Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Congresso

Acordo vai colocar projeto de eleições diretas em votação na Câmara

Projeto que prevê eleições diretas em qualquer momento de afastamento do presidente vai entrar na pauta da CCJ

  • Brasília
  • Evandro Éboli
 | Evandro Éboli
Evandro Éboli
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, deputados da oposição conseguiram acordo com os governistas e acertaram que será votada na próxima terça-feira (23), como primeiro item da pauta, a “PEC das Eleições Diretas”, como está sendo nominada proposta de Miro Teixeira (Rede-RJ) que prevê o pleito em qualquer tempo de afastamento do presidente e vacância do cargo.

No plenário, o que deveria ser uma sessão solene em homenagem aos defensores públicos, tornou-se palco de ataques a Temer e discursos pela sua renúncia. Aconteceu até uma saia-justa no plenário. Autor da proposta de homenagem aos defensores, Alessandro Molon (Rede-RJ) usou a presidência dos trabalhos para atacar Temer e pedir sua renúncia. O vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), foi até o plenário e vetou o colega de usar o espaço para ataques políticos. Ramalho disse que naquela cadeira deveria apenas se referir aos homenageados do dia.

Deputados pedem impeachment de Temer; entenda o rito

“Essa sessão é para homenagens aos defensores. Vou cortar a palavra de quem tratar de outro assunto” - ameaçou Ramalho.

Silvio Costa (PTdoB-PE) defendeu um acordo para que seja aprovada em quinze dias, na Câmara e no Senado, a proposta de Miro Teixeira.

“O país não vai aguentar isso. E a sociedade não quer uma eleição indireta, via Congresso. Não há mais clima, ambiente nem nada para se votar reforma ou resolver qualquer coisa antes de dar desfecho a essa crise”, disse Costa.

Poucos parlamentares do governo apareceram. O secretário-geral do PMDB, Mauro Lopes, de Minas Gerais, apareceu rápido e disse à Gazeta do Povo que a situação de Temer é muito preocupante.

“A situação é muito temerosa. Me desculpe, não quero fala mais sobre isso nesse momento. Vamos esperar”, disse Lopes.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE