Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Relações com os eua

Gafe diplomática: agenda de ministro revela identidade do chefe da CIA no Brasil

Em outra gafe de agenda, assessoria de Temer chamou a Federação Russa de ‘República Socialista Federativa Soviética da Rússia’

  • Da redação
 | Reprodução
Reprodução
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A identidade dos oficiais da Central de Inteligência Americana, a CIA, são mantidas em segredo e descobrir a identidade de um agente secreto não é tarefa fácil. Menos no Brasil, onde um suposto chefe da CIA em Brasília pode ter sido exposto por uma simples agenda de reuniões do Palácio do Planalto. No dia 9 de junho, a agenda oficial do general Sérgio Etchegoyen (Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República) apontava reunião com Duyane Norman. Na publicação, Norman foi apresentado como “Chefe do Posto da CIA em Brasília”. Os oficiais da CIA em missão em outros países têm a identidade preservada e a divulgação pode ter sido uma gafe.

Há poucas referências a Norman na internet. Na página da CIA, ele não aparece, nem mesmo nas buscas. Em seu perfil do LinkedIn, Duyane Norman se apresenta como “Political Officer” do Governo Norte-Americano, cargo que ocupa há 25 anos. Seu local de residência e trabalho é o Lago Sul, bairro nobre da capital federal, onde estão sediadas diversas embaixadas e consulados.

LEIA MAIS: EUA não ‘confirmam nem negam’ gafe de ministério sobre identidade do chefe da CIA no Brasil

Procurada, a assessoria de imprensa do GSI afirmou que a divulgação da agenda seguiu as regras previstas na Constituição e na Lei de Acesso à Transparência. A entidade não corrigiu a informação ou negou que Norman seja realmente integrante da CIA. “Registramos que a autoridade americana realizou uma visita de cortesia ao Ministro do GSI por estar retornando aos EUA após o término de sua missão no Brasil”, afirmou o GSI à Gazeta do Povo.

A Embaixada dos Estados Unidos em Brasília foi questionada sobre a atuação de Norman, mas respondeu que não pode comentar o caso.

O trabalho dos oficiais da CIA consiste em coletar informações úteis para a política de Segurança dos Estados Unidos. Revelar intencionalmente o nome de um agente ou oficial da CIA pode render punição a cidadãos norte-americanos. Isso porque como muitos estão secretamente infiltrados em áreas de conflito, tornar pública essa identidade pode coloca-los em perigo. Isso já aconteceu no passado, quando o Paquistão revelou o nome de um agente da CIA que chefiava as operações no país. Na época, jornal “New York Times”, citando fontes do governo americano, disse que a divulgação teria sido feita intencionalmente, para minar o trabalho da CIA no Paquistão.

Mais uma gafe: Temer viajou para país que não existe

No caso brasileiro, a possível divulgação da identidade do oficial mais parece ser um erro na produção e divulgação da agenda pública do general Etchegoyen. Outros casos de gafes em publicações de agendas e postagens das redes sociais de órgãos públicos ficaram famosos. Em 2013, o Ministério da Defesa publicou, em sua conta oficial no Twitter, que havia “alcançado 370 metros no Banana Kong”.

Posteriormente, a publicação foi apagada, mas o estrago estava feito, possivelmente causado pelo uso de computador do Ministério logado na conta oficial por algum funcionário para jogar. Nesta segunda feira, sites noticiaram que a agenda do presidente Michel Temer divulgava que ele viajaria para a “República Socialista Federativa Soviética da Rússia”, em uma possível menção à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, em 1991. Na verdade, Temer embarcou hoje para a Rússia, chamada oficialmente de Federação Russa, onde terá reuniões pelos próximos quatro dias.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE