Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

frequência

Suspeita de fraude faz governo do Paraná rever controle do ponto de servidores

Em dezembro, Casa Civil trocará o registro manual pelo eletrônico. Mudança é uma das provocadas por investigações do Ministério Público do estado

  • José Lázaro Jr., do Livre.jor, especial para a Gazeta do Povo
O Palácio Iguaçu, sede do governo estadual | Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo/Arquivo
O Palácio Iguaçu, sede do governo estadual Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo/Arquivo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Diante das suspeitas de fraude no ponto de servidores estaduais, o governo do Paraná incumbiu as secretarias de Administração (Seap) e de Planejamento (SEPL) de padronizarem a forma como efetivos e comissionados registram sua frequência ao trabalho. Hoje cada uma das 57 unidades que compõem a gestão estadual faz como quer o controle dos servidores. Livre.jor apurou para a Gazeta do Povo que pelo menos três delas, a Casa Civil, a Comec (órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Urbano para a coordenação da Grande Curitiba) e o Instituto das Águas já foram alvo de recomendações do Ministério Público do Paraná (MP-PR).

Contudo, ao mesmo tempo em que confirmou para a reportagem a existência desse grupo de trabalho, a gestão Beto Richa (PSDB) informa que não estabeleceu prazo para a conclusão dos estudos, nem formalizou quem são os encarregados da tarefa. “Os trabalhos dessa comissão não foram estabelecidos por ato oficial. Ela vem se reunindo frequentemente com a orientação de que o estudo avalie todas as ferramentas atualmente utilizadas e a legislação pertinente da forma mais completa possível, sem um prazo definido”, disse a Seap à reportagem.

No comunicado, a Secretaria de Administração admite que a pressão do MP-PR é uma das razões para padronizar os registros de frequência. “A análise [desse grupo formado pela Seap e pela SEPL] deve gerar uma padronização nos procedimentos de controle de frequência nas secretarias e demais órgãos. Após isso, o estado deve adotar o sistema que se demonstrar mais transparente, prático, acessível e econômico, além de atender todos os questionamentos que o Ministério Público tem feito”.

LEIA MAIS:Conselho propõe cotas para negros em cargos comissionados, mas é ignorado

Falsidade ideológica

As recomendações recriminando o uso feito pela Casa Civil e pela Comec do registro manual de frequência foram feitas pela promotora Claudia Madalozo. Em ambas, do primeiro semestre deste ano, a argumentação dela é parecida. Ao liberaram os servidores para dizerem que entraram e saíram do trabalho todos os dias no mesmíssimo horário (prática conhecida como “ponto britânico”), os órgãos estariam fazendo vista grossa para a impontualidade e para as faltas de funcionários.

“[São condutas] que importam enriquecimento ilícito, que causam prejuízo ao erário e que atentam contra os princípios da administração pública”, diz a promotora, nas recomendações. Para ela, o “ponto britânico”, em vigor na Casa Civil até fevereiro deste ano, quando resolução assinada por Valdir Rossoni (PSDB) proibiu a prática, por exemplo, poderia ser enquadrado no tipo penal de falsidade ideológica, pois dava margem à “inserção de informações falsas em documentos públicos”. Um caso mais grave foi registrado pela promotora na Comec.

Na recomendação 1/2017, Claudia Madalozo relata que, durante a investigação do inquérito civil que embasa o procedimento, “o diretor-presidente da Comec afirmou que determinados servidores deixaram de comparecer à repartição, no entanto seus registros de frequência estão perfeitamente preenchidos e vistados”. Para ela, isso caracteriza controles de jornada “inefetivos e inválidos”, que poderiam ser tipificados como falsidade ideológica pois significam “inserção de informações falsas em documentos públicos”.

LEIA TAMBÉM:Greca quer gastar R$ 374 mil em árvores e estrelas para “resgatar” o Natal em Curitiba

Longe da capital, o quadro se repete. Em Santo Antônio da Platina, a promotora pública Kele Bahena, como foi noticiado em primeira mão pelo Livre.jor na Gazeta do Povo , exigiu que o Instituto das Águas, autarquia ligada à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, exonerasse oito comissionados e adotasse o ponto biométrico em todas as unidades. Ela, igual aos casos de Curitiba, começou a investigação depois de denúncias de haver no órgão público “comissionados sem qualificação técnica para a função desempenhada e sem cumprir jornada de trabalho”.

Ponto eletrônico

No dia 26 de outubro, a Casa Civil publicou uma resolução avisando aos funcionários que, a partir de 1º de dezembro, o registro de frequência no órgão seria feito de forma eletrônica. Cada um, com a sua identificação e senha para uso dos computadores da repartição, faria a anotação diariamente. A adoção desse novo modelo, em uso pela Secretaria da Agricultura e Abastecimento (Seab), já tinha sido adiantada pela Gazeta do Povo quando o jornal divulgou que o órgão, pressionado pelo MP, havia proibido o “ponto britânico”, em fevereiro.

A Casa Civil tinha dito à reportagem, naquela ocasião, que o ponto eletrônico estaria em pleno funcionamento em novembro deste ano, uma vez que já tinha passado por uma fase de testes no órgão. Além de adiar o início do novo registro para dezembro, a resolução estipula o prazo de três meses para “adaptações e ajustes”, postergando o pleno funcionamento da ferramenta para março de 2018.

Perguntada se o novo modelo não abriria brecha para outros tipos de fraudes, como preencher a frequência sem sair de casa, do computador pessoal do funcionário, a Casa Civil negou a hipótese. O órgão argumenta que a autenticação do login e senha só valeria em computadores oficialmente conectados à rede interna do departamento público. Sobre a possibilidade de a folha ponto ser preenchida de uma só vez, na véspera do fechamento, como era possível com o registro em papel, a Casa Civil disse que isso não ocorrerá, pois “o sistema não permite lançamentos pretéritos [ou seja, passados ou retroativos]”.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE