Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

estado X servidores

Votação do projeto da Paranaprevidência fica para quarta-feira

Servidores acampam em frente à Alep; policiais e professores entraram em confronto

  • Atualizado em às
Os professores vão acampar na praça Nossa Senhora do Salette, no Centro Cívico |
Os professores vão acampar na praça Nossa Senhora do Salette, no Centro Cívico
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A votação da projeto da Paranaprevidência, apresentado pelo governo estadual, foi adiada para esta quarta-feira (29), depois que a Comissão de Constituição e Justiça concedeu vistas a todos os deputados da comissão, para que analisem as 16 emendas apresentadas durante a sessão da última segunda-feira (27). A sessão foi marcada para às 14h30.

Até lá, os servidores do interior do estado vão dormir na praça Nossa Senhora do Salette, no Centro Cívico. Até o início da tarde, mais de 120 barracas haviam sido montadas. Os servidores esperam a chegada de mais ônibus do interior do estado nesta madrugada.

Choque

O segundo dia de protestos dos professores da rede estadual de ensino contra o projeto de lei que modifica a Paranaprevidência, nesta terça-feira (28), foi marcado por vários episódios de tumulto e confronto com a polícia, em situações que deixaram, pelo menos, 13 pessoas feridas. Todos os enfrentamentos ocorreram no Centro Cívico, próximo à sede do governo do Paraná.

Veja como foi o segundo dia de protestos e votação na Assembleia

Confira imagens do tumulto no Centro Cívico

O confronto entre PMs e professores teve gás de pimenta, bombas de efeito moral e muita correria. Veja as imagens feitas pelo cinegrafista Rodrigo Sierpinski.

+ VÍDEOS

A primeira ocorrência, que deixou oito pessoas machucadas, foi já durante a madrugada, quando, por volta das 1h30, policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM) chegaram para cumprir a ordem de retirada dos manifestantes que ocupavam a Praça Nossa Senhora da Salete, em frente ao Palácio do Governo. Na versão dos professores que acampavam no espaço, a confusão começou no momento em que eles sentaram em frente aos três caminhões de som contratados pela APP Sindicato, representante da classe, para impedir a retirada dos veículos.

“Sentamos em volta [dos caminhões] para que não retirasse. Daí foi quando eles começaram a suar gás de pimenta e foram retirando o pessoal. Tinha muito policial e eles agiram com muita truculência para tirar a gente de lá”, relatou o professor Sérgio Rufino, um dos que estavam na praça durante a madrugada. “Não precisava nada disso porque não somos bandidos, só estamos aqui atrás de nossos direitos”.

Segundo a PM, os policiais precisam agir porque os manifestantes invadiram uma área “congelada”, ou seja, onde não poderiam estar. Além disso, a equipe tinha, segundo a assessoria de imprensa da corporação, autorização para retirar os caminhões que estavam estacionados em local proibido. Por isso, os veículos foram recolhidos e encaminhados ao pátio do Departamento de Trânsito (Detran), e os proprietários foram multados.

A área “congelada” a qual se refere a PM foi isolada no último fim de semana, com o amparo de um interdito proibitório que determinou o cerco à Alep Desde o último sábado (25), mais de mil policiais de todo as partes estado estão de prontidão para assegurar que a Assembleia vote o projeto ao longo desta semana. Na sexta-feira passada (26), uma liminar proibiu a APP-Sindicato de ocupar o prédio da Assembleia e assegurou o uso de força policial para garantir o cumprimento da decisão, sob pena de multa.

Mais confrontos

A tentativa de acessar a área isolada pela Polícia Militar gerou mais dois tumultos no Centro Cívico nesta terça-feira. Os cerca de sete mil manifestantes – segundo o sindicato dos professores – que estavam no protesto foram dispersados duas vezes pelos policiais, que usaram cassetetes, sprays de pimenta e bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha.

As situações aconteceram entre 10h30 e 11 horas. Nos dois episódios, cinco pessoas ficaram feridas, sendo um deles um major da PM, que teve ferimentos na mão.

A PM contesta o número de participantes estimado pela APP Sindicato. Em vez de sete mil, seriam três mil, de acordo com a assessoria de imprensa da corporação.

O projeto de lei que propõe mudanças na Paranaprevidência foi aprovado por 31 votos contra 21 na segunda, e volta para segunda discussão nesta quarta-feira (29). O intervalo entre as votações foi maior porque o único oposicionista na CCJ, o petista Péricles de Mello, pediu vista para avaliar as emendas ao projeto. Um habeas corpus conquistado pelos professores na manhã de terça-feira garante que os docentes possam acompanhar a votação desta quarta.

Veja outras notícias sobre a greve dos professores no Paraná.

Siga em tempo real.

Gazeta do Povo
Redação

Boa noite. Obrigado pela audiência.

Encerramos aqui a cobertura em tempo real da sessão na Alep e do protesto dos professores. Obrigado por nos acompanhar, boa noite e até amanhã.

Compartilhe

Clima

O efetivo policial que agora faz cerco à Assembleia Legislativa é menor que a metade do que estava na tarde de hoje no Centro Cívico. O clima é bem tranquilo. A maioria dos manifestantes se mantém nas barracas montadas na praça.

Compartilhe

Comércio

Muitos comerciantes aproveitam a mobilização para vender comidas e bebidas no Centro Cívico. Agora a noite, ao menos dez barracas estão na praça.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Entrevista

Em entrevista para o Paraná TV 2ª Edição, da RPCTV, Richa afirmou que o governo cumpre decisão judicial colocar policiais em frente à Assembleia para garantir o funcionamento da Casa. Ele ressaltou que o projeto da Previdência é baseado em estudo atuarial, foi amplamente debatido com a sociedade e entidades dos servidores, Ministério Público e especialistas. “O risco de haver qualquer tipo de prejuízo aos servidores é zero.”

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Manifesto

As Pastorais Sociais da Arquidiocese de Curitiba se manifestaram sobre a tensão entre servidores estaduais, sobretudo professores, e o governo do Paraná, por meio de nota, pedindo mais diálogo entre as partes. A entidade lembra que essa semana antecede a comemoração do dia dos trabalhadores e manifesta preocupação em relação aos atos de violência que ocorreram no Centro Cívico. “Lamentamos profundamente os fatos violentos ocorridos nesta manhã e, à luz do Evangelho de Jesus Cristo, conclamamos todas as partes ao diálogo com respeito e busca da superação dos conflitos, a fim de que prevaleça a verdade”, diz um trecho da nota.

Compartilhe

Pedido

Os líderes do movimento pedem que o maximo dr manifestantes permaneçam na praça durante a noite para evitar que a policia tente retirar o carro de som e as barracas do local durante a noite, como ocorreu nesta madrugada, gerando confusão.

Compartilhe

Tranquilidade

O clima é de tranquilidade em frente à Assembleia Legislativa. Muitos manifestantes já deixaram a Praça Nossa Senhora da Salete e vários policiais também vão deixando o cerco para descansar. A maioria dos ônibus do interior já foi embora também. Os manifestantes que permanecem na Praça pretendem acampam esta noite aqui e se concentram em torno das barracas.

Compartilhe

Saúde

Alguns servidores estaduais da área da saúde também estão na Praça Nossa Senhora da Salete. Conforme explica a representante do SindiSaude, Elaine Rodela, eles já estavam mobilizados desde ontem, mas, com o inicio da greve, hoje, a orientação é de que toda categoria em greve venha para a frente da Assembleia para cobrar os deputados sobre a votação do projeto que trata das mudanças na ParanaPrevidência. "Não podemos deixar o governo sem respostas a esse abuso que está ocorrendo aqui nem à falta de atendimento as nossas reivindicações", destacou Elaine.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

120 barracas

Os professores já montaram mais de 120 barracas na praça Nossa Senhora do Salette para passar a noite e aguardar a votação do projeto.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

No Facebook

Ex-prefeito de Curitiba e ex-deputado estadual, Rafael Greca também se manifesta nas redes sociais

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Convocação

Um caminhão de som está circulando pela cidade convocando todos os servidores estaduais a irem para o Centro Cívico engrossar a manifestação.

Compartilhe

Acampamento

Manifestantes vão preparando as barracas para passar a noite no Centro Cívico. A quantidade de barracas, aparentemente, é o dobro das registradas ontem.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Líder do governo

Na tribuna, o deputado Luiz Cláudio Romanelli, defendeu o projeto que altera a Paranaprevidência e disse que a Polícia agiu corretamente.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

VÍDEO: Confira como foi a confusão no Centro

Compartilhe

Interior sem policiamento

Um policial destacou, porém, que com a convocação para a capital, as cidades do interior ficam com o policiamento desfalcado, principalmente em relação às tropas especiais. Todo o efetivo da ROTAM de Paranavaí, por exemplo, está em Curitiba. São 20 policiais responsáveis por coordenar operações especiais na cidade.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Gleisi Hoffmann

Em uma nota de repúdio, a senadora do PT, Gleisi Hoffmann, repudiou veemente à violência, segundo ela, praticada pelo governo Beto Richa contra os professores e trabalhadores da educação do Paraná. Na nota, ela conta que alertou, na tribuna do Senado, o risco dessa política de menosprezar o diálogo e de recusar a negociação, preferindo o confronto e a falta de tolerância.

Compartilhe

Diárias

A reportagem conversou com alguns policiais do interior do estado que foram destacados para trabalhar no cerco à Assembleia Legislativa e, conforme eles foram notificados pelos comandantes, acabaram de receber as diárias para o delocamento. A SESP havia divulgado que o pagamento seria feito ontem, mas só acabou efetivado hoje.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Em Brasília

Começou há pouco a audiência pública da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados com o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, para discutir as possibilidades de reorganização dos fundos previdenciários estaduais. O debate também tem a participação do consultor e especialista em previdência social pública e privada Renato Follador. O deputado João Arruda (PMDB-PR), que solicitou a realização da audiência, ressalta que um projeto de lei do governo do Paraná, em análise na assembleia legislativa do estado, extingue o fundo previdenciário e transfere todos os recursos para o fundo financeiro, buscando alteração no Regime Próprio de Previdência Social dos servidores paranaenses. Segundo ele, Minas Gerais e São Paulo propuseram alterações semelhantes. No entanto, parecer da Advocacia Geral da União considerou que o projeto está “em desacordo com a técnica contábil e com o mandamento constitucional do equilíbrio financeiro e atuarial e com as normas que derivam deste, além de atentar contra os princípios constitucionais da eficiência e economicidade”. Para Arruda, é urgente discutir o tema com o ministro da Previdência Social, já que cabe à sua pasta, por meio da Secretaria de Políticas de Previdência Social, estabelecer os parâmetros e diretrizes gerais para a organização e funcionamento dos regimes próprios de previdência social.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Nas Redes Sociais

O governador Beto Richa publicou um vídeo explicativo sobre a Paranaprevidência


Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Opinião

A vice-prefeita de Curitiba e Secretária do Trabalho e Emprego da prefeitura, Mirian Gonçalves, criticou a aprovação, em primeira discussão, do projeto que muda a Paranaprevidência e, com isso, afeta diretamente os professores. “Estamos assistindo à morte da Paranaprevidência sob o olhar atento do governador com a garantia da tropa de choque da Polícia Militar. Endividado, o governo do Estado pretende pagar suas inexplicáveis dívidas usando a poupança feita pelos servidores para a sua aposentadoria”, afirmou. Defensora dos direitos dos trabalhadores, ela questionou a postura do governo do Estado: “O que é ilegal? A greve ou a apropriação indevida do bem alheio, mais conhecido como estelionato?”.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Defesa

Na Tribuna, o deputado estadual Élio Rusch (DEM) parabenizou a atuação da Polícia Militar.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Pelo Twitter

Antecessor de Beto Richa, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) criticou a ação da Polícia Militar nas redes sociais.


Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Saúde paralisada

Servidores da Saúde entraram em greve no fim da manhã desta terça-feira. A paralisação é por tempo indeterminado e, de acordo com a presidente do sindicato da categoria, “motivos não faltam para a greve”. Entre as razões, ela enumera o projeto de lei que altera a Previdência (PL 252/2015) e tramita na Assembleia; o não envio de projeto de lei de correção do plano de carreira dos servidores e “a violência moral, cívica e física contra os servidores com o cerco à Assembleia”, diz Elaine Rodella. “Há motivos políticos, pois não aceitamos que o aparato do estado, que é pago por todos nós, seja usado para defender os interesses do governo e não o interesse de toda a população. Além disso, já pedimos várias reuniões para negociar o reajuste salarial e o secretário não se manifesta”, completa Elaine.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Responsabilidade

Ainda na tribuna, o deputado Tadeu Veneri (PT) disse que o governador Beto Richa e o secretário de Segurança do Paraná, Fernando Francischini, são os responsáveis pelas ações da Polícia Militar.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Apoio

Muitos estudantes participam das manifestações no Centro Cívico em apoio aos professores.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Versinhos

"Nós estamos aqui no Paraná
E a greve vai continuar
E se o povo se unir
A educação que vai subir", cantam os manifestantes em frente ao cerco policial no Centro Cívico.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Tadeu Veneri

Na tribuna, o deputado do Partido dos Trabalhadores criticou a ação da Polícia Militar. "Todos sabem que a situação é delicada. Mas é preciso que tenhamos bom senso, para que não tenhamos surpresa na madruga", disse.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Fora da Alep

Os manifestantes não vão entrar na Alep hoje. Segundo a diretora da APP Sindicato Marlei Fernandes, os servidores vão acompanhar a sessão somente amanhã, quando o projeto da Paranaprevidencia será votado.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Nos Campos Gerais

Em Ponta Grossa, 90% das escolas estão sem aula, segundo o sindicato dos professores.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Pelo Twitter

Também pelo Twitter, o ex-presidente da Assembleia Legislativa Valdir Rossoni (PSDB) comentou sobre a situação.


Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

No Centro Cívico

O clima é tranquilo na Praça Nossa Senhora da Salete, no Centro Cívico. Os servidores aproveitam as sobras para descansar. Os manifestantes garantem que vão acampar novamente na praça essa noite.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Primeira dama

Enquanto o prefeito Gustavo Fruet se limitou a lamentar os “transtornos” causados no Centro Cívico pelo bloqueio policial, a esposa dele e presidente da FAS, Marcia Fruet, compartilhou no Twitter uma imagem que mostra um professor ferido por uma bala de borracha. “Ao mestre com carinho. Patrocínio Beto Richa”, diz a legenda da foto.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

A APP Sindicato nega que tenham black blocks infiltrados na manifestação. "Se houvesse a manifestação teria sido ainda mais complicada de manhã", disse o secretário de comunicação do sindicato Luis Fernando Rodrigues.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Na Assembleia

A oposição vai pedir vistas do projeto para ganhar tempo: com mais cinco votos contrários, o projeto seria derrubado

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Servidores da Saúde em greve

“Há motivos políticos, pois não aceitamos que o aparato do estado, que é pago por todos nós, seja usado para defender os interesses do governo e não o interesse de toda a população. Além disso, já pedimos várias reuniões para negociar o reajuste salarial e o secretário não se manifesta”, completa Elaine.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Servidores da Saúde em greve

Servidores da Saúde entraram em greve no fim da manhã desta terça-feira. A paralisação é por tempo indeterminado e, de acordo com a presidente do sindicato da categoria, “motivos não faltam para a greve”. Entre as razões, ela enumera o projeto de lei que altera a Previdência (PL 252/2015) e tramita na Assembleia; o não envio de projeto de lei de correção do plano de carreira dos servidores e “a violência moral, cívica e física contra os servidores com o cerco à Assembleia”, diz Elaine Rodella.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Depois do almoço

Por enquanto, situação está calma nas proximidades com a Assembleia Legislativa. Manifestantes procuram sombras na praça Nossa Senhora de Salete

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Fotos

Fotos: polícia usou bombas de efeito moral e spray de pimenta contra os manifestantes. Veja as imagens

Compartilhe
Rogério Galindo
Colunista da Gazeta do Povo

Sessão relâmpago na CCJ

Os deputados estaduais fizeram uma sessão relâmpago na CCJ, de menos de dez minutos. O líder do governo, Romanelli, deu parecer favorável a 13 emendas. Rejeitou apenas uma. Fez substitutivo para duas. Péricles de Mello, do PT, pediu vistas. Nelson Justus, presidente da comissão, concedeu vistas a todos os deputados, que têm 24 horas para devolver o projeto. Outra sessão da CCJ está marcada para amanhã às 13h30. Só depois disso o projeto da previdência vai a plenário.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

A estação-tubo Centro Cívico, desativada hoje por causa dos protestos, ganhou outra serventia.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Feridos

A organização do protesto disse que houve feridos também no tumulto do fim da manhã, ao contrário do que tinha sido informado mais cedo. Segundo contaram, quatro pessoas foram encaminhadas a hospitais por causa de machucados e também pelo excesso de gás lacrimogêneo inalado. Então, somente hoje, foram 12 manifestantes feridos.

Compartilhe
Gladson Angeli
Editor Mídias Sociais

Vídeo publicado nas redes sociais


Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Cadê o almoço?

Alguns policiais também enfrentam uma batalha no trabalho desta terça-feira. Muitos tiveram que resistir ao spray de pimenta jogado perto deles. Esquema para almoço? "O esquema é sair daqui e procurar algum lugar pra comer", comenta um policial.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Assim como aconteceu na prefeitura hoje cedo, funcionários da Alep que chegam pela Avenida Cândido de Abreu são revistados antes de entrar.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Sobre o tumulto desta madrugada, uma das diretoras da APP, Marlei Fernandes, disse que foram dois mil policiais contra os
150 professores acampados. Agora, serão iniciados os procedimentos para exames de corpo de delito. Oito ficaram feridos. "Eles [policiais] disseram que se a gente queria guerra, ia ter guerra", comentou o professor Bruno, de Ponta Grossa.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Sol forte

Apesar de os termômetros marcarem 22 graus, o sol é muito forte nesta altura do dia. Por isso, boa parte dos manifestantes deixa a frente do cordão de isolamento e aproveita as sombras da Praça Nossa Senhora da Salete.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Hora do almoço.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Os manifantes se concentram em frente à barreira policial e gritam "fora Beto Richa"

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Há pouco, uma professora precisou ser levada para o hospital por causa de um ferimento na cabeça. Mas o sindicato informou que o problema não teve a ver com o tumulto do fim da manhã. Então, o saldo de feridos do dia continua em oito pessoas, que foram levadas a hospitais depois de um confronto com a polícia durante a madrugada.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Agora, o Batalhão de Choque ocupa a frente da Alep.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Deputado Nelson Luersen para para falar com a reportagem da Gazeta do Povo sobre o tumulto de mais cedo no Centro Cívico. "É lamentável. Só vimos isso no AI 5".

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Deputado Nelson Luersen para para falar a reportagem da Gazeta do Povo sobre o tumulto de mais cedo no Centro Cívico. "É lamentável. Só vimos isso no AI 5".

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Convocação

Os líderes sindicais convocam todas as categorias do funcionalismo público do estado para uma grande manifestação amanhã no Centro Cívico.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Mesmo que consigam avançar mais um pouco, manifestantes têm acesso à frente da sede do governo barrada por forte cordão de isolamento policial.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Agora, Polícia começa a se concentrar em frente à Alep.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Cumprimento

Alguns manifestantes cumprimentam os policiais que deixam a praça.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Marcha

O caminhão de som dos manifrstes segue em direção à rua seguido pelos servidores. Eles vão se posicionar em frente à Alep.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Fim da reunião

Deputado Traiano afirma que o entendimento dele sobre a decisão do TJ é que o habeas corpus vale para o dia de votação do projeto - portanto, amanhã. Hoje, acontece a reunião da CCJ. A mesa também entrou com medida judicial para que na sessão em que o projeto deve ser votado em segunda discussão também seja feita sem público presente

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Batalhão de Choque se retira de frente do caminhão de som. Manifestantes caminham para a frente do Palácio do Governo.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Comemoração

Os manifestantes comemoram a saída do Batalhão de Choque da Praça

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Comissão que se reuniu com o presidente da Alep volta para onde os professores estão concentrados.

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Saída

O Batalhão de Choque deixa a Praça Nossa Senhora da Salete e o caminhão de som vai ocupar a rua.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Fim da reunião

Depois de encontrar-se com os deputados da oposição, a mesa da Assembleia informa que nesta tarde permitirá que os manifestantes ocupem o mesmo espaço que ocuparam ontem, durante a sessão. Ou seja, não entrarão no plenário

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Procurada há aproximadamente vinte minutos, a assessoria de imprensa da Polícia Militar ainda não retornou com a estimativa oficial da corporação sobre o número de manifestantes reunidos hoje na Praça Nossa Senhora da Salete.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Sindicato pediu a intervenção do governo municipal sobre a ocupação da praça Nossa Senhora da Salete. Segundo a entidade, o executivo estadual não comunicou a Prefeitura sobre o isolamento da área. A informação teria sido repassada por Ricardo Ghisi, secretário de governo de Curitiba.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Reunião

Neste momento, deputados da oposição estão em reunião com Ademar Traiano, presidente da Alep, para discutir abertura da Casa aos manifestantes

Compartilhe
Kelli Kadanus
Repórter da Gazeta do Povo

Estudantes

Muitos estudantes do Colégio Estadual do Paraná acompanham a movimentação dos servidores em frente à Alep

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Alunos do Colégio Estadual do Paraná chegam ao Centro Cívico.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Conversa

Com o clima menos tenso, até conversas informais entre manifestantes e policiais são restabelecidas.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Sossego

Agora, o clima volta a ficar tranquilo em frente à sede do governo do Paraná. Embora continuem concentrados, professores, estudantes e demais pessoas que participam do protesto estão calmos. Eles aguardam o resultado da reunião com o presidente da Alep, Ademar Traiano (PSDB). Este encontro vai definir se os dirigentes sindicais poderão ou não entrar na Assembleia nesta tarde.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

A APP Sindicato estima sete mil pessoas reunidas no protesto desta terça-feira.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Situação mais tranquila

Protesto está mais calmo no Centro Cívico

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

A intenção é que estes representantes combinem como será a entrada dos manifestantes na Alep hoje à tarde. A entrada foi garantida por um habeas corpus.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Sindicato, polícia e os deputados Nelson Luersen e Requião Filho montam uma comissão para debater com o presidente da Alep.

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Oposição X situação

Deputados de oposição afirmam que às 11h30 terão reunião com o presidente da Alep, Ademar Traiano (PSDB). Nereu Moura (PMDB), afirma que, se os professores não forem autorizados a acompanhar a sessão, cumprindo a decisão do TJ, os oposicionistas pedirão a prisão de Traiano.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Os deputados Nelson Luersen e Requião Filho sobem no carro de som do sindicato.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Agora, situação fica um pouco mais tranquila. Caminhão de som para de avançar.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Segundo o sindicato, PM promete parar com o confronto. Chega caminhão de choque.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Com a Avenida Cândido de Abreu bloqueadas, os manifestantes avançam pelo gramado da praça. Helicóptero da Polícia Civil ronda agora o espaço.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Não apenas gás de pimenta como bomba de efeito moral estão sendo usadas. Muita gente correndo. Confronto é tenso.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

A situação é muito complicada no Centro Cívico

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Mais spray de pimenta. À medida que os manifestantes avançam, o gás é expelido

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Em frente à Prefeitura, dirigentes sindicais gritam para Gustavo Fruet (PDT). " A rua é pública ", dizem

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Durante o segundo ato violento do dia - o primeiro foi durante a madrugada-, muitas pessoas começaram a chorar ao inalar gás de pimenta. Um grupo chacoalhou uma das viaturas. Aparentemente, ninguém se feriu.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Equipes dos batalhões especiais da PM cercam definitivamente o acesso ao Palácio, mas são enfrentados pelos manifestantes que tentam, aos poucos, progredir a caminhada.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Dispersam os manifestantes , que gritam "sem violência"

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Policiais empurram manifestantes.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Spray de pimenta é agora a arma dos policiais

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Violência!!!

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Atenção ,motoristas. O trânsito na Av Cândido de Abreu, entre a rotatória e a sede do governo, está totalmente bloqueado.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Liberam o acesso à rotatória que leva ao Palácio do Governo.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Manifestantes gritam, em coro, "retira, retira". Mas policiais não cedem.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Equipe da ROTAM fortalece o cerco, impedindo a entrada do caminhão da APP Sindicato

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Policiais aumentam o cerco. Os carros da PM invadem toda a extensão dda rotatória

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Os docentes e alunos que já estavam em frente ao Palácio se juntam ao grupo que chega

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

O clima começa a mudar no Centro Cívico. Com a chegada de um grupo de professores que chega, policiais começam a se mobilizar.

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

O grupo que estava na Praça 19 de Dezembro toma a Cândido de Abreu e tenta acessar os arredores da Praça Nossa Senhora da Salete com um caminhão de som

Compartilhe
Angieli Maros
Repórter da Gazeta do Povo

Volta ao Centro Cívico

Começa a caminhada de professores de volta ao Centro Cívico

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Concentração

Depois da retirada dos carros de som da Praça Nossa Senhora de Salete, os dirigentes da manifestação indicaram que os manifestantes se reunissem na Praça 19 de Dezembro, para então caminhar todos juntos ao coração do Centro Cívico. É isso que acontece nesse momento

Compartilhe
Gazeta do Povo
Redação

Nesta manhã

Cerca de 100 professores fazem caminhada pacífica da Praça 19 de Dezembro até a Assembleia Legislativa

Compartilhe

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE