Delator da Operação Quadro Negro cita Ricardo Barros, diz revista Veja - De Brasília
Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
Blog De Brasília

Delator da Operação Quadro Negro cita Ricardo Barros, diz revista Veja

Ministro da Saúde, Ricardo Barros, ao lado da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), durante reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) no último dia 2. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Ministro da Saúde, Ricardo Barros, ao lado da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), durante reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) no último dia 2. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O empresário Eduardo Lopes de Souza, dono da Valor Construtora, e pivô da Operação Quadro Negro, teria citado o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), durante os depoimentos que prestou a autoridades na tentativa de fechar um acordo de colaboração premiada. A informação é da coluna Radar On-Line, da revista Veja. De acordo com a publicação, Eduardo Lopes de Souza contou que “pagou propina a um cunhado do ministro, por exigência de Barros”.

O “cunhado” é o ex-vereador de Curitiba Juliano Borghetti, que é irmão da vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti (PP), mulher de Barros. Ele está entre as pessoas que já foram denunciadas no âmbito da Operação Quadro Negro, no final de 2015. Juliano Borghetti é acusado pelo Ministério Público de receber dinheiro para usar de suposta influência no governo estadual, facilitando “trâmites burocráticos” dos pagamentos à construtora. Ele nega.

A Gazeta do Povo não conseguiu contato com a advogada de Eduardo Lopes de Souza, Rose Meri Baggio. Procurados, o advogado Claudio Dalledone Júnior, que defende o ex-vereador no processo, e a assessoria de imprensa do ministro da Saúde, que é deputado federal pelo Paraná licenciado, enviaram notas semelhantes à Gazeta do Povo hoje (12), negando a informação da revista. Leia abaixo:

Nota da assessoria de imprensa do ministro da Saúde, Ricardo Barros:

O suposto fato nunca existiu. Juliano Borghetti foi funcionário da empresa Valor, onde trabalhou e recebeu salário por três meses. As irregularidades praticadas pela Valor aconteceram em período anterior ao trabalho de Juliano Borghetti na empresa. Os fatos envolvendo a Valor foram divulgados quando já não estava mais na empresa.

Nota do advogado Claudio Dalledone Júnior, que defende Juliano Borghetti:

Juliano Borghetti nega qualquer acusação de solicitação de propina. Reforça que o seu relacionamento com a empresa Valor é posterior aos supostos desvios por ela praticados e que prestou serviços por três meses à empresa Valor, quando recebeu pagamentos por esses serviços, sendo que sua inocência está sendo provada no respectivo processo.