Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

680 mil passageiros

Aumento na taxa de embarque da Rodoferroviária renderá R$ 636 mil extras a Urbs

A partir da sexta-feira (8), a taxa de embarque paga pelos passageiros passa de R$ 5,30 para R$ 5,54

  • João Frey
 | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo/Arquivo
Aniele Nascimento/Gazeta do Povo/Arquivo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Urbs está mergulhada em uma difícil situação financeira: além do déficit mensal de cerca de R$ 2 milhões, há ainda dívidas de mais de R$ 20 milhões com a Copel e o INSS. Para sair dessa crise, a empresa responsável pela gestão do transporte coletivo e de diversos equipamentos da cidade está em um processo de contenção de gastos e aumento de receitas. Poucos dias depois de anunciar a demissão de 155 funcionários, a empresa agora anunciou o reajuste no valor da taxa de embarque da Rodoferroviária de Curitiba.

A partir da sexta-feira (8), o valor da taxa paga pelos passageiros passa de R$ 5,30 para R$ 5,54. O reajuste equivale à inflação entre os meses de maio de 2016 – data da última correção – e outubro de 2017. A expectativa da Urbs é que o reajuste permita um incremento médio de R$ 53 mil mensais para o caixa da empresa.

LEIA MAIS:Sem greve no ônibus? Urbs fará aporte para o 13.º de motoristas e cobradores

Segundo dados da própria Urbs, o movimento médio mensal no terminal rodoviário é de 680 mil passageiros.

Urgência na venda de terrenos

A prefeitura de Curitiba e a Câmara Municipal também estão empenhadas na solução dos problemas financeiros da Urbs. Na sessão plenária desta segunda-feira (4), os vereadores aprovaram um requerimento de trâmite de urgência para um projeto de lei da prefeitura que prevê a compra de três terrenos da Urbs. Na transação, em troca dos imóveis no Tarumã, CIC e Portão, a Urbs vai receber R$ 16 milhões.

O prefeito Rafael Greca (PMN), na justificativa do projeto, afirma que a transação está sendo feita “considerando a atual condição econômico-financeira da Urbs”. O dinheiro para a compra sairá do pagamento da contribuição patronal sobre os aposentados da prefeitura, obrigação que foi revogada no pacote de ajuste fiscal aprovado em junho.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE