PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. Após 50 anos, mercado de tratores do País tem nova marca líder
ranking

Após 50 anos, mercado de tratores do País tem nova marca líder

Massey Ferguson foi ultrapassada pela John Deere e pela New Holland no número de tratores fabricados no Brasil

Divulgação  | Divulgação
  • Marcos Tosi

Pela primeira vez em meio século, a Massey Ferguson não foi a marca que mais produziu tratores no Brasil. A também norte-americana John Deere assumiu o top do ranking ao fazer sair da linha de produção em Montenegro, no Rio Grande do Sul, 10.945 tratores. De quebra, a New Holland também ultrapassou a Massey, fechando o ano com 9.706 unidades, contra 9.628 da concorrente.

A troca de posições no ranking da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) ocorreu discretamente, mas de forma previsível, devido à curva descendente da Massey Ferguson, que chegou a produzir 23.577 tratores no país em 2010, mas fechou 2017 com menos de metade disso. A John Deere atua no Brasil com marca própria há pouco mais de 20 anos, desde quando comprou a SLC, em 1996.

Coincidência ou não, no início de 2018, justamente após perder a liderança do mercado no Brasil, a AGCO – que reúne as marcas Massey Ferguson, Valtra, Challenger, Fendt e GSI – anunciou um novo presidente para a América Latina. Além de ser executivo com experiência na Braskem, Eldorado Celulose e Unipar, Luís Fernando Felli é produtor rural no Maranhão e conhece bem a realidade do dia a dia no campo.

Durante a Agrishow, em Ribeirão Preto, Felli minimizou a perda da ‘pole position’: “Nós, como Agco, somando os tratores da Massey Ferguson e da Valtra, somos líderes de mercado (41%). Se for analisar as marcas separadamente, é difícil fazer uma comparação justa, porque posso ter crescimentos distintos, se tenho uma terceira ou quarta marca”.

Felli reconheceu, no entanto, que a Massey Ferguson se acomodou ao longo dos anos. “Passamos um período em que faltou um pouco de inovação, e a concorrência, de certa forma, trouxe muita inovação. Por isso decidimos remodelar toda a nossa linha de produtos. Uma mudança importante é que estamos trazendo para o Brasil tratores de alta cavalagem. Isso traz um crescimento não só do share, mas do money-share. Afinal, o valor de um trator de 250cv é uma coisa e o de 55cv é outra coisa”, argumenta.

Pelo lado da John Deere, a explicação para a troca de posições no ranking está no aumento da rede de concessionárias (hoje são 270), investimento em fábricas e tropicalização dos avanços tecnológicos. “Hoje investimos globalmente, por dia, mais de 4 milhões de dólares em tecnologia”, diz Eduardo Martini, gerente divisional de vendas da empresa.

Divulgação/Agrishow

John Deere estreou com marca própria no Brasil em 1996, após comprar a SLC

Um exemplo deste diferencial tecnológico, segundo Martini, está na conexão da máquina com a fazenda, do operador do trator com o gestor da propriedade. “A John Deere oferece uma conexão em tempo real, e não usamos apenas um chip de telefone. Afinal, a dificuldade no Brasil é a cobertura da telefonia móvel. Então usamos o sistema wi-fi, em que é possível mandar todos os dados do planejamento do trabalho para a máquina. E depois recebemos de volta como isso foi feito, incluindo o consumo de combustível e outros dados de performance”.

Outro importante fabricante de tratores no Brasil, a CNH Industrial – donas das marcas Case e New Holland – aposta que o que impactará o mercado de tratores, em poucos anos, será o uso de combustíveis alternativos e mais baratos, a chamada “clean energy”. “Nosso trator movido a biometano é o camisa 10, é o craque da Agrishow”, afirmou o presidente global da New Holland, Carlo Lambro. O trator conceito deve chegar ao mercado, em escala comercial, num prazo de três anos.

A New Holland estima que o potencial de produção de biometano no Brasil, apenas com resíduos do setor canavieiro, é de 56 milhões de m3 por dia – o que daria para suprir 50% da demanda de diesel de toda as operações realizadas para dentro da porteira das propriedades rurais.

Decolagem

Na avaliação dos fabricantes de trator instalados no Brasil, o segundo semestre promete acelerar o ritmo dos negócios. Apontam nessa direção uma provável diminuição dos juros no Plano Safra, a valorização do dólar, o prêmio pela soja brasileira por causa dos atritos entre EUA e China, e a quebra da safra da Argentina. “Os indicadores são muito bons. Quase 45% das exportações mundiais de soja são do Brasil. Isso, associado ao preço do grão e à condição do dólar, indica que a renda do produtor irá aumentar bastante”, pondera Werner Santos, vice-presidente de Vendas e Marketing da Agco. Eduardo Martini, da John Deer, acredita que as vendas devem crescer entre 5% e 10% em relação ao ano passado.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA