Um ano após dizer que "vomitou com cheiro de pobre", Greca segue assombrado por população de rua - Caixa Zero
Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
Blog Caixa Zero
Blog Caixa Zero

Um ano após dizer que “vomitou com cheiro de pobre”, Greca segue assombrado por população de rua

Rafael Greca. Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo.
Rafael Greca. Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo.

Há exatamente um ano, o então candidato a prefeito de Curitiba pronunciava a frase que quase lhe tirou uma eleição ganha. Numa sabatina da PUC, contou uma história sobre como ajudou um mendigo e que terminou na grande gafe de 2016.

O prefeito disse que havia vomitado por causa do cheiro do pobre.

Foi um desastre de relações públicas. Greca teve de ir à tevê pedir desculpas – a última coisa que um político em campanha quer fazer. Sua popularidade desabou. E se não fosse pelo apoio que teve do governo do estado, poderia ter colocado tudo a perder.

De lá para cá, Greca vem tendo uma história de amor e ódio com a população de rua. Exatamente na história como contou, quer ajudar, mas não está preparado.

Como uma de suas primeiras medidas, mandou fechar um guarda-volumes na Osório. Podia não ser nada: há outros. O problema foi o motivo. Não querer que os mendigos se misturem às pessoas “de bem”.

Disse que a culpa de uma pessoa que morreu de frio era dela mesma, que não aceitou ajuda. Descontente porque os moradores de rua não sumiram, demitiu a presidente da FAS.

Depois começaram a pingar denúncias de que a prefeitura vinha tirando pessoas da rua à força. Higienismo. Houve inclusive uma cena suspeitíssima justo quando o governador Beto Richa iria aparecer para fazer uma foto e a população de rua local sumiu minutos antes.

A Defensoria Pública, o Ministério Público, a Igreja, todo mundo pediu para Greca parar com isso. Mas ele parece não ter interesse em parar.

De novo, nesta semana, um ano depois da história do vômito, o prefeito viu seus funcionários numa cena lamentável, com gente da Defensoria Pública aos gritos para impedir que moradores de rua fossem removidos por guardas municipais, na base do constrangimento.

O prefeito parece não querer mal à população de rua. Como numa cena medieval, até gosta que essas pessoas existam para que ele possa aparecer como o ente caridoso que lhes proporciona algum bem. Mas, na política pragmática, há limites para o que possa fazer com que a cidade pareça suja. Para o que baixa a popularidade de um prefeito que prometeu, simbolicamente, “lavar” o centro da cidade.

Ainda há três anos de Greca pela frente. Os moradores de rua, que já não têm nada, ainda têm essa longa perspectiva pela frente: de uma prefeitura que quer vê-los saindo da vista dos outros. Porque o que os olhos não veem e o nariz não sente – isso não existe.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.