Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

liberdade de expressão

Miriam Leitão foi agredida por petistas em um voo. Onde estão as feministas?

Aparentemente, a sororidade no feminismo só vale para as mulheres que tiverem a ideologia “correta”. No caso, de esquerda.

  • Jones Rossi
Miriam Leitão entrevista Aloizio Mercadante no Palácio do Planalto, em Brasília, para a GloboNews | Jane Franco/Globo/Divulgação
Miriam Leitão entrevista Aloizio Mercadante no Palácio do Planalto, em Brasília, para a GloboNews Jane Franco/Globo/Divulgação
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Nesta terça-feira (13), em sua coluna, a jornalista Miriam Leitão relatou algo que não se espera de uma democracia que respeita a liberdade de expressão. Ela sofreu, durante duas horas de voo, partindo de Brasília para o Rio de Janeiro, todo tipo de ataque verbal, xingamentos, gritos e provocações que por pouco não chegaram às vias de fato, por parte de militantes do Partido dos Trabalhadores (o partido divulgou uma nota oficial no início da tarde). 

“Durante todo o voo, os delegados do PT me ofenderam, mostrando uma visão totalmente distorcida do meu trabalho. Certamente não o acompanham. Não sou inimiga do partido, não torci pela crise, alertei que ela ocorreria pelos erros que estavam sendo cometidos. Quando os governos do PT acertaram, fiz avaliações positivas e há vários registros disso. 

Durante o voo foram muitas as ofensas, e, nos momentos de maior tensão, alguns levantavam o celular esperando a reação que eu não tive. Houve um gesto de tão baixo nível que prefiro nem relatar aqui. Calculavam que eu perderia o autocontrole. Não filmei porque isso seria visto como provocação. Permaneci em silêncio. Alguns, ao andarem no corredor, empurravam minha cadeira, entre outras grosserias. Ameaçaram atacar fisicamente a emissora, mostrando desconhecimento histórico mínimo: “quando eles mataram Getúlio o povo foi lá e quebrou a Globo”, berrou um deles. Ela foi fundada onze anos depois do suicídio de Vargas.” 

Não é a primeira vez que militantes de esquerda — que gostam de posar de progressistas e defensores dos direitos das mulheres — ameaçam mulheres indefesas. Em maior número, já fizeram isso com a blogueira cubana Yoani Sánchez por onde ela passou pelo Brasil. Por se opor ao governo de Fidel Castro, ela foi recebida com protestos e tumultos em todos os lugares onde foi chamada a dar seu testemunho sobre a ditadura cubana. 

Nossas convicções: Liberdade de expressão

Mais recentemente, na segunda-feira da semana passada (05), Thais Godoy Azevedo, que edita a página “Moça, não sou obrigada a ser feminista” foi chamada a participar de um debate na Universidade Federal de Goiás (UFG). Não conseguiu. O debate foi interrompido por agressões verbais e uso de caixas de som para atrapalhar a palestra. O evento foi cancelado e levou Thais a ser escoltada para fora da instituição. 

Nossas convicções: O poder da razão e do diálogo

Em nenhum desses casos, houve apoio dos vários coletivos feministas que existem no Brasil às agredidas. Aparentemente, a sororidade no feminismo só vale para as mulheres que tiverem a ideologia “correta”. No caso, de esquerda.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

  1.  | Bigstock

    debate

    O que é “ideologia de gênero”?

  2. O sul-africano Martin Pistorius contraiu uma doença quando ainda era adolescente que o deixou sem atividade cerebral. Mas um dia ele acordou | Divulgação

    perseverança

    Ele passou 12 anos preso no próprio corpo. Então algo incrível aconteceu

  3. Soldado somali patrulha em meio aos destroços deixados pelo ataque terrorista no centro de Mogadíscio, Somália, em 15 de outubro | MOHAMED ABDIWAHAB/AFP

    Terrorismo

    Por que ninguém liga para o maior atentado terrorista desde o 11 de setembro?

PUBLICIDADE