Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

PESQUISA

Cortes no orçamento põem em risco pesquisa científica brasileira

Perspectiva de enxugamentos de gastos faz profissionais enxergarem um futuro nebuloso para a ciência no país

  • Helena Carnieri, especial para a Gazeta do Povo
Cientistas  veem horizonte incerto para seus projetos | Rovena Rosa/Agência BrasilRovena Rosa/Agência Brasil
Cientistas veem horizonte incerto para seus projetos Rovena Rosa/Agência BrasilRovena Rosa/Agência Brasil
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O controle do mosquito da dengue, a economia de energia, maiores índices de reciclagem dos centros urbanos e tratamento mais eficaz do câncer de pele. Parece claro que tudo isso é relevante. Mas cientistas ligados a essas e outras pesquisas veem um horizonte incerto para seus projetos. Além de cortes de verbas em 2016, o pagamento de bolsas concedidas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a emissão de novos editais não estão mais garantidos desde que o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) teve quase a metade do orçamento reduzido em março deste ano. As bolsas a serem pagas até setembro foram garantidas, mas o restante é um enigma. 

O que impressiona é que áreas fundamentais, como saúde pública, estejam entre os primeiros a sofrer com a tesourada. É o caso de uma pesquisa para o controle da reprodução do mosquito da dengue em 10 capitais. O projeto investiga o efeito das mudanças climáticas na maior reprodução do inseto – que transmite quatro doenças diferentes e foi protagonista de um dos maiores pânicos sanitários do país nos últimos anos. 

Dos R$ 500 mil que seriam financiados pelo CNPq e Ministério da Saúde, necessários para pagar pessoal e comprar equipamentos, entraram R$ 150 mil e não se falou mais nisso. “Estamos tendo que transformar bexiga em avião”, compara o coordenador da pesquisa, o geógrafo Francisco Mendonça, que também é pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

A perspectiva de enxugamentos maiores faz profissionais enxergarem um futuro gravíssimo para a ciência no país, na contramão do que fizeram países como a Coreia do Sul, um caso de sucesso em que o investimento continuado em educação e pesquisa tirou o país da pobreza e o levou ao topo dos indicadores econômicos. 

Por aqui, o que se vê é a possibilidade de uma “pane nacional da Ciência e Tecnologia”, afirma o economista Christian Luiz da Silva, professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Seu grupo de pesquisa realiza um mapeamento da situação de capitais brasileiras após a implantação da nova política nacional de resíduos, em 2010. Para se ter uma ideia, Curitiba, que já foi a casa da Família Folha e dava exemplo ambiental, hoje registra oficialmente menos de 5% de reciclagem, contando a coleta do “Lixo que não é Lixo” e de cooperativas associadas à prefeitura. 

Sabe-se que o número real é maior, dada a grande rede informal de carrinheiros espalhada pela cidade. O projeto da UTFPR, associado a cerca de 30 cientistas em todo o mundo, busca saber o tamanho exato do mercado informal de reciclados de forma a municiar não apenas políticas ambientais dos municípios, mas também as empresas. “As indústrias hoje não podem contar [com reciclados como matéria-prima] com regularidade de entrega”, explica Silva. “É preciso enxergar a reciclagem como mercado.” 

Ele lamenta que o financiamento para pesquisas como a sua tenha ficado agora mais incerto. No seu caso, são necessários livros importados e sistemas de georreferenciamento, entre outros equipamentos, além do custeio de viagens para a pesquisa de campo em outras capitais. 

Contra o câncer 

Algumas áreas requerem dedicação exclusiva do aluno, devido aos longos processos laboratoriais. É o caso da bioquímica, campo em que são desenvolvidas as bases para inúmeras aplicações na medicina e na indústria farmacêutica. Uma dessas frentes é a pesquisa que tenta entender por que em algumas pessoas não funciona o tratamento contra o câncer de pele do tipo melanoma. A hipótese está relacionada com a maior taxa de melanina – a resistência viria do fato de a célula ser pigmentada. 

Mas até ser possível indicar com segurança uma relação de causa e efeito que possa orientar o tratamento médico leva tempo. “É preciso entender como a produção de melanina interfere na célula, os processos de morte celular e as proteínas envolvidas, como ocorrem os danos ao DNA e como o pigmento afeta a manutenção da célula”, enumera a professora do departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da UFPR Gláucia Regina Martinez. 

Para piorar, é justamente nas áreas experimentais que o custo da pesquisa é mais elevado e requer financiamento para existir. Além dos equipamentos, só com a presença constante de alunos pesquisadores os resultados têm qualidade. São 35 os bolsistas do CNPq de Bioquímica na UFPR, somando mestrandos e doutorandos. "Se ficarem sem bolsa, os alunos terão que procurar trabalho externo, e a produtividade e a qualidade dos trabalhos ficarão muito para trás”, lamenta Gláucia. 

Não é raro as pessoas usarem o salário ou bolsa para dar andamento às pesquisas, algo que a coordenadora da pós-graduação em Direito na UFPR, Clara Maria Roman Borges, tem visto muito ocorrer. Nessa área, são frequentes as viagens para debater casos e sentenças e participar de fóruns. Um exemplo foi a participação recente de uma professora em uma audiência pública que discutiu os limites éticos de se manter bancos de perfis genéticos para perfilar criminosos – quando se recolhe amostras de sangue da pessoa detida para documentar o DNA. “Não sei até quando as pessoas vão aguentar pagar do próprio bolso”, avalia a coordenadora. 

Iniciativa privada 

Uma alternativa seria ampliar a busca por recursos na iniciativa privada, algo ainda muito pontual no país. “O diálogo é tênue com as empresas, que nem sempre podem esperar um retorno financeiro por até seis anos”, explica Christian Luiz da Silva, da UTFPR. 

Um exemplo bem-sucedido é uma pesquisa da UTFPR que insere equipamentos mais inteligentes em sistemas de energia renovável, como na captação da luz solar – capazes de economizar e garantir o retorno do investimento, seja em residências ou empresas. A pesquisa, coordenada por Paulo Cézar Stadzisz, do departamento de Informática, foi selecionada pela norte-americana National Instruments, fabricante de equipamentos da área energética, para receber financiamento. 

Por outro lado, nem toda pesquisa interessa ao mercado, a exemplo da investigação a respeito da desigualdade no ambiente de trabalho relacionada à tecnologia e gênero, do programa de pós-graduação em Tecnologia e Sociedade da UTFPR, coordenado por Nanci Stancki. “Infelizmente, a pesquisa, que deveria ser considerada investimento, é considerada um gasto”, ela resume.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Notícias sobre Educação

  1.  |

    Normas técnicas

    Regras da ABNT: veja as normas para monografias e trabalhos acadêmicos

  2. O experimento foi chamado de “Projeto Honestidade”. | Divulgação

    Exemplo

    Escola de Curitiba transforma lanche do recreio em teste de honestidade

  3.  | Reprodução / UFABC

    currículo

    Afro-matemática será matéria obrigatória em curso de universidade federal

PUBLICIDADE