Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Corrupção

Gaeco faz busca em casas de vereadores de Cascavel

Parlamentares são acusados de empregar funcionários fantasmas e de ficarem com parte dos salários dos assessores

  • Luiz Carlos da Cruz, correspondente
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Cascavel - O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou na manhã de ontem uma operação para buscar provas contra vereadores suspeitos de corrupção em Cascavel, no Oeste do estado. Vereadores de Cascavel são suspeitos de empregarem funcionários fantasmas e de ficarem com parte dos salários dos servidores. A denúncia partiu de ex-funcionários, mas o caso já era investigado pelo promotor de Justiça Gustavo Henrique Rocha de Macedo.

No mês passado, a direção da Câmara exonerou todos os 142 servidores que ocuparam cargos em comissão após as denúncias. Parte deles já foi recontratada.

De acordo com Adauto Giraldes Almeida, do Gaeco, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão – três em residências de vereadores e os demais em casas de assessores. Os policiais recolheram vários documentos, principalmente holerites e cartões de contas bancárias. Um dos cartões apreendidos está em nome Nicolas Arend, que aparecia entre os nomeados no gabinete do vereador Mario Seibert. Arend informou recentemente que nunca trabalhou na Câmara, mas que cedeu seus documentos ao pai de sua namorada, o vice-presidente do PTC, Juarez Damo, que teria repassado seus documentos a Seibert.

Segundo o Gaeco, outras diligências podem ser realizadas a partir da análise dos documentos e depoimento de assessores. Alguns servidores já aceitaram a delação premiada – benefício legal concedido a suspeitos de envolvimento em crimes em troca de colaboração nas investigações. Almeida diz que a participação da população nas denúncias que resultaram na operação foi fundamental.

Durante as buscas, a polícia encontrou na casa que seria do vereador Airton Camargo (PR) três armas de fogo. O Gaeco informou que o parlamentar precisará apresentar a documentação. Os policiais também recolheram documentos na casa do vereador Julio Cesar Leme da Silva (PMDB).

A reportagem não conseguiu contato com os três vereadores. Eles também não compareceram a sessão ordinária da Câmara na tarde de ontem. Camargo e Leme da Silva enviaram ofício à direção do Legislativo informando que estariam ausentes "por motivos particulares". Já o vereador Mário Seibert não apareceu no plenário e seu gabinete estava fechado na tarde de ontem.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE