Vídeo de assédio de brasileiros mostra lado deplorável de torcidas na Copa do Mundo 2018
Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
Blog Blog Copa do Mundo 2018

Vídeo de assédio de brasileiros mostra lado deplorável de torcidas na Copa do Mundo 2018

Vídeo de assédio de brasileiros mostra lado deplorável de torcidas na Copa do Mundo 2018
André Pugliesi/Gazeta do Povo, enviado especial à Rússia

MOSCOU, Rússia – Está correndo o WhatsApp um vídeo de brasileiros fazendo com uma mulher estrangeira algo que, pela animação do rapazotes, parecia para eles uma divertida brincadeira. Mas o que é, mais exatamente, um caso de assédio fácil de identificar aqui na Rússia.

Quatro adultos, três deles envergando a camisa da seleção brasileira, aparecem cercando uma mulher loira e entoando, como fosse um grito de torcida, um palavrão que faz referência ao órgão sexual feminino. A moça, sem entender nada, claro, tenta repetir. É deprimente e não vou reproduzir aqui o vídeo.

LEIA MAIS: “Camisa amarela coisa de coxinha” é ridículo. Torça à vontade pelo Brasil na Copa do Mundo

LEIA MAIS: Cantos, bebida, futebol e RRRA-CÍ-A, o point da Copa do Mundo 2018 em Moscou

Bastam cinco minutos trafegando pela rua Nikolskaya, um calçadão de pedestres como a Rua XV, principal ponto de concentração de torcedores em Moscou, para esbarrar com cenários dessa natureza. Homens, de diversas nacionalidades, mas especialmente latinos, assediando mulheres russas.

Sob o pretexto da festa do Mundial, há quem se aproveite da diferença cultural, e da quase intransponível barreira do idioma local, para falar todo tipo de coisa, puxar o cabelo, pelo braço etc. É uma mistura de turismo futebolístico e sexual.  E as anfitriãs, normalmente, respondem com cordialidade e um sorriso envergonhado.

LEIA MAIS: Em câmera lenta vai ser tudo pênalti. VAR já inicia com polêmica na Copa do Mundo

Não é, evidentemente, um fenômeno isolado de Copa do Mundo. Mas o Mundial, por reunir tanta gente diferente num único lugar, durante cerca de um mês, acaba atingido por esse tipo de situação. Lamentável, sem dúvida. E um alerta que, falta de respeito, é igual em qualquer lugar do mundo.