Vida Pública

Fechar
PUBLICIDADE

Propaganda sob suspeita

Após denúncias, Ricardo Barros anuncia afastamento do governo

Secretário de Indústria e Comércio é apontado pelo Ministério Público como pivô de um acordo entre agências de comunicação que disputavam uma licitação da prefeitura de Maringá

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Investigado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), o secretário de Estado da Indústria e Comércio, Ricardo Barros, anunciou o seu afastamento do governo na tarde desta sexta-feira (3). Em nota enviada à imprensa, ele informou que vai passar as próximas semanas cuidando apenas das campanhas de Maringá e Londrina.

A decisão foi comunicada ao governador Beto Richa nesta sexta (3), que autorizou a licença sem remuneração. Segundo o governador, Barros aproveita o período para também cuidar da defesa contra as denúncias feitas recentemente. “Eu falei das necessidades e das razões e ele prontamente entendeu. Já estava disposto a se licenciar para cuidar da campanha eleitoral e agora está sendo afastado por 90 dias”, afirmou Richa.

De acordo com a assessoria de Barros, as férias acumuladas já estavam programadas desde o início do ano e que a licença não tem relação com as denúncias feitas pelo MP e divulgadas em primeira mão pela Gazeta do Povo que aponta suposto envolvimento do secretário em fraude na licitação de publicidade da Prefeitura de Maringá. O período de afastamento deve durar entre o dia 10 de Agosto e o fim das eleições em outubro.

Vice-presidente nacional do PP, Barros informou que o início da licença foi adiantado graças ao que ele classifica como "bom desempenho dos candidatos do Partido Progressista nos debates da televisão Bandeirantes, o que aumentou as possibilidades de vitórias no 1º turno".

"Serão semanas de dedicação exclusiva às campanhas, sobretudo nas cidades de Maringá e Londrina, que são consideradas fundamentais pela direção nacional do Partido. Não há como conciliar com o trabalho no Governo do Estado", afirmou Barros. Além de Maringá e Londrina, o PP disputa a prefeitura em outras 62 cidades ,entre elas Cascavel, Toledo, Apucarana, Francisco Beltrão e Guarapuava. Com o afastamento de Barros, a Secretaria de Indústria e Comércio será assumida pelo diretor-geral Ercílio Santinoni.

Denúncias

Barros é apontado pelo MP como o pivô de um acordo entre agências de comunicação que disputavam uma licitação de publicidade da prefeitura de Maringá. Ele teria orientado o secretário Leopoldo Fiewski (na época, secretário municipal do Saneamento, hoje na Fazenda) a fazer o acerto entre as duas agências. O caso foi noticiado com exclusividade pela Gazeta do Povo na edição desta terça-feira (31).

Em entrevista coletiva concedida na sede do Partido Progressista (PP), em Curitiba, Barros atribuiu as denúncias contra si a uma “guerra histórica” entre ele e promotores do Ministério Público (MP) de Maringá.

Ele também admitiu ter “orientado” ações na administração de seu irmão Silvio Barros na Prefeitura de Maringá e de atuar, “por vigilância”, em assuntos que seriam do interesse do grupo político liderado por ele – como no caso da publicidade.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais