Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

perfis falsos

Como o uso de robôs contaminou os debates políticos nas redes sociais

Pesquisa da FGV mostra como atuaram perfis automatizados nas eleições e no impeachment de Dilma Rousseff

  • Brasília
  • Bruna Borges
Perfis automatizados influenciam debates políticos de relevância nacional | Daniel Castellano
Perfis automatizados influenciam debates políticos de relevância nacional Daniel Castellano
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

As redes sociais são um ambiente virtual de discussão com distintas posições políticas, mas uma parte delas não é real. Um estudo da Fundação Getulio Vargas mostra que perfis automatizados têm motivado debates no Twitter em situações de repercussão política brasileira desde as eleições de 2014. Essa interação feita por robôs pode chegar a 20% das manifestações dos debates.

Os robôs são contas controladas por softwares que tentam se passar por pessoas. Eles podem manipular debates, criar discussões forjadas, disseminar notícias falsas e influenciar a opinião pública postando e replicando mensagens em larga escala.

LEIA MAIS: Reforma política tende a criar  “República dos Super Partidos”

A pesquisa divulgada em agosto pela FGV aponta que durante protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) essas interações provocadas por robôs representaram mais de 20% do debate entre apoiadores da petista. 

Outro momento que alcançou o mesmo índice de interação com participação de perfis automatizados foi o debate de presidenciáveis no segundo das eleições de 2014. Os robôs corresponderam por 19,41% dos perfis favoráveis a Aécio Neves (PSDB). 

O estudo cita uma sondagem realizada em 2016 pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, que revelou que 49% dos brasileiros se informam pela internet. Seria nesse ambiente de alta circulação de informações que os robôs se proliferam já que as redes possuem esse alto grau de “confiança”. 

O estudo mostra ainda que o uso de robôs para influenciar o debate político não é característica de uma única legenda. É uma estratégia utilizada por todo o espectro partidário para conquistar seguidores e conduzir ataques a opositores, além de forjar discussões artificiais. 

Os pesquisadores destacam que identificar a presença dos robôs e os debates artificiais que eles criam é de importante para diferenciar quais situações são reais e quais são manipuladas no ambiente virtual para compreender os processos sociais originados nas redes. 

“Às vésperas de início do ano eleitoral que definirá o próximo presidente brasileiro, cujas campanhas se anunciam de extremo acirramento, torna-se essencial mapear os padrões de uso desses mecanismos, a fim de evitar intervenções ilegítimas no debate como já verificado em outros países”, defendeu Marco Aurélio Ruediger, responsável pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da FGV. 

Como os robôs atuam 

Para os pesquisadores, a atuação dos robôs também pode afetar a formação da opinião porque dá um volume irreal de informações sobre determinado tema e influenciar os usuários indecisos. Um dos mecanismos usados pelos programadores é a promoção de hashtags que ganham destaque com a massificação de postagens automatizadas que podem, por exemplo, sufocar algum debate espontâneo sobre um determinado assunto. 

De acordo com a pesquisa, os robôs têm maior facilidade de propagação no Twitter do que no Facebook. O padrão de texto pequeno do Twitter (140 caracteres) é o principal motivo, pois gera uma limitação de comunicação que facilita a imitação da ação humana. Em geral, as pessoas são menos criteriosas para seguir um perfil no Twitter, e costumam agir de maneira recíproca quando recebem um novo seguidor. Já no Facebook o processo de formação de seguidores demanda mais conexões como amizades, por exemplo. 

No Twitter, o processo para marcar pessoas é bem fácil, só é necessário marcar o usuário de @ mesmo que estes não estejam conectados a sua conta na rede. Isso permite que os robôs marquem pessoas reais aleatoriamente para inserir uma notícia, uma informação ou uma opinião se assemelhando a interações humanas. 

LEIA MAIS: Confira o Ranking de Influenciadores Políticos

O estudo também faz um alerta para o desenvolvimento de algoritmos mais modernos que conseguem identificar perfis populares e segui-los, identificar um assunto tratado na rede e gerar um pequeno texto por meio de programas de processamento de linguagem natural. Neste caso, a identificação do robô em um debate é bem mais difícil pelos usuários. 

Para o pesquisador da FGV, nenhum usuário da internet está imune ao uso de robôs e seus efeitos. “Esse esforço de pesquisa aqui apresentado busca emitir um alerta de que não estamos imunes e que devemos nos preocupar em buscar entender, filtrar e denunciar o uso e a disseminação de informações falsas ou manipulativas por meio desse tipo de estratégia e tecnologia. Deve-se ter atenção e proteger os espaços democráticos inclusive nas redes sociais”, afirmou Ruediger.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE