PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. Brasil será o maior produtor de soja do planeta já em 2019, preveem EUA
império da soja

Brasil será o maior produtor de soja do planeta já em 2019, preveem EUA

Para os norte-americanos, que são os atuais líderes mundiais, colheita brasileira será de 117 milhões de toneladas

Daniel Caron/Gazeta do Povo O USDA aponta que o Brasil irá repetir a safra 2017/18 e colher 117 milhões (t), enquanto a produção norte-americana ficará em 116,48 milhões (t). | Daniel Caron/Gazeta do Povo

O USDA aponta que o Brasil irá repetir a safra 2017/18 e colher 117 milhões (t), enquanto a produção norte-americana ficará em 116,48 milhões (t).

  • Flávio Bernardes

Depois de assumir a liderança mundial na exportação de soja no ciclo 2015/16 e se consolidar como o grande player da oferta, o Brasil deve fechar a próxima safra (2018/19) como o maior produtor da oleaginosa no planeta, ultrapassando os Estados Unidos, ainda que por uma diferença apertada. É o que prevê o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), conforme o relatório de oferta e demanda mundial divulgado na tarde desta quinta-feira (10).

O documento aponta que o Brasil irá, segundo o USDA, repetir a safra 2017/18 e colher 117 milhões de toneladas, enquanto a produção norte-americana ficará em 116,48 milhões de toneladas (-2,54% em relação à safra 2017/18). Os produtores do país, que já entrou no ciclo 2018/19, sofrem com o frio intenso e o excesso de umidade, o que vem atrasando a semeadura e pode ter impactos no rendimento médio das lavouras. No caso do Brasil, que aguarda o fechamento da safrinha para encerrar a campanha 2017/18, o USDA acompanhou a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), ampliando suas projeções para a soja de 115 milhões de toneladas para 117 milhões de toneladas na atual temporada.

Para o milho, os norte-americanos também seguiram a tendência do órgão brasileiro, reduzindo em 5 milhões de toneladas a colheita estimada no comparativo com a previsão de abril, chegando a 87 milhões de toneladas na safra 2017/18. Já para a safra seguinte, o USDA acredita que o Brasil recupere o potencial das lavouras, depois de um ano de redução em área e produtividades, atingindo os 96 milhões de toneladas.

Impactos no mercado

O balanço da safra brasileira, mas principalmente as previsões de redução para a norte-americana já tiveram reflexos em Chicago. Assim que o relatório foi divulgado, às 12h (horário de Chicago), as cotações da soja subiram 13 centavos de dólar e as do milho 3 centavos. Após o mercado “digerir” os números, o cenário para o milho passou a estável, ao passo que a soja permanecia em alta (cerca de 2 centavos).

Palavra do especialista: Tarso Veloso, analista da AgResource Brasil

Já era esperado. Na verdade achávamos no ano passado que poderíamos passar os americanos, mas tivemos a quebra na safra (leve, mas suficiente para ficar atrás). Os principais pontos de destaque ficaram nos EUA (área plantada e estoques finais) e produção mundial. Para o Brasil, sem surpresas. Já a Conab chamou a atenção: em um ano de seca e a safra veio maior em maio do que era previsto em abril, com um aumento da safra de verão e redução da safrinha. A redução da safrinha foi mínima e o aumento da safra de verão foi maior. O USDA projetou os estoques mundiais do grão ao fim da temporada 2018/19 em 159,2 milhões de toneladas, enquanto analistas esperavam um número bem maior, de 182 milhões de toneladas. O USDA disse também que produtores dos EUA devem colher 116,5 milhões de toneladas de soja em 2018/19. A previsão era de 117,34 milhões de toneladas. Se isso se confirmar, o Brasil pode produzir mais já este ano. Os estoques finais dos EUA foram reduzidos também [caindo em 21,7%, para 11,3 milhões de toneladas].

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA