômico (regime de metas de inflação, fiscais e câmbio flutuante) .

Com a inflação se distanciando da meta de 4,5%, o Banco Central passou aos empresários a impressão de que havia deixado de perseguir a meta e sinalizou que teria adotado o teto de 6,5% como a taxa a ser buscada .

Outro ponto que agravou a situação está relacionado à política fiscal de Dilma. “O governo usou instrumentos fiscais para estimular a demanda, dobrando a aposta que havia sido feita no auge da crise. Esses estímulos comprometeram a saúde das contas públicas e, no ano passado, houve uma deterioração muito grande do quadro fiscal. O governo inflou receitas e subestimou despesas”, diz Alexandre Andrade, economista da GO Associados.

A sustentação artificial da moeda brasileira, para tentar segurar uma inflação que já se mostrava fora de controle no ano passado, acabou por favorecer a importação e encarecer a produção nacional, desestimulando ainda mais os investimentos privados.

“Isso teve como consequência direta a perda de competitividade. Os produtos brasileiros ficaram ainda mais caros e feitos em condições mais desfavoráveis”, explica Carlos Tortelli, sócio da Consult.

As expectativas dos empresários industriais, medidas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), também estão em baixa e mostram que os próximos seis meses ainda serão de retração nos gastos. A sondagem industrial de maio apontou que o índice de intenção de investimento caiu para 44,2 pontos. Apenas este ano, a taxa já recuou 8,2 pontos.

A intenção de investimento dos empresários é medida dentro de uma variação de 0 a 100 pontos. Quanto maior o índice, maior é a propensão da indústria em investir. Quando a taxa se mantém abaixo da linha dos 50 pontos é sinal de pessimismo com o futuro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.