PUBLICIDADE
Um dos pontos críticos está na esquina da Avenida Visconde de Guarapuava com a Travessa da Lapa |
Um dos pontos críticos está na esquina da Avenida Visconde de Guarapuava com a Travessa da Lapa
chuva

Curitiba tem mapa informal de enchentes

Prefeitura não tem levantamento dos locais que alagam com mais frequência no Centro da capital, mas população já conhece os pontos mais problemáticos de cor e salteado

Texto publicado na edição impressa de 01 de março de 2012

Os curitibanos estão começando a desenvolver um mapa próprio no que se refere aos alagamentos provocados pelas chuvas. Isso porque os pontos de acúmulo de água têm se repetido a cada enxurrada e passam a ser memorizados pelos motoristas e pedestres que passam pela região central da cidade. O motivo de algumas esquinas reiteradamente se encherem de água está relacionado à geografia do Centro, cortado por vários rios canalizados. Com as volumosas pancadas do verão, essas galerias acabam tendo função dupla: a de escoar a água da chuva e dos rios, o que provoca o esgotamento imediato da capacidade dessas construções.

A prefeitura de Curitiba e a Defesa Civil municipal não têm um levantamento oficial sobre este tema. Contudo, com base nas reportagens dos últimos meses feitas pela Gazeta do Povo, é possível identificar alguns pontos críticos de alagamento no Centro da capital paranaense. A maioria dos pontos beira os canais fluviais. “Algumas das galerias são bastante antigas. Outras nem tanto. Mas acontece que esses programas de drenagem são pensados para um tipo de ocupação do solo que acaba sofrendo alterações ao longo do tempo”, aponta o geólogo Renato Eugênio de Lima, diretor do Centro de Apoio Científico em Desastres da Universidade Federal do Paraná.

O especialista ressalta que o fenômeno de impermeabilização das cidades – quando o solo é tampado com calçadas, telhado e asfalto –contribui para uma frequência maior de alagamentos. “Quando chove e há solo aberto, a água é absorvida de maneira uniforme por toda a extensão do terreno. No caso de uma cidade cimentada, porém, a água rola pelo chão e vai cair na galeria fluvial, que acaba enchendo mais e com maior rapidez”, explica.

Locais

Um dos pontos mais problemáticos está na esquina das ruas Carlos de Carvalho e Visconde de Nácar. O local sofre com a cheia da galeria Fernando Moreira, responsável por canalizar o curso do Rio Ivo. Além dos constantes congestionamentos, o volume de água provocou uma morte em 2010, quando um morador de rua caiu no vão da galeria durante a chuva e se afogou.

A própria prefeitura reconhece que as inundações têm aumentado de intensidade nos últimos anos. “Não sabemos o que está acontecendo e seguimos fazendo limpeza dos canais. Em paralelo, investigamos a causa do problema”, explica o gerente de projetos do Departamento de Pontes e Drenagens da Secretaria Muni­cipal de Obras Públicas, Wilson Ferreira de Almeida. Ele conta que a secretaria trabalha com a hipótese de galhos de árvore e sacos de lixo estarem entupindo os túneis.

Tanque

No traçado próximo à Avenida Visconde de Guarapuava, por onde o Rio Água Verde corre no subterrâneo, os alagamentos também têm sido frequentes. “Pretendemos construir um tanque de retenção subterrâneo próximo à Praça Afonso Botelho para segurar o excesso de água e não deixar alagar nas quadras seguintes”, afirma Almeida. “Para isso, vamos atrás de recursos do Ministério das Cidades”, diz ele.

Prevenção começa com destino correto do lixo

O comportamento dos cidadãos também ajuda a prevenir enchentes em uma cidade e complementa as obrigações do poder público. O alerta, feito pela engenheira sanitarista Maria Rosí Melo Rodrigues, tem o objetivo de conscientizar a população sobre os malefícios de algumas atitudes, como jogar lixo na rua.

“O lixo sem destino apropriado causa o entupimento de córregos e bueiros, o que impede o escoamento da água e causa enchentes, além de trazer doenças”, aponta.

Exemplo

Maria Rosí cita como exemplo a Alemanha, onde os cidadãos são taxados conforme a quantidade de lixo que produzem, em um sistema chamado em inglês de Pay As You Throw (Pague conforme você descarta, em tradução livre). “As pessoas cobram umas das outras o descarte correto. Você não pode sequer jogar o lixo em outra lixeira que não seja a sua”, lembra.

A engenheira também ressalta a importância de campanhas de conscientização. “As pessoas não vão aprender sozinhas. Precisam ser informadas”, avalia.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO