Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Atlético PR

Fechar
PUBLICIDADE

gestão

De ‘férias forçadas’ no Atlético, Vinicius cobra dívida milionária do clube

Jogador foi afastado pela diretoria do Furacão. | Antônio More/Gazeta do Povo
Jogador foi afastado pela diretoria do Furacão. Antônio More/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O meia Vinicius entrou com uma ação na Justiça cobrando do clube o pagamento de cerca de R$ 1 milhão em luvas contratuais não pagas pelo Rubro-Negro.

“O Atlético deve a primeira parcela no valor de R$ 600 mil, de janeiro de 2016, mais a segunda parcela, de R$ 300 mil, equivalente ao mês de janeiro de 2017. Ao todo são R$ 900 mil, que somados às correções, dão o valor de R$ 1 milhão e 50 mil”, explica Marcelo Ribeiro, advogado do jogador.

Fora os pagamentos atrasados, o Atlético ainda tem mais uma parcela de R$ 300 mil com vencimento para janeiro de 2018. O contrato de Vinicius com o Furacão vai até dezembro do ano que vem, mas dificilmente o curitibano de 26 anos voltará a vestir a camisa do clube que é torcedor declarado.

Vinicius recebeu férias antecipadas no Rubro-Negro no dia 5 de abril, uma semana após o caso do atleta com o clube ir parar na polícia. No final de março, o meia registrou boletim de ocorrência contra o vice-presidente atleticano, Márcio Lara, e Sidiclei Menezes, diretor de futebol, acusando ambos de coação e ameaças.

“Nossa ação tem dois fundamentos. O primeiro é a cobrança dos valores não pagos pelo clube. Já o segundo são as férias que o Atlético deu ao no meio da temporada impedindo o atleta de exercer sua profissão”, diz o advogado. “Nunca vi um atleta receber férias no meio da temporada. Mas o Vinícius está treinando e mantendo sua preparação física por conta própria. Ele está bem, trabalhando forte e com percentual de gordura baixo”, complementa Francisco Godoy, empresário do meia.

As desavenças entre atleta e clube começaram com o afastamento de Vinicius em agosto de 2016, junto com o atacante Walter e com a saída do diretor de futebol, Paulo Carneiro. O jogador foi emprestado ao Náutico e ficou em Recife até o final do ano passado. Ele retornou ao CT do Caju em janeiro, mas para treinar separadamente do elenco.

A confusão ganhou maiores proporções no dia 13 de março deste ano. Vinicius tinha empréstimo encaminhado com o Avaí, mas de última hora o acerto foi suspenso. Segundo os agentes do jogador, o Atlético disse que só iria liberar o negócio caso o meia abrisse mão de receber os valores de luvas contratuais pendentes. “O Vinicius estava empolgado para jogar no Avaí. Ele já tinha feito exames médicos e até vestido a camisa do clube”, revela Godoy.

Procurado pela reportagem, o Atlético não quis se pronunciar. Em nota oficial lançada em 28 de março, após o boletim de ocorrência registrado por Vinicius, o Rubro-Negro alega que foi o jogador quem recusou o empréstimo e que ele está fora do elenco por questões técnicas.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais