Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Ásia

Centro ensina refugiados norte-coreanos a viver no capitalismo do Sul

Exilados passam três meses internados tendo aulas, recebendo atendimento médico e desmontando a propaganda do regime de Kim Jong-un

  • Efe
Sul-coreanos se despedem de familiares que vivem na Coreia do Norte, depois de reunião rara |
Sul-coreanos se despedem de familiares que vivem na Coreia do Norte, depois de reunião rara
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Centro ensina refugiados norte-coreanos a viver no capitalismo do Sul

O centro de segurança Hanawon é uma passagem obrigatória para os milhares de refugiados norte-coreanos que chegam a cada ano à Coreia do Sul. É o lugar onde eles deixam para trás as marcas da propaganda do regime comunista e onde são preparados para um novo desafio: sobreviver ao capitalismo em uma das sociedades mais competitivas do mundo.

A ditadura de Kim Jong-un na Coreia do Norte utiliza a propaganda constante e o isolamento do exterior como principais armas para controlar cidadãos, por isso aqueles que chegam ao Sul precisam passar por um processo de reeducação para se adaptar à nova sociedade.

Cercado de montanhas e com o aspecto de uma escola de ensino médio, Hanawon, cuja sede principal fica a cerca de 100 quilômetros de Seul, foi fundado em 1999 e, como o número de refugiados aumentou muito, uma filial foi aberta em 2012.

Após passar pela triagem dos serviços de inteligência para detectar possíveis espiões, os recém-chegados do norte são internados durante três meses no complexo onde, além de lições para desmontar a propaganda do regime de Kim Jong-un, recebem serviços educativos, médicos e inclusive religiosos para os que professam algum credo.

Dos 347 internos nas duas sedes de Hanawon, 276 são mulheres e 71 são homens. A diferença se explica porque a Coreia do Norte realiza um serviço militar de até 13 anos de duração, durante o qual é praticamente impossível escapar do país.

Além disso, na Coreia do Norte, viajar entre cidades requer autorizações especiais do governo, mais fáceis de serem conseguidas pelas mulheres, o que lhes permite ir a zonas próximas da primeira porta para a deserção: a fronteira com a China.

Depois de atravessar a linha marcada pelos rios Yalu e Tumen, os refugiados costumam permanecer um longo tempo na China esperando uma oportunidade de chegar a um terceiro país para pedir asilo na Coreia do Sul.

“Levei sete anos até chegar à Tailândia, onde pedi asilo na embaixada sul-coreana”, relatou Mimi Park, de 24 anos.

* * * * *

347 pessoas estão hoje nas duas sedes do centro de segurança de Hanawon. Desse total, 276 são mulheres e 71 são homens, um desequilíbrio que responde a vários fatores, como o fato de que a Coreia do Norte realiza um serviço militar de até 13 anos de duração, durante o qual é praticamente impossível escapar.

26 mil norte-coreanos desertaram rumo à Coreia do Sul nas últimas décadas. Desse total, 1.516 o fizeram em 2013, um número similar ao do ano anterior, embora longe dos quase 3 mil registrados em 2009, o ano de maior afluência.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

  1. Michelle Martinez pode ficar até 70 anos na cadeia | Reprodução Fox News

    ESTADOS UNIDOS

    Mulher trans pode pegar até 70 anos de prisão após estupro de criança em banheiro

  2.  | GABRIEL BOUYSAFP

    decisão

    Espanha decide dissolver governo e retirar autonomia da Catalunha

  3.  | Commons

    Estudo

    Veja quais países têm mais homens ou mulheres

PUBLICIDADE