PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. Exportação da safrinha cai pela metade em julho, empacada nas incertezas do frete
milho sem saída

Exportação da safrinha cai pela metade em julho, empacada nas incertezas do frete

Brasil embarcou apenas 1,17 milhão de toneladas no último mês; além da logística, perdas na colheita também pesaram sobre o desempenho

JONATHAN CAMPOS/GAZETA DO POVO  | JONATHAN CAMPOS/GAZETA DO POVO
  • Da Redação, com informações da FC Stone

Com a colheita da safrinha na metade final, a expectativa era de que os embarques de milho já estivessem mais aquecidas. No entanto, além das perdas climáticas e do atraso nos trabalhos de campo provocado pelo alongamento no ciclo da soja, a incerteza com relação aos fretes têm sido uma pedra no caminho dos corredores de exportação.

De acordo com a consultoria FCStone, a ‘safrinha’ 2017/18 sofreu uma quebra de 17,8%, resultando em uma produção de 55,4 milhões de toneladas, por conta do clima seco durante a etapa de desenvolvimento das lavouras em abril e maio. A oferta mais tímida reflete em preços mais elevados.

“Entre os principais países exportadores, o Brasil possui atualmente o produto mais caro, cerca de US$8/tonelada acima da cotação na Ucrânia e US$21/tonelada acima dos Estados Unidos”, explica o Analista de Mercado da INTL FCStone, João Macedo. Além disso, a incerteza logística atual também dificulta o escoamento da safra. A primeira tabela divulgada pela ANTT, colocando um preço mínimo aos fretes rodoviários, ainda está válida, o que mantém o preço oficial dos fretes bastante elevados. “Ao contrário da soja, o milho possui margens e preços mais reduzidos, o que impede que os produtores internalizem os custos logísticos e aceitem os fretes maiores”, ressalta o analista.

O resultado é que, em julho, o Brasil exportou apenas 1,17 milhão de toneladas, o que representa um recuo de quase 50% no comparativo com o mesmo período de 2017.

A redução na colheita interferiu na disponibilidade do grãos. Contudo, segundo o mercado, os estoques de 17 milhões de toneladas que vieram da safra passada, que havia sido recorde, possibilitariam um desempenho melhor, caso o transporte estivesse normalizado.

Segundo a FC Stone, algumas negociações estão ocorrendo com fretes abaixo da tabela, porém, há os casos de desaceleração no ritmo de comercialização devido às incertezas causadas pela tabela de fretes, limitando a exportação do milho brasileiro. Para o mês de agosto, a previsão da consultoria é de que sejam embarcados 2,5 milhões de toneladas.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA