Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Estados Unidos

Trump cancela acordo com Cuba por "opressão comunista"

A Casa Branca baixou restrições para viagens de americanos a Cuba e a proibição de transações comerciais entre empresas americanas e entidades militares cubanas

  • Folhapress
Trump mostra alteração na política em relação a Cuba | JOE RAEDLE/AFP
Trump mostra alteração na política em relação a Cuba JOE RAEDLE/AFP
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse estar "cancelando" o acordo de aproximação com Cuba firmado por seu antecessor, Barack Obama, e afirmou que os EUA não vão ficar quietos diante da "opressão comunista".

"Estou cancelando completamente o acordo de Obama com Cuba", disse Trump a uma plateia cheia de exilados cubanos, em Miami (Flórida, sul dos EUA). 

"Ao facilitar as viagens e o comércio com Cuba, o acordo do governo anterior não ajuda o povo cubano, só enriquece o governo, porque os lucros vão diretamente para os militares. O resultado é mais repressão", disse o republicano.

No discurso, Trump abordou algumas das medidas que foram adiantadas por funcionários da Casa Branca na quinta-feira (15). A Casa Branca baixou restrições para viagens de americanos a Cuba e a proibição de transações comerciais entre empresas americanas e entidades militares cubanas.

Empresa presidida pelo genro de Raúl Castro

Por entidades militares cubanas entende-se todas as empresas parcialmente controladas ou com participação da Gaesa, que pertence às Forças Armadas Revolucionárias e é presidida pelo genro de Raúl Castro.

Segundo estimativas conservadoras, a Gaesa controla mais de 60% da economia cubana — incluindo 57 hotéis e o porto de Mariel, em associação com a Odebrecht, supermercados, casas de câmbio, bancos, construtoras, lojas de roupas e outros.

Viagens mais difíceis

Além disso, deve ficar mais difícil para cidadãos americanos viajarem para Cuba. Com Obama, foram criadas 12 categorias que permitiam a não cubano-americanos visitar a ilha, entre elas visitas familiares, pesquisa profissional e atividades educacionais. Os próprios viajantes tinham de descrever o propósito de sua viagem.

Com a mudança, o Departamento do Tesouro irá verificar se os viajantes realmente se enquadram em alguma das 12 categorias autorizadas. Haverá maiores restrições para os chamados "intercâmbios pessoa a pessoa".

Segundo o memorando publicado pela Casa Branca, os departamentos do Tesouro e do Comércio vão iniciar o processo de publicação das novas regulamentações dentro de 30 dias. As mudanças não vão entrar em vigor até que as regulamentações sejam concluídas por Tesouro e Comércio.

Embaixadas abertas

No entanto, a maior parte do acordo de Obama, firmado em dezembro de 2014, ficou intacta. As relações diplomáticas entre os dois países serão mantidas. As embaixadas em Washington e Havana seguirão abertas, e os EUA continuarão a ter apenas um encarregado de negócios, e não um embaixador, em Cuba.

As remessas e viagens de cubano-americanos tampouco serão afetadas.

No discurso, Trump chamou vários exilados cubanos e agradeceu a ajuda do senador republicano Marco Rubio, cubano-americano que foi seu rival na campanha presidencial, e o deputado Mario Diaz-Balart, representante do lobby anti-Castro.

Também agradeceu a Berta Soler, líder do grupo dissidente Damas de Branco, dizendo que ela foi impedida de comparecer pelo regime cubano.

Agressivo, o presidente americano chamou o governo de Raúl Castro de "brutal" e disse que o regime "comete crimes a serviço de uma ideologia depravada".

"Exilados testemunharam como o comunismo destrói uma nação. O comunismo destruiu todos os países onde esteve. Não ficaremos quietos diante da opressão comunista."

Trump disse que quer ter paz em "nosso hemisfério" e acusou Cuba de semear o caos na Venezuela e de enviar armas para a Coreia do Norte, além de apoiar tráfico de pessoas e de drogas.

Prisioneiros políticos

O presidente afirmou ainda que as sanções contra Cuba não serão retiradas até que todos os prisioneiros políticos da Ilha sejam libertados, todos os partidos políticos sejam legalizados e que sejam marcadas eleições livres e com supervisão internacional.

"Vamos restringir fortemente o fluxo de dólares para os militares cubanos e fazer valer o embargo e o veto a turismo ", disse o republicano.

"Desafiamos o governo de Cuba a se sentar à mesa de negociação e apresentar um novo acordo", acrescentou.

Em dezembro de 2014, Obama anunciou o acordo de reaproximação entre Cuba e EUA, 53 anos após os dois países terem rompido relações diplomáticas. Oito meses depois, foi reaberta a embaixada americana em Havana, e no final de 2016, pousou na capital cubana o primeiro voo comercial regular entre os dois países.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

  1. Michelle Martinez pode ficar até 70 anos na cadeia | Reprodução Fox News

    ESTADOS UNIDOS

    Mulher trans pode pegar até 70 anos de prisão após estupro de criança em banheiro

  2.  | GABRIEL BOUYSAFP

    decisão

    Espanha decide dissolver governo e retirar autonomia da Catalunha

  3.  | Brendan  Smialowski/AFP

    eua

    Trump confirma abertura de arquivos do assassinato de Kennedy

PUBLICIDADE