Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

entrevista

‘Não há nenhum vestígio de democracia na Venezuela’, afirma chefe da OEA

Assessor Especial para crimes contra a Humanidade está recolhendo e catalogando informações para apresentar a tribunal internacional

  • Jerusalém, Israel
  • Daniela Kresch
  • Folhapress
Ativistas anti-governo de Maduro protestam nas ruas de Caracas, na Venezuela | RONALDO SCHEMIDT/
AFP
Ativistas anti-governo de Maduro protestam nas ruas de Caracas, na Venezuela RONALDO SCHEMIDT/ AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Ao fim de uma visita oficial de três dias a Israel, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, afirmou que, até novembro, a organização apresentará ao Tribunal Penal Internacional (TPI) provas do envolvimento do regime de Nicolás Maduro, na Venezuela, em crimes contra a humanidade.

Leia mais: Nicolás Maduro quer se encontrar com Trump

Em entrevista ao correspondente da Folha de S. Paulo, em Jerusalém, Almagro disse que ex-promotor da TPI, Luis Moreno Ocampo, recentemente designado por ele como Assessor Especial da OEA para crimes contra a Humanidade, está recolhendo e catalogando informações para apresentar ao tribunal.  

A OEA não pode entrar com ação no TPI mas pode enviar dados para embasar processos que seus países-membros instaurem. 

A Venezuela ainda é uma democracia?  

Luis Almagro - Não. Quando um país é governado com base numa enorme fraude eleitoral, tem uma Assembleia Constituinte que arrebata praticamente todos os poderes do Estado, quando temos presos políticos, quando há políticos inabilitados, quando se suprimiu a independência dos poderes do Estado, quando nem Conselho Nacional Eleitoral e nem Tribunal Supremo Judicial são poderes independentes e foram tirados todos os poderes da Assembleia Nacional, quando as pessoas saem para se manifestar e chegamos a 130 pessoas assassinadas [ os números do Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais apontam mais de 160 óbitos] durante manifestações, não há, nesse país, nenhum vestígio de democracia.  

A OEA busca alguma condenação do regime venezuelano em uma corte internacional?  

Luis Almagro - Temos evidências suficientes de que houve e ainda há crimes contra a humanidade na Venezuela. A tortura é um dos crimes contra a humanidade mais claros na Venezuela. E é realizada de maneira sistemática por parte do regime. O assassinato de 130 manifestantes é uma variável na dinâmica de assassinatos políticos. Acho que, no fim de outubro ou princípio de novembro, já poderíamos apresentar documentação ao TPI.  

O que mais a OEA pode fazer? 

Luis Almagro - A OEA tem que continuar a fazer o que vem fazendo. Denunciamos com muita força todos os atos contrários às instituições do país. O máximo que organizações internacionais podem fazer é adotar sanções. Mas ditaduras não caem empurradas por fora, caem empurradas de dentro.  

Falta pressão interna na Venezuela? 

Luis Almagro - Faltam elementos de pressão que signifiquem um desafio ao poder do regime.  

O que o Brasil pode fazer para ajudar o povo venezuelano? 

Luis Almagro - O Brasil fez esforços especiais para apoiar a democratização da Venezuela. Tem sido um dos países mais fortes e duros ao condenar o regime bolivariano. Moveu instâncias internacionais, não só a OEA como no próprio Mercosul, e ofereceu ajuda humanitária, que não pôde chegar inteiramente por causa de impedimentos impostos pelo regime.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

PUBLICIDADE