Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

governo manco

Salvo da 2.ª denúncia, Temer vai buscar “paz” em seu último ano de governo fora do Brasil

Salvo da segunda denúncia e precisando de dinheiro, presidente deve começar 2018 com tour pela Ásia e Suíça, para mostrar privatizações e concessões em busca de agenda positiva que não encontrará no Brasil

  • BRASÍLIA
  • Flávia Pierry
 | EVARISTO SA    /    AFP
EVARISTO SA / AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Sem grandes pautas, sem avançar em reformas, com medidas de pouca abrangência. Essa pode ser a fotografia do que resta do governo Michel Temer (PMDB) após o arquivamento da segunda denúncia pelo plenário da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (25), por 251 votos favoráveis contra 233 contrários. Para tentar movimentar seu último ano de governo – e deixar uma marca  além das denúncias que enfrentou, o presidente deverá fazer as malas e viajar ao exterior, para mostrar o portfólio de concessões aos investidores, trazer dinheiro para o Tesouro e tentar legitimar seu governo lá fora. 

No final de janeiro de 2018, Temer planeja fazer uma turnê pela Ásia, depois de passar pela Suíça. Assessores do Planalto e de ministérios já trabalham na agenda da viagem do presidente e seus ministros da área econômica e de infraestrutura e outras viagens internacionais também podem entrar na viagem do presidente no começo de 2018. Oficialmente, o Ministério das Relações Exteriores e o Palácio do Planalto ainda não divulgaram a agenda oficial de viagens para este final de ano e começo do próximo. 

Sem apoio no Congresso e de olho nas eleições

Com a proximidade das eleições 2018, o Congresso não deverá seguir com a pauta de reformas e medidas impopulares do governo Temer. Ao optar por intensificar as viagens internacionais, Temer pode transparecer alguma normalidade em seu governo ao tentar atrair investidores e ainda buscar legitimação de seu governo, mesmo que tardia, com alguma agenda mais marcante. 

“Com o não avanço da segunda denúncia, deve haver um pouco mais de estabilidade e o presidente talvez possa viajar um pouco mais, com mais tempo e tranquilidade para vender uma imagem de estabilidade, principalmente para os investidores internacionais. E ainda se legitimar também perante a comunidade internacional como um presidente que não foi apenas um tampão”, avalia Wagner Parente, diretor-executivo da Barral M Jorge Consultores. 

Na Suíça, o presidente deverá participar de eventos do Fórum Econômico Mundial, em Davos, que tem programação de 23 a 26 de janeiro de 2018. Na sequência, Temer e sua comitiva (que deverá incluir também um grupo de empresários) devem emendar com tour por países como Vietnã, Singapura, Indonésia, Malásia e Timor Leste. 

LEIA MAIS:Na privatização de Temer, estatais brasileiras podem virar estatais chinesas

O objetivo dessa turnê é apresentar as oportunidades de investimentos no Brasil, como privatizações e concessões. No pacotão, a joia da coroa é a Eletrobras e suas usinas hidrelétricas, além de rodadas de licitação de blocos de petróleo e gás (inclusive pré-sal), aeroportos e outros projetos do Programa de Parceria em Investimentos (PPI).  Ao priorizar essa agenda, Temer deixará aqui no Brasil os deputados e senadores focados nas pautas eleitorais. Dificilmente o Congresso votará medidas impopulares. 

Também será importante para o presidente a atração de investimentos para poder ganhar alguma paz dentro de casa, em um cenário de restrição fiscal e pouco dinheiro para gastos. Ao trazer recursos para os cofres do Tesouro Nacional (com o pagamento dos bônus de outorga, assinatura de contratos de concessão e mesmo com ganhos para a União como acionista da Eletrobras) o governo poderá fazer acenos aos servidores públicos, aumentando benefícios e postergando cortes. 

O foco na agenda econômica ainda poderá ajudar Temer como agente no cenário político-eleitoral, se conseguir também manter a economia nos trilhos. “Esse governo tenta aglutinar uma chapa de centro, que historicamente é o que se viabiliza no país. Se a economia estiver estável, e aí entra a parte do investimento externo, ele tem mais condição de aglutinar um grupo em torno desse projeto”, avalia Wagner Parente.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE