Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Renyere Trovão
Gazeta do Povo
| Foto: Renyere Trovão Gazeta do Povo

Volkswagen apresentou oficialmente o Virtus, sedã derivado do Polo que chega às lojas no início de fevereiro para ocupar o espaço entre Voyage e Jetta.

O modelo será oferecido em três versões: 1.6 MSI, por R$ 59.990, Comfortline 1.0 TSI (turbo), R$ 73.490, e Highline 1.0 TSI , 79.990. O carro não será vendido com o propulsor 1.0 aspirado, como ocorre no Polo.

O Voyage parte de R$ 51.200 na configuração 1.0 e chega a R$ 59.700 na 1.6. Já o Jetta começa em R$ 94.190, no motor 1.4 TSI, e bate os R$ 108.600 no 2.0 TSI.

Feito em São Bernardo do Campo (SP) sobre a nova multiplataforma MQB A0, o Virtus possui um porte próximo ao Jetta e foi desenvolvido com foco no mercado brasileiro. 

Ele chega para brigar no segmento médio-compacto, que inclui Honda City (muda em fevereiro) e Chevrolet Cobalt, além dos futuros Fiat Cronos (estreia em fevereiro) e Toyota Yaris (previsto para o segundo semestre).

Cara do Polo, traseira inédita

Renyere Trovão Gazeta do Povo

Visualmente, o carro é idêntico ao Polo, com o mesmo conjunto de faróis, grade e o capô arredondado repleto de vincos.

A semelhança vai até as portas traseiras. A partir dali tudo é novo. E novo mesmo, pois não há nenhum outro sedã da montadora que traga os mesmos elementos. 

As lanternas avançam sobre as laterais, complementando os vincos acentuados que começam nos paralamas dianteiros. Já o para-choques vem com uma barra cromada em toda a sua extensão na parte inferior.

>>Volkswagen revela Jetta 2019, que chega ao Brasil no segundo semestre

Porta-malas generoso

A novidade possui um entre-eixos quase 9 cm mais longo que o do Polo (2,65 m contra 2,56 m do hatch). Com isso, o espaço para os ocupantes traseiros é mais amplo e confortável.

Com o terceiro volume, o Virtus chega a 4,48 m de comprimento, ou 42,5 cm a mais que o Polo. O resultado é um porta-malas generoso: 521 litros. 

>>Fiat revela o novo Cronos, sedã do Argo que aposta no visual esportivo

Para se ter uma ideia, ele supera os outros três sedãs da marca vendidos no Brasil: Voyage (480 l), Jetta (470 l) e Passat (506 l). 

E é ainda maior que o do Renault Logan (510 l) e empata com o Fiat Grand Siena (520 l), mas perde para o volume impressionante do Cobalt (563 l).

O Virtus tem 1,46 m de altura e 1,75 m de largura. Ou seja, é apenas 1 cm mais baixo e 2,7 cm mais estreito que o Jetta – no entre-eixos, são iguais. Lembrando que a nova geração do Jetta foi apresentada recentemente no Salão de Detroit e chega até o fim do ano ao Brasil.

>>Honda City 2018 tem primeiras imagens e data de lançamento divulgadas

Mais sofisticado que o Voyage

Por dentro, o Virtus repete o Polo, tanto no acabamento quanto nos equipamentos. Assim como no hatch, a versão topo de linha Highline terá como opcionais o quadro de instrumentos digital Active Info Display, com tela de 10,25 polegadas, e a central multimídia Discover Media de 8”, com GPS, sensor de aproximação e App-Conect.

O pacote do sedã ainda traz direção elétrica (todas as versões), airbags laterais, luz diurna em led, ar-condicionado automático, partida sem chave, detector de fadiga e sensores de estacionamento dianteiros e traseiros. 

Mas, assim como o Polo, não trará na configuração mais básica o ajuste elétrico dos retrovisores e da altura do volante, nem faróis de neblina.

Motorização

Também abrirá mão do motor 1.0 aspirado, de 84 cv, que equipa o hatch. O sedã começará pelo 1.6 MSI, de 117 cv e 16,8 kgfm, gerenciado pelo câmbio manual de cinco marchas.

E adotará o propulsor 1.0 TSI (turboflex e com injeção direta), de 128 cv e 20,4 kgfm, sempre associado ao câmbio automático Tiptronic de seis marchas. Aliás, o 200 fixado no lado direito da tampa do porta-malas faz referência ao torque do carro.

Essa motorização é capaz de levar o Virtus de zero a 100 km/h em 9,9 segundos e alcançar a velocidade máxima de 194 km/h.

Controles de estabilidade e de tração, assistente de partida em rampa, bloqueio do diferencial traseiro, freio a disco nas quatro rodas e volante com ajuste de profundidade e altura serão de fábrica apenas para as versões TSI. No 1.6, entram como itens opcionais. 

Aliás, o Virtus deverá repetir o Polo no teste de colisão do Latin NCap, quando conquistou nota máxima. Isto é, será um dos carros mais seguros do segmento, principalmente pela plataforma MQB A0, com aços de alta resistência em boa parte da carroceria.

O QUE TRAZ CADA VERSÃO

Virtus 1.6 MSI: R$ 59.990

Motor: 1.6 MSI, de 110/117 cv (a 5.750 rpm) e 15,8/16,5 kgfm (a 4.000 rpm) com gasolina/etanol.

Câmbio: manual de cinco marchas.

Consumo: 8,2/ 11,9 km/l (cidade) e 9,5/ 13,8 km/l (estrada) com gasolina/etanol.

Direção elétrica, alarme, quatro airbags, ar-condicionado, chave canivete, controle de tração; faróis biparábola, fixação Isofix, sistema de som com entrada USB e bluetooth, suporte para celular, rodas de aço aro 15 e travas e vidros elétricos.

Opcionais

Pacote 1 (R$ 1.050): Controle de estabilidade, bloqueio eletrônico de diferencial e assistente de partida em aclives.

Pacote 2 (R$ 2.950): pacote 1 + central multimídia Composition Touch com tela tátil de 6,5 polegadas e projeção de celulares (Apple CarPlay e Android Auto), volante multifuncional, rodas de liga leve aro 15, sensor de ré

Virtus 200 TSI Comfortline: R$ 73.490

Motor: 1.0 TSI, de 115/128 cv (a 5.500 rpm) e 20,4 kgfm (entre 2.000 e 3.500 rpm) com gasolina/etanol.

Câmbio: automático de seis marchas.

Consumo: 7,8/ 11,2 km/l (cidade) e 10,2/ 14,6 km/l (estrada) com gasolina/etanol.

+ grade dianteira cromada, lanternas traseiras escurecidas, controle de estabilidade, sensor de ré, assistente de partida em rampas, freio traseiro a disco, volante multifuncional com ajustes de altura e profundidade, retrovisores elétricos com repetidores de luz de seta e função tilt down, central multimídia Composition Touch com tela tátil de 6,5 polegadas e projeção de celulares (Apple CarPlay e Android Auto), rodas de liga aro 15, suspensão dianteira com barra estabilizadora, faróis de neblina com cornering light (acionamento automático da luz direita ou esquerda em curvas), apoia-braço para o motorista com porta-objetos e entrada USB e saída de ar traseira.

Opcionais

Pacote 1 (R$ 2.200): acesso sem chave e partida por botão, piloto automático, sensor de estacionamento dianteiro, retrovisor interno antiofuscante, rodas de liga aro 16, sensores de iluminação e de chuva e aletas para trocas de marcha no volante.

Pacote 2 (R$ 3.500): mesmo itens do do Tech 1 + indicador de pressão dos pneus, porta-malas com ajuste de espaço, ar-condicionado digital, câmera de ré, detector de fadiga, frenagem pós-colisão e porta-luvas refrigerado.

Virtus 200 TSI Highline: R$ 79.990

Mesmo trem-de-força da versão anterior.

+ grade dianteira em preto brilhante com filete cromado, acesso sem chave e partida por botão, piloto automático, borboletas atrás do volante para a troca de marchas, porta-luvas refrigerado, rodas de liga aro 16, ar-condicionado digital e luz de condução diurna em led.

Opcionais

Bancos de couro (R$ 800), banco do passageiro dianteiro rebatível (R$ 300), rodas aro 17 (R$ 1.200).

Pacote Tech (R$ 3.300): sensor de estacionamento dianteiro, indicador de pressão dos pneus, porta-malas com ajuste de espaço, câmera de ré, detector de fadiga, frenagem pós-colisão, retrovisor interno antiofuscante, porta-luvas refrigerado, sensores de iluminação e de chuva, central multimídia Discover Media, com tela tátil de 8 polegadas e navegação GPS e quadro de instrumentos 100% digital em tela de 10,25 polegadas,

Paleta de cores para o Virtus (7 opções): sólidas (branco, preto e vermelho) e metálicas (azul, cinza e dois tons de prata).

O jornalista viajou a convite da Volkswagen
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]