Assinaturas Classificados
Assinaturas

Campeonato Brasileiro

Publicidade

Hedeson Alves / Gazeta do Povo

Hedeson Alves / Gazeta do Povo / Em 2010 Paulo Schmitt defendia moralidade no caso de suposto jogador irregular do Fluminense. Agora pede critério técnico Em 2010 Paulo Schmitt defendia moralidade no caso de suposto jogador irregular do Fluminense. Agora pede critério técnico
Tapetão

Em 2010, procurador disse que não seria moral contestar título do Fluminense

Agora Paulo Schmitt defende critério técnico para pedir perda de pontos da Portuguesa. Ele reagiu de forma indignada, alegando que declarações de três anos atrás estão fora de contexto

13/12/2013 | 13:56 |
  • Comentários

Uma entrevista do procurador-geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt em dezembro de 2010 veio causar polêmica três anos depois. Em meio às medidas técnicas que ele defende nos casos de Flamengo e Portuguesa no Brasileirão de 2013, há uma série de controvérsias se comparadas a declarações dadas ao canal Sportv naquela oportunidade, quando defendia aspectos morais para não rediscutir o título nacional do Fluminense.

Em 2010, o STJD havia absolvido o Duque de Caxias pela suposta escalação irregular de Leandro Chaves na Série B. O jogador já havia tomado cartão amarelo quando atuava pelo Ipatinga. Na equipe carioca, levou mais dois amarelos e não cumpriu suspensão. Chaves só ficou fora quando levou o terceiro cartão pelo Duque.

No mesmo ano, o Fluminense passou por situação semelhante com Tartá no Campeonato Brasileiro. O meia havia tomado dois cartões amarelos quando ainda jogava pelo Atlético. Ao voltar para o clube do Rio, levou o terceiro em novembro contra o Internacional. Na partida seguinte atuou normalmente e marcou o gol da vitória frente ao Vasco. Entretanto, só foi cumprir suspensão na última rodada, após ser advertido pela terceira vez no Fluminense no confronto com o Palmeiras. O segundo amarelo havia sido aplicado também no clássico contra a equipe de São Januário.

Na época da polêmica, Schmitt respondeu em entrevista ao Sportv que juridicamente era possível o Fluminense perder pontos e o título do Brasileirão. O procurador-geral, porém, defendeu a equipe carioca. "Não acredito que haja condição moral, disciplinar até [de tirar os pontos]. Pode ter [condição] técnica. Técnica, jurídica, com base em uma jurisprudência. Mas moralidade... Rediscutir o título que foi conquistado no campo de jogo, da forma como foi, agora, abrindo um precedente... Essa decisão poderia ser em algum momento revista, mas isso seria um caos", disse.

Controvérsia

Com a denúncia contra a Portuguesa apresentada na quarta-feira, a declaração do procurador-geral vai em outra direção agora. Desta vez, ele disse que "a lei é para todos" e destacou que a Portuguesa cometeu um erro ao escalar Héverton na rodada final do Brasileirão e "ressuscitou" o Fluminense, apesar do fato de o clube do Canindé ter alegado que não tinha conhecimento que o seu jogador havia sido suspenso por dois jogos em julgamento realizado na sexta-feira, dois dias antes da partida contra o Grêmio pela última rodada.

Junto com o Flamengo - que também tem a escalação de André Santos contestada -, a Portuguesa vai ser julgada na próxima segunda porque supostamente escalou Héverton de forma irregular. O time corre o risco de perder quatro pontos no Brasileirão. Se isso ocorrer, o clube paulista passaria a ter 44 pontos e cairia para a 17.ª posição, sendo rebaixado no lugar do Fluminense, que terminou com 46.

Indignação

Ao comentar a repercussão provocada pelo vídeo de 2010, Schmitt usou sua conta no Facebook para reagir de forma indignada e voltar a defender a aplicação de punição à Portuguesa.

"Quanto ao vídeo que circula sobre minha declaração em referência ao atleta Tartá do Fluminense em 2010, trata-se de uma fala descontextualizada, mais se assemelhando a algo montado ridículo. E sobre minha fala na defesa do critério técnico e resultado de campo, como fica? Lógico que deve prevalecer resultado de campo que, vale registrar, também é obtido com o cumprimento de penas, doa a quem doer e em qualquer fase da competição. O jogador em referência, do Fluminense (Tartá) coincidentemente, à época foi julgado, punido pelo tribunal e não cumpriu, como no caso da Portuguesa em 2013? Não e não! E como ficam dezenas de atletas nesse campeonato que desfalcaram suas equipes apenas pelo fato de terem cumprido a lei e suas penalidades?", questionou o procurador.

Em seguida, Schmitt usou ironia ao destacar que apenas Flamengo e Portuguesa escalaram atletas de forma supostamente irregular neste Brasileirão - expulso no segundo jogo da final da Copa do Brasil, contra o Atlético, o lateral flamenguista André Santos chegou a ficar fora do duelo seguinte, diante do Vitória, mas também foi julgado na última sexta-feira e pegou um jogo de gancho. Porém o confronto diante do time baiano, por se tratar de uma competição diferente, não valeria para que esta pena fosse cumprida antes do julgamento.

"Apenas Flamengo e Portuguesa não cumpriram na Série A desse ano lembre-se. Lamentável. Isso é que é critério técnico que qualquer um deveria defender. Cumprir sua pena. Mas a Portuguesa não precisa, afinal ela vai salvar o Fluminense! Sejam os críticos mais criativos, por favor... Não é assim que vão convencer quem julga, pois eu não julgo!!!", completou.

    • É uma vergonha este senhor ser do estado do paraná, e a justificativa dele para explicar o inexplicável então, lamentável.... Para os grandes, vale o resultado moral, para os pequenos o critério é técnico. Pede pra sair, Schmitt, queimou-se eterna e definitivamernte, acabou o puoco de credibilidade que ainda(?) tinha. - Rosana Da Rocha L P Barbosa - 31/12/1969 21:00:00
    • tuo quoque* (corrigindo) - zeca war take oil - 31/12/1969 21:00:00
    • tuo coki - zeca war take oil - 31/12/1969 21:00:00
    • Esse senhor me envergonha por ser paranaense... Será que se fosse o contrário, a Lusa estivesse rebaixada e o Tricolor Rei do Tapetão tivesse escalado jogador supostamente irregular, a "Lei seria para todos"???!! - Luiz Alberto Bonin - 31/12/1969 21:00:00
    • "Não ponham palavras na minha boca, mesmo que eu as tenha dito." - Mauricio - 31/12/1969 21:00:00
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Publicidade
    Publicidade
    «

    Onde e quando quiser

    Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

    Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

    SAIBA MAIS

    Passaporte para o digital

    Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

    Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

    CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

    »
    publicidade