Vida Pública

Fechar
PUBLICIDADE

Clayton Camargo

Presidente da OAB-PR se diz perplexo com acontecimentos

Juliano Breda afirmou que a decisão do CNJ deve servir de exemplo para o Judiciário paranaense. Presidente da AMAPAR também afirma estar preocupado com as denúncias

  • Atualizado em às
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O presidente da seccional paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil ( OAB), Juliano Breda, que acompanhou a sessão do Conselho Nacional de Justiça ( CNJ) que decidiu pela abertura de Procedimento Administrativo Disciplinar para apurar supostas irregularidades cometidas pelo ex-presidente do Tribunal de Justiça do Paraná ( TJ-PR) Clayton Camargo e afastá-lo cautelarmente da função de desembargador, declarou que o caso se trata de um “episódio lamentável” do Judiciário do estado. “Todos nós do sistema de Justiça ficamos perplexos com esses acontecimentos”, disse.

Breda destacou também o trabalho do CNJ na resposta dada às investigações conduzidas pelo corregedor Francisco Falcão. “O CNJ atuou de forma bastante aprofundada nessa investigação e deu uma resposta com transparência para a sociedade paranaense, que esperava o esclarecimento da situação”.

O presidente da OAB-PR afirmou, ainda, que o caso deve servir como lição para o Judiciário do Paraná. “A partir de agora, especialmente na gestão do novo presidente do TJ [desembargador Guilherme Luiz Gomes], é preciso que o Judiciário se paute pela absoluta moralidade, transparência e legalidade das ações”.

Preocupação

O presidente da Associação dos Magistrados do Paraná ( Amapar), Fernando Ganem, afirmou que toda a classe fica preocupada com a imagem do Judiciário paranaense diante das denúncias que envolvem o ex-presidente do TJ-PR. “Quando qualquer magistrado passa por uma situação como essa, a magistratura inteira fica preocupada, pois isso acaba respingando na classe de magistrado como um todo”.

Ganem diz que espera um julgamento livre de qualquer pressão externa e que o caso seja esclarecido com agilidade. “Ninguém tem mais interesse de que esse assunto seja resolvido do que a própria magistratura”.

O atual presidente do TJ-PR, desembargador Guilherme Luiz Gomes, não foi localizado pela reportagem para comentar o assunto. A assessoria de imprensa do órgão não soube apontar quais os procedimentos a serem adotados para o afastamento de Clayton, nem a função que ele estava ocupando no Tribunal, já que as férias dele haviam sido suspensas.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais