Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

bola oval

Futebol americano cria ‘bolsa atleta’ às avessas

Esporte com quase sete mil atletas no Brasil e cerca de 20 milhões de fãs, futebol americano é mantido no país pelos praticantes

  • Felipe Raicoski
  • Atualizado em às
Treino do Curitiba Lions, uma nova investida para promover o futebol americano no Brasil. | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Treino do Curitiba Lions, uma nova investida para promover o futebol americano no Brasil. Daniel Castellano/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O futebol americano está entre os esportes que mais crescem no Brasil, mas há um preço alto pago pelos praticantes da modalidade. Literalmente. É a ‘bolsa atleta’ às avessas.

Quem joga o esporte precisa sacrificar seu tempo livre e tirar dinheiro do bolso, além de enfrentar inúmeras outras dificuldades, para entrar em campo. Tudo para manter a atividade em pé em solo nacional.

A disciplina esportiva ‘gringa’, que começou a ser praticada com equipamentos completos apenas em 2008 no país, experimenta um salto de popularidade, com o interesse de quase 20 milhões de brasileiros – número calculado pela empresa inglesa Global Web Index.

Para segurar essa demanda, segundo dados da Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA), há sete mil atletas no país que praticam e competem regularmente no esporte. Na grande maioria, abnegados, financiadores da atividade .

Exemplo próximo dessa batalha é o time Curitiba Lions, que estreia em competições oficiais na Liga Nacional 2016, segunda divisão do Brasileirão. A agremiação conta com pouca estrutura e recursos limitados para a competição. Mas vai em frente.

Segundo o presidente dos Leões, Augusto Velloso, a equipe vem se estruturando e planejando sua participação desde 2015. A tentativa é agregar trunfos da própria formação acadêmica do time.

“Alguns dos nossos integrantes são formados em administração, logística, marketing, e eles ajudam com a parte administrativa. Outros em educação física, e colaboram em sua área também. Enfim, as pessoas que fazem parte dão tudo de si, dão tudo o que tem em prol do esporte”, contou.

Porém, um dos principais componentes para a estrutura funcionar é miúdo: o dinheiro.

Sem apoio e com pouca verba de patrocínio, é comum o atleta pagar para jogar. De acordo com Velloso, alguns acordos pontuais ajudam sua equipe, mas a maior renda dos Lions vem das mensalidades dos jogadores, que desembolsam uma quantia mensal de R$ 40 para integrar a equipe.

“Hoje, não tem ninguém que apoie financeiramente o esporte. Não temos ajuda nenhuma do governo e todo o dinheiro que entra é dos patrocínios e, principalmente, da equipe”, revelou.

Guto Sousa, presidente da CBFA, reitera que espera muitas equipes com dificuldades financeiras nesta edição do Brasileiro, e reconhece que os praticantes garantem a sobrevivência do futebol americano no Brasil. “Equipes e atletas hoje são responsáveis por quase a totalidade dos custos da competição”.

O dirigente tem perspectivas melhores para o futuro, principalmente na parte de desenvolvimento do esporte.

“Existe um compromisso do ministério do esporte em nos ajudar em três projetos: um de utilização de equipamentos do legado olímpico, que passariam a ser administrados pela CBFA, outro de auxílio às seleções brasileiras, e uma terceira linha de desenvolvimento do esporte, categorias de base”, reafirmou.

“Na visão da CBFA, recursos públicos não devem ser utilizados no principal campeonato, o que seria o alto rendimento, e sim no desenvolvimento do esporte, ou seja, na formação de atletas e também de cidadãos”, concluiu.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE