Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Rio

Polícia encerra caso Priscila Belfort

Irmã do lutador Vítor Belfort teria sido morta por traficantes da Providência. Mãe faz apelo a bandidos para que corpo apareça

  • Globo Online
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O delegado Fernando Moraes, da Divisão Anti-Seqüestro (DAS), vai pedir nos próximos dias a decretação da prisão preventiva de 11 traficantes do Morro da Providência, no Centro do Rio. O grupo é acusado do seqüestro da universitária Priscila Belfort. Irmã do lutador de vale-tudo Vítor Belfort, ela foi vista pela última vez em 9 de janeiro de 2004, ao deixar o escritório da Fundação Esporte e Lazer, no Centro, onde trabalhava.

Os mesmos traficantes também são acusados de seqüestrar três pessoas, incluindo um empresário e um comerciante. Entre os bandidos procurados pela polícia e que já tiveram a prisão temporária decretada pelos três crimes, estão Leandro Ferreira dos Santos, o Periquito, Jairo Cesar da Silva Caetano, o Gerinho, e Evanilson Marques da Silva, o Dão, este último chefe do tráfico na Providência.

- Estou pedindo a prisão dos 11 porque, de uma forma ou de outra, todos teriam participado do desaparecimento da Priscila - disse Fernando Moraes.

Seqüestrado deu pista

A DAS chegou até Gerinho e Periquito, principais envolvidos no crime, quando investigava o seqüestro-relâmpago de um comerciante em 2005. Levado para um terreno baldio, onde foi mantido em cativeiro por algumas horas, a vítima ouviu uma conversa em que os seqüestradores disseram ter executado Priscila Belfort no Morro da Providência.

Libertado depois de entregar dinheiro, cartões, dois celulares e um carro aos bandidos, o comerciante foi até a DAS e reconheceu por fotografias Gerinho e Periquito como autores do crime. Preso com um dos telefones roubados, um dos integrantes do bando, que teve o nome mantido em sigilo, também apontou Leandro e Jairo como componentes da quadrilha especializada em seqüestros-relâmpago. Também tiveram a prisão solicitada Marcelo Maciel de Souza Filho, Bruno Silva de Jesus, Jorge de Oliveira Galdino e os irmãos Rômulo Mendes do Amparo e Pablo Pierre Mendes do Amparo.

Indícios no morro

Embora não tenha localizado o corpo de Priscila, a polícia trabalha com a hipótese de que a universitária tenha sido executada no Morro da Providência. No fim de 2004, investigadores e policiais militares chegaram a fazer escavações em um terreno da comunidade, mas nenhuma ossada foi encontrada.

A polícia não sabe ainda como a universitária teria sido levada para a Providência. O motivo da possível execução da universitária também não foi ainda esclarecido.

- Trabalhamos com a hipótese de que ela tenha se aproximado de alguém da Providência. Priscila trabalhava com comunidades carentes e pode ter sido levada à força por alguém para o morro - disse Moraes.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE