Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Treinamento

Empresas usam dança para motivar equipes

Desenvolvida por consultor curitibano, técnica chamada de “palestra em roda” é alternativa mais divertida e eficiente do que a dinâmica de grupo

  • Breno Baldrati
Funcionários da Global Forest participam da palestra em roda: segundo diretor, produtividade melhorou após os encontros |
Funcionários da Global Forest participam da palestra em roda: segundo diretor, produtividade melhorou após os encontros
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Empresas paranaenses estão apostando numa técnica que envolve dança circular para o desenvolvimento de equipes e aumento da produtividade dos funcionários. Desenvolvida pelo consultor e engenheiro civil Sérgio Naguel, a chamada "palestra em roda" é uma alternativa às dinâmicas de grupo tradicionais.

A técnica consiste em reunir um grupo numa roda, como numa ciranda infantil. Ao som de uma música escolhida de acordo com o objetivo do encontro, estipulado pela empresa contratante, os participantes aprendem uma coreografia simples. "A ideia é usar a emoção da dança como catalisador para o aprendizado", diz Naguel, que aborda temas como liderança, cooperação, planejamento e motivação. "A dança é só um caminho, não é o principal. É um meio mais eficiente para absorver o conteúdo que está sendo aplicado, além de oferecer boas analogias com o dia a dia do profissional".

A palestra em roda apoia-se nas vantagens da dança circular. A roda estimula a cooperação – um participante que erre o passo é ajudado pelo colega ao lado para que o fluxo da dança não seja interrompido – e coloca o funcionário numa posição de espontaneidade. "Faz as pessoas derrubarem aquela 'máscara' do cotidiano no trabalho. Como não estão preparadas para uma dança desse tipo, a reação é espontânea", argumenta Naguel.

As rodadas de dança são intercaladas pelo que o consultor chama de ciclo de aprendizado vivencial – o momento em que os funcionários sentam e de fato discutem o conteúdo daquilo que foi dito durante a dança. "Como eles estão sensibilizados pela dança, a conversa flui. É o momento em que eles se conscientizam sobre como o aprendizado pode ser aplicado na empresa ou na própria vida."

Resultados

A responsável pelo setor de recursos humanos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Carolina Ferretti, conta que o resultado da palestra em roda pôde ser observado logo na semana seguinte na empresa. "Na dança em roda você é obrigado a olhar para o restante do grupo. Cada um percebe a importância de si próprio e do outro para o trabalho final da empresa. É aquela coisa: 'a roda não pode parar'. Não é aquela palestra tradicional em que você senta e fica escutando. Todo mundo participa ativamente. Um funcionário desmotivado pode acabar encontrando novamente interesse em seu trabalho. Relações já desgastadas pelos anos de convívio também acabam se renovando", afirma ela.

A Global Forest, maior exportadora de madeira tropical da América Latina, também vem utilizando a palestra em roda nos treinamentos dos funcionários. "No começo, pensei que era loucura. Não fazia muito sentido colocar a equipe para dançar", conta o fundador e diretor-presidente da Global Forest, Giovani Miguel. "Sou empresário, obviamente estou interessado nos resultados. E me surpreendi como a produtividade da empresa melhorou. O grupo ficou mais focado e passou a errar menos."

Serviço:

Mais informações sobre a palestra em roda no ste www.palestraemroda.com.br

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE