Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Estados Unidos

Confronto entre supremacistas e grupos antirracismo nos EUA tem atropelamento, feridos e um morto

Grupos que defendem a supremacia branca entraram em confronto com antirracistas na cidade de Charlottesville, nos EUA

  • Folhapress
 | CHIP SOMODEVILLAAFP
CHIP SOMODEVILLAAFP
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Centenas de supremacistas brancos e manifestantes antirracismo entraram em confronto nas ruas de Charlottesville, na Virgínia, na manhã deste sábado (12). Os dois grupos trocaram gritos, socos, arremessaram garrafas de água e dispararam sprays de pimenta uns contra os outros. Nos confrontos, houve um morto e 19 feridos.

Ativistas haviam marcado um protesto na cidade, chamado Unir a Direita, para a tarde deste sábado. As autoridades esperavam que 6.000 pessoas comparecessem. 

No entanto, após os confrontos desta manhã, o governo da Virgínia declarou estado de emergência e proibiu o ato. A polícia passou a ordenar aos manifestantes que deixem as ruas. Ao menos uma pessoa foi presa. 

Um carro atropelou uma multidão de manifestantes horas depois de ser declarado o estado de emergência. De acordo com autoridades da cidade, o incidente deixou vários feridos. Foi confirmada a morte de uma pessoa.

ASSISTA Ao momento em que o carro atropelou os manifestantes

A polícia ordenou que as multidões se dispersassem quando cenas caóticas e violentas entraram em erupção em torno da cidade. Grupos entraram em confronto em lutas de braço, com bastões e jogaram caixas de jornais um ao outro. Alguns carregavam paus e escudos, e usavam capacetes.

O confronto

Na noite de sexta-feira (11), Charlottesville também teve briga nas ruas. Carregando tochas, centenas de supremacistas brancos promoveram uma marcha com tochas e palavras de ordem contra imigrantes, negros, homossexuais e judeus. 

Foi umas das maiores manifestações da extrema-direita vistas nos Estados Unidos nos últimos anos. 

Grupos nacionalistas de extrema-direita iniciaram a caminhada em um parque e foram até o campus da Universidade da Virgínia, aos gritos de "Vocês não vão nos substituir", em referência aos imigrantes, e "Vidas brancas importam", uma alusão ao movimento que protesta contra a morte de negros por policiais, Black Lives Matter. Houve também demonstrações de orgulho nazista. 

No caminho, encontraram outro grupo que protestava contra a ação ao redor de uma estátua do presidente Thomas Jefferson (1743-1826), fundador da universidade. 

Os manifestantes contrários aos extremistas estavam em menor número e acabaram cercados. Houve ofensas verbais e confronto, que incluiu golpes com as tochas e uso de sprays de pimenta. 

Os participantes dispersaram após a chegada da polícia. Algumas das pessoas feridas disseram que os guardas demoraram a agir. 

Com 47 mil habitantes, Charlottesville virou alvo de extremistas após a administração local decidir retirar de um parque uma estátua do general Robert E. Lee (1807-1870) e remover outras homenagens a líderes confederados em locais públicos. O caso está na Justiça e a estátua, por ora, segue ao ar livre. 

Durante a Guerra Civil nos EUA (1861-65), estados do Sul criaram uma confederação e lutaram para se tornarem independentes e manter o direito de ter escravos. Eles foram derrotados e seguiram sob controle de Washington. No protesto de sexta, muitos extremistas carregavam a bandeira da Confederação. 

Grupos de extrema-direita alegam que o avanço de direitos para imigrantes e negros levaria à sua extinção. 

Assista a um vídeo do momento em que um motorista atropoelou

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

  1. Michelle Martinez pode ficar até 70 anos na cadeia | Reprodução Fox News

    ESTADOS UNIDOS

    Mulher trans pode pegar até 70 anos de prisão após estupro de criança em banheiro

  2. Presidente da Argentina, Mauricio Macri, comemorou os resultados das eleições legislativas | MAXIMILIANO LUNA/AFP

    VOTAÇÃO

    Coalizão de Macri vence eleições na Argentina

  3.  | GABRIEL BOUYSAFP

    decisão

    Espanha decide dissolver governo e retirar autonomia da Catalunha

PUBLICIDADE