Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

CORRENTE DO BEM

Estudantes doam dinheiro de formatura para trazer família venezuelana ao Brasil

Jovens de colégio curitibano investiram R$ 3,6 mil na ação. Dinheiro havia sido arrecadado com a venda de bolos no intervalo das aulas no Ensino Médio

  • Antoniele Luciano
O venezuelano Julio Bernal Galindo e alunos de colégio de Curitiba, após a chegada dos familiares do imigrante ao Brasil, com ajuda da turma | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
O venezuelano Julio Bernal Galindo e alunos de colégio de Curitiba, após a chegada dos familiares do imigrante ao Brasil, com ajuda da turma Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Nem jantar, baile ou viagem. Estudantes do 3º ano do Ensino Médio do Colégio Contemporâneo, em Curitiba, decidiram dar um destino diferente ao dinheiro que arrecadaram para a formatura. Eles ajudaram uma família de venezuelanos a fugir da ditadura de Nicolás Maduro rumo ao Brasil. A ideia surgiu depois que a turma conheceu o advogado e policial Julio Bernal Galindo, de 37 anos, que estava desempregado e havia deixado um cenário de fome e violência na Venezuela, em busca de trabalho na capital paranaense. Julio esperava juntar dinheiro para, um dia, conseguir trazer a esposa e os três filhos para o país. 

Esse desejo se tornava cada vez mais urgente desde que a Assembleia Constituinte foi instalada por Maduro, a fim de reescrever a Constituição venezuelana. Uma série de direitos da população está ameaçada, entre eles, o de deixar a nação

Leia também: Como o socialismo levou o país de maior renda per capita da América Latina à ruína

Neste contexto, uma corrente de solidariedade foi formada até que os quatro venezuelanos, Julio e os estudantes se cruzassem em Curitiba. Com ajuda de um amigo, Julio havia conhecido alguns brasileiros, que juntaram fundos para trazer o venezuelano para cá em julho e ajudá-lo a trabalhar com a instalação de rastreadores de veículos. A professora de Biologia da turma do Contemporâneo, Tatiana da Silva Pinto, 37, soube da história através do marido dela, que trabalha na mesma empresa que Júlio. Tatiana resolveu apresentar o venezuelano aos alunos, como forma de proporcionar à classe um relato do que está acontecendo no país vizinho. A aula interdisciplinar, no entanto, foi além do que a professora esperava. 

Sensibilizados, os estudantes escreveram uma carta para o imigrante e doaram o dinheiro da formatura para trazer Malberlis, 43, Juliesca, 12, Danesca, 13, e Harold, 21, ao encontro dele. E mais que isso: a turma ajudou a organizar um esquema de logística e doação de roupas, móveis e eletrodomésticos para a família no Brasil. “Fiquei muito orgulhosa. Não imaginava que teríamos essa repercussão”, comenta a professora. 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Ideias/Imagens/Cortadas/ESTUDANTES_ REFUGIADOS 14JC(3)-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Estudantes do Colégio Contemporâneo e a família de Julio, durante encontro na escolaJonathan Campos/Gazeta do Povo

Articulação 

Ao todo, os alunos investiram R$ 3,6 mil na travessia da família da Venezuela para Pacaraima, no interior de Roraima, e o transporte até Boa Vista, e depois para o Sul do Brasil. A jornada durou quatro dias, entre viagens por terra e de avião. Em Pacaraima, a família pegou um táxi para a capital. O tio de uma das alunas envolvidas, que mora no estado, recebeu o grupo em Boa Vista e o ajudou a ir para São Paulo. Já o esposo da professora de Biologia buscou a família em Guarulhos. 

O encontro de Júlio e seus familiares com os estudantes ocorreu nesta quarta-feira (6), no colégio. 

“É algo que nós não esperávamos que acontecesse. Não é muito comum alguém chegar e dizer para os venezuelanos: olhe, estudantes brasileiros compraram passagens para vocês irem para o Brasil. É mentira, pensamos. Mas não, era sério”, conta Harold. “Não é fácil sair do país, do que estamos acostumados, deixar nossa gente, mas conhecemos tantas pessoas boas que não temos palavras para agradecer”. Estudante de engenharia de sistemas na Venezuela, o jovem assinala que ele e a família vieram para o Brasil em busca do básico para o ser humano. “A promessa e a capacidade de entender o futuro, que não vai faltar nada para a sua família, isso não é possível na Venezuela”, define. 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Ideias/Imagens/Cortadas/ESTUDANTES_ REFUGIADOS 1JC(2)-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Harold, em meio a estudantes curitibanos que o ajudaram: “Sem palavras para agradecer”Jonathan Campos/Gazeta do Povo

A família vive agora numa casa alugada em Curitiba e está entusiasmada para aprender a falar português e retomar a vida. A esposa de Julio, Malberlis, se entristece apenas quando lembra da mãe. Idosa, ela continuou no país governado por Maduro. “Ela não aguentaria fazer a viagem por terra”, lamenta, ao completar que pretende trazê-la para Curitiba assim que tiver condições. 

Antes de tentar o Brasil, Julio e os familiares chegaram a ir para a Colômbia em busca de refúgio, porém sem sucesso. “Enfrentamos muita humilhação e xenofobia. Já no Brasil, encontramos verdadeiros anjos”, descreve Julio.

Lançar luz e solução

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Ideias/Imagens/Cortadas/ESTUDANTES_ REFUGIADOS 6JC(1)-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Família venezuelana, estudantes e a professora Tatiana reunidos após encontro no Colégio Contemporâneo: surpresa após ação de solidariedadeJonathan Campos/Gazeta do Povo

Os estudantes descrevem a ajuda à família de Júlio como um quebra-cabeça que foi se encaixando aos poucos. A turma tinha passado o Ensino Médio vendendo bolo no intervalo das aulas, no pátio da escola, para o encerramento do 3º ano. Mesmo assim, não sabia o que fazer com o dinheiro. 

“Parecia que existia uma força maior que não nos deixava gastar isso. Foi quando conhecemos o Julio e pensamos na família dele. Percebemos que há gratidão, união e amor no coração das pessoas, inclusive dos nossos colegas de sala. Cem por cento aceitaram fazer a doação”, relata a aluna Ana Flávia Biobok Barros, de 16 anos. 

A colega Yohana Santos, 16, estava satisfeita com a ação da turma. “Foi mais do que lançar luz ao problema, falar sobre isso. Nós lançamos uma solução”, pontua. 

Situação bem pior 

caos vivido pelos venezuelanos, segundo Julio, é bem pior do que o que os brasileiros acompanham pelos veículos de comunicação. Ele calcula que só 20% do que acontece no país chega a ser divulgado, em função das limitações que jornalistas correspondentes encontram e da censura na imprensa local. “A situação ficou pior quando Maduro entrou no poder. Com Chávez, pelo menos havia comida. Agora, vemos pessoas que conhecemos emagrecendo, com o rosto lembrando uma caveira”, define. 

Leia também: Um em cada quatro brasileiros é a favor do envio de tropas à Venezuela

Esta miséria, observa, está longe de atingir apenas a parcela mais pobre e sem estudos do país. Profissionais liberais, a classe média, todos estão enfrentando dificuldade de comprar o básico. “Quem tem muito dinheiro consegue comprar mercadoria de fora, de Miami, por exemplo. Os outros não”, relata. A falta de insumos na saúde também tem prejudicado a população de maneira geral. Julio chegou a perder um irmão de forma violenta depois que a crise se acentuou. Ele foi baleado ao fazer a cobrança de um serviço que prestou e não recebeu tratamento correto no hospital, por falta de estrutura. 

Para o venezuelano, tudo isso é reflexo do regime político em vigor. “O socialismo é um câncer”, resume Julio. 

Números da crise

De acordo com o Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais, desde abril deste ano, mais de 160 pessoas já morreram em conflitos envolvendo forças armadas e manifestantes contra e a favor de Maduro. O número de protestos já passa de 4 mil no país. 

Pelo menos 430 pessoas também já foram detidas neste ano por crime político na Venezuela, segundo o Fórum Penal Venezuelano.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE